COTAÇÃO DE 26/07/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1740

VENDA: R$5,1740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1630

VENDA: R$5,3400

EURO

COMPRA: R$6,1233

VENDA: R$6,1261

OURO NY

U$1.797,46

OURO BM&F (g)

R$299,92 (g)

BOVESPA

+0,76

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Foto: Patrick Grosner/Divulgação | O recolhimento da Cfem em Minas diminuiu junto com a produção, afetada pela tragédia de Brumadinho

Jerri Alves*

Além de uma importante fonte de renda para milhares de brasileiros, a mineração é a grande responsável pelo equilíbrio dos índices de crescimento do País, sendo responsável por quase 5% do PIB nacional. Mas a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus levantou diversos questionamentos sobre o futuro do segmento.

PUBLICIDADE

A recuperação, no entanto, tem se mostrado cada vez mais possível. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), o faturamento da mineração brasileira foi de R$ 39 bilhões no segundo trimestre deste ano – o que representa um crescimento de 9% em relação aos três primeiros meses de 2020. Esse aumento se deve ao bom desempenho das exportações, especialmente, por causa da retomada da demanda da China, além da valorização do dólar e a alta nos preços internacionais.

A maior parte do faturamento está concentrada na exportação de minério de ferro, ouro e cobre. A exploração de minério de ferro rendeu R$ 23 bilhões às mineradoras, o que representa 59% do total; seguida do ouro, com participação de 14%, ou R$ 5,4 bilhões; e do cobre, que foi responsável por 8% do total no período, com R$ 3 bilhões. Entre os estados brasileiros, Minas Gerais é o segundo na lista de maior faturamento. Ainda segundo o Ibram, o setor arrecadou R$ 14,7 bilhões de abril a junho – o que representa 37,66% do total brasileiro, ficando apenas atrás do Pará.

O bom desempenho se deve a manutenção da produtividade em meio à pandemia. A rápida adoção de medidas de contenção, logo no início da crise do novo coronavírus, foi essencial para esse vislumbre de recuperação. Entre elas, estão a implementação do home office, o escalonamento de horários e o aumento do nível de circulação de ar em ambientes corporativos. Em um momento como esse, é importante que a tomada de decisão seja assertiva e pontual, para que qualquer instituição seja capaz de se recuperar, sem grandes prejuízos.

*Superintendente do Grupo MBL

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!