COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5720

VENDA: R$5,5730

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5900

VENDA: R$5,7230

EURO

COMPRA: R$6,4654

VENDA: R$6,4683

OURO NY

U$1.793,01

OURO BM&F (g)

R$321,20 (g)

BOVESPA

-2,11

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

O amigo que nos deixou

COMPARTILHE

Crédito: Freepik

Cesar Vanucci*

“Cada qual tem seu dia marcado”. (Virgílio)

PUBLICIDADE

Disse Camões: “As pessoas não morrem, partem primeiro”. Disse Richard Bach: “Existe um jeito simples de saber se está cumprida a missão de alguém. Se está vivo não está.” O que nem o poeta, nem o pensador disseram é que, na fase outonal da vida, a gente descobre, de súbito, que vai se tornando frequente a “partida primeiro”, bem cumprida a missão, de um punhado de amigos diletos. A lista dessas separações envoltas em saudade acaba de ser acrescida do nome de Silviano Cançado Azevedo, companheiro de jornadas memoráveis.

Cidadão de bem, engenheiro culto e capaz, dono de irradiante simpatia, este construtor do progresso deixou pegadas cintilantes em trilhas percorridas no rumo do desenvolvimento econômico e prosperidade social. Causa por ele perseguida com benfazeja obsessão. Desempenhou, com zelo e competência, funções executivas nas áreas pública e privada.

O BDMG, a Secretaria de Estado da Indústria e Comércio e a Companhia de Distritos Industriais guardam, em seus acervos, anotações exuberantes de atos e decisões brotados de seu labor, talento e inventividade. Trabalhamos juntos, por longo espaço de tempo, no Sistema Fiemg. Eu, como Superintendente-Geral; ele, como dinâmico coordenador do Conselho de Estudos Econômicos e, noutro período, como Superintendente de Cultura do Sesi.

A parceria rendeu frutos compensadores. Silviano passava para os colegas, continuamente, lições de vida impregnadas de otimismo. Sua crença em valores caros ao sentimento de brasilidade e ao sentimento comunitário era bem arraigada. Ele foi uma dessas criaturas raras, desprendidas e leais, que, antes de tudo mais, costumam encarar o trabalho, executado com afinco, espírito público e sensibilidade social, como recompensa do próprio trabalho.

  • No dia em que o Brasil chegou a cem mil mortos pelo Covid, sem qualquer sinal no ar de que a pandemia está se aproximando do fim. Num suplemento publicado sobre o flagelo, o jornal “Folha de S.Paulo” publicou, na primeira página, um poema de forte simbolismo. O texto é de autoria de W.H.Auden, traduzido por João Mostazo. Intitula-se “Blues fúnebre”. Tomo a liberdade de reproduzi-lo. “Parem os relógios, desliguem o telefone, / calem com um osso o cão que está com fome, / fechem o piano, abafem os tambores / para o caixão passar, cortejo e flores.// Deixem o avião rodar no céu / riscando esta palavra no ar: morreu. / Que a pomba use uma fita de amuleto/ e o guarda tire a farda e vista preto. // Morreu. Era meu norte, era meu leste, / meu sul, meu sol, minha noite, meu oeste. / Meu canto, meu descanso, minha canção. / O amor era pra sempre, que ilusão. // Apaguem as estrelas, não servem de farol. / A Lua, guardem, que derreta o Sol. / O mar, recolham, varram as florestas / que nada me consola uma hora destas.”

Vez do leitor. Mário Barros comenta o artigo “Falando de gripe comum”: “Cumprimentos pelas considerações a respeito dos fatos presentes no cotidiano.” A propósito do mesmo artigo, a escritora Avelina Noronha registra: “Gosto muito de sua lucidez e desassombro”. Também o jornalista Amaury Teixeira Machado anota impressões sobre o artigo aludido: “Falar o quê? Que a cada capítulo, você está se sobrepujando? Muito bom. Já repassei para alguns amigos e parentes.”

O artigo “Carga pesada” levou o jornalista Orlando Almeida a dirigir-me a  mensagem seguinte: “Magnífico artigo sobre um tema que produz mais estrago, no bolso e na saúde, do que a gripe: os remédios, originais ou genéricos, que abarrotam as prateleiras das farmácias de todo o planeta. Melhor seria se pudéssemos tratar todos os nossos males com ervas e plantas medicinais de nossa Amazônia.”

A acadêmica Alice Spindola acerca do texto “Depois do amanhã”, assinala o seguinte: “Chego a conclusão que o Brasil é ingovernável. Ainda mais: o mundo está comprometido, somos gafanhotos. Minha querida avó, que viveu cem anos, diria – ‘é o fim dos tempos’. Continue, Cesar, como você é.”

A recente série, aqui estampada, sobre a vida e obra de Juscelino Kubitschek de Oliveira, suscitou de Jonas Damas e Elfrida Paganese a manifestação abaixo reproduzida: “Excelente trabalho. O inesquecível JK foi um verdadeiro estadista. Na vida pública de nosso país não houve ninguém que a ele se igualasse.”

*Jornalista (cantonius1@yahoo.com.br)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!