DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Crédito: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

Fernando Bergallo*

Durante o primeiro pregão de 2020, o dólar estava a R﹩4,01. Na semana seguinte, o ataque dos EUA no Iraque marcaria o primeiro estresse sofrido pela bolsa de valores. Em fevereiro, o Brasil estava despreocupadamente curtindo o Carnaval, quando no final do mês começaram a ser reportados os primeiros casos de coronavírus no País.

PUBLICIDADE

Em março, quando a Bovespa perdeu 100 mil pontos, o câmbio estava no patamar de R﹩ 4,50 a R﹩ 4,60. Chegamos ao fundo do poço quando as bolsas dos EUA e Europa sofreram um crash gigante, culminando com a alta do dólar a R﹩ 5,90.

Passado esse cenário apocalíptico, já temos perspectivas de recuperação e reaquecimento da economia. Porém, se o cenário melhorou e se a vacina deve sair em breve, o que ainda estaria por trás das contínuas variações do dólar?

Em 2019, a variação média entre a máxima e mínima do dólar no período de um dia foi de 5 centavos, já em 2020 subiu para 12. Minutos não são o suficiente para mudar a economia mundial. Então, ao que tudo indica, o mercado tem operado em função do alarmismo das notícias e não de seus fundamentos.

A mídia e o comportamento frente ao lockdown acaba por impactar mais do que a própria bolsa de valores, mas não deveria ser assim. Sei também que muitos esperam encontrar uma relação entre o dólar e a política nacional, mas creio que neste contexto o cenário internacional tenha peso 4 e o doméstico 1.

Claro que as mudanças trarão rupturas ainda imprevisíveis no modelo de trabalho. Com a disseminação do home office, por exemplo, ninguém sabe ainda qual será o fim de tantos escritórios. Mas devemos considerar que antes da pandemia os recursos tecnológicos eram os mesmos e que é preciso avaliar se vale a pena continuar com o novo modelo, caso ele interfira na qualidade do serviço. Cortar o aluguel pode não valer a pena caso afete os resultados.

Um investidor norte-americano que busca o prêmio não terá outra opção senão investir num país emergente para alcançá-lo. O Brasil é a sétima maior economia do mundo e, independentemente do governo, as relações históricas e sua liquidez, frente a todos os seus vizinhos sul-americanos, ainda é muito superior. Cerca de 30 vezes mais. É uma questão de não se deixar influenciar e analisar a situação sob um ponto de vista mais maduro e imparcial.

*Diretor de câmbio da FB Capital 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!