COTAÇÃO DE 13/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0570

VENDA: R$5,0580

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1500

VENDA: R$5,2590

EURO

COMPRA: R$5,3163

VENDA: R$5,3179

OURO NY

U$1.810,48@

OURO BM&F (g)

R$303,69 (g)

BOVESPA

+1,17

POUPANÇA

0,6672%

OFERECIMENTO

Opinião

O exemplo do Banco Inter na reorganização societária

COMPARTILHE

Sede do Banco Inter
Crédito: Divulgação

Depois da decepção do final de 2021, quando o Banco Inter desistiu da reorganização societária que o levaria a sair da B3 e ser listada na Nasdaq, em 15 de abril uma nova esperança surgiu no horizonte: a instituição retomou o processo de migração da base acionária para os Estados Unidos, ficando por aqui somente os negócios de certificados de depósito de valores mobiliários (BDRs).

A resposta do mercado não poderia ter sido melhor. As ações tiveram uma valorização de 4,72% no dia 18 de abril, a maior alta do dia na B3. O motivo? O novo formato de reorganização societária.

PUBLICIDADE




Antes cada unit teve o valor de R$ 45,84, sendo separados R$ 2 bilhões para recompra. O preço atrativo gerou correria dos investidores querendo o resgate, superando o teto do gasto e cancelando a operação, afetando a imagem da instituição no mercado.

Já o método adotado em 2022 foi outro: R$ 19,35 por unit e R$ 1,13 bilhão para a operação de recompra. Na prática, o novo formato é promissor e pode trazer um melhor entendimento do valuation e injeção de capital conservando uma mesma disposição de comando.

O tombo do Inter no ano passado traz a reflexão do cuidado na realização de uma reorganização societária. E se esse ‘imprevisto’ aconteceu com um banco de grande porte, é a prova de que toda e qualquer tipo de organização está suscetível a ter surpresas no meio do caminho.

A questão é fazer o máximo para evitá-las.

PUBLICIDADE




São poucas reorganizações societárias que são totalmente bem-sucedidas. Na verdade, as reorganizações societárias são uma ótima maneira de gerar valor: dois terços delas proporcionam pelo menos alguma melhoria de desempenho da companhia.

Existem muitas causas de medo, paranoia, incerteza e distração que aparentemente acompanham qualquer reorganização societária. Na minha experiência, porém, um dos maiores e mais fundamentais erros que as empresas cometem é não envolverem as pessoas, ou pelo menos esquecer delas no início do processo.

Não digo que esse foi o deslize cometido pelo Banco Inter, mas todos precisam ser informados e ouvidos: colaboradores, acionistas, conselho administrativo, órgãos reguladores, clientes, fornecedores e até sindicatos. Ao deixar os interessados na mesma página, as fofocas e rumores são evitados, trazendo clareza até para o mercado e a mídia.

Considere também outros pontos importantes:

1- Começar com a estratégia de negócios: O primeiro componente da estratégia de reorganização da empresa é descobrir por que é preciso se reorganizar. Sem entender o rumo e objetivos pretendidos ou definir o problema que a empresa espera resolver, não há nada para orientar o processo de reorganização e não há como medir o seu sucesso.

2- Identificar pontos fortes e fracos na estrutura organizacional atual: Com a estratégia em mente, é preciso considerar onde a estrutura organizacional atual falha em atingir as metas da empresa e onde ela funciona.

3- Considerar as opções e criar uma nova estrutura: Depois de determinar o problema com a estrutura organizacional atual da empresa e considerar todas as funções de trabalho existentes, é hora de criar um novo modelo de organização.

4- Iniciar a reestruturação da empresa e ajustar conforme necessário: Finalmente chegou o momento de executar a reestruturação societária. Lembre-se de que a mudança pode ser difícil. Pense em sua estratégia de negócios e faça ajustes se a nova estrutura organizacional ainda não atender aos seus objetivos finais.

Esses são apenas conselhos iniciais. Uma reorganização societária leva em conta muitos fatores e pode ser difícil seguir sem ajuda especializada. Uma consultoria pode ajudar a prever surpresas de desenvolver planos de contingência caso elas aconteçam. Não vale a pena ser o assunto do dia por algo que com certeza poderia ser evitado!

* Sobre o autor: CEO da Abile Consulting Group, embaixador da Leader X e chairman of the board da Agência Brasileira de Inovação e Desenvolvimento Sustentável (Abids) | umberto.tedeschi@abile.com.br
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!