COTAÇÃO DE 09/04/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6740

VENDA: R$5,6750

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6570

VENDA: R$5,8330

EURO

COMPRA: R$6,7129

VENDA: R$6,7158

OURO NY

U$1.744,20

OURO BM&F (g)

R$316,53 (g)

BOVESPA

-0,54

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

OMS e pandemia: ciência ou política?

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Freepik

Doorgal Borges de Andrada*

A ciência, a filosofia, a economia e a política não têm fronteiras. E sendo frutos de reflexões mundanas e humanas, são recheadas de imprecisões e falhas. Dentre elas, é importante destacar que, ainda que fiquemos maravilhados com os avanços da ciência, não é prudente vê-la como uma verdade absoluta, e mais grave é vinculá-la a atividades partidárias. Essas áreas têm objetivos e finalidades diversas. Fundir política com religião, ciência com política, ou política com justiça não é recomendável para a humanidade e muito menos para a democracia.

PUBLICIDADE

Nesse sentido, a OMS deveria separar a política da ciência, ser transparente e explicar, por exemplo, a metodologia da China que, sob censura política, declarou a morte de apenas 5 mil pessoas pelo Covid-19 (menos perdas do que no pequeno Ceará), apesar dos seus 1,3 bilhão de habitantes, em sua maioria aglomerados em espaços precários, com baixa qualidade de vida, falta de higiene e de saneamento. A Alemanha, país desenvolvido e com menos de 7% da população chinesa, já perdeu o dobro de pessoas: 10 mil. E nos EUA, com apenas um quarto da população chinesa, já morreram cerca de 170 mil pessoas.

E como esclarecer a divulgação tão desigual entre países vizinhos e de população similar, com 30 milhões de habitantes: a Venezuela, faminta e desorganizada, ter tido apenas 260 mortes, e o Peru, muito mais desenvolvido, ter perdido 12 mil vidas? Vamos confiar nas estatísticas sobre o Covid-19 e nas orientações da OMS?

Os danos irreparáveis de Hiroshima, Nagazaki, Chernobyl, do Ebola, Bhopal, de Brumadinho são exemplos que ilustram que a ciência não é estática e muito menos unânime, e que o uso e a aplicação dela nem sempre é a melhor solução humana. Aliás, a ciência está em constante mudança ou evolução, logo, nada nela é absoluto ou definitivo. Há poucas décadas, pesquisadores diziam ser uma mera ficção a possibilidade de o homem visitar a Lua. Estudos genéticos de hoje já permitem a perspectiva de um humano com membros de animais – pesquisa aprovada pela ciência, mas, com certeza, inteiramente rejeitada à luz do Direito e da moral.

Outra triste experiência indicadora que a junção da política com a ciência é inadequado vem das primeiras décadas do século XX, quando a ciência de países ricos e poderosos apresentaram a tese de que a raça branca/ariana era superior a todas as outras. Tese científica essa que foi adotada e fortalecida pelo cruel ditador Hitler, mas não inventada por ele. Outro ditador, o socialista soviético Stalin, também se apegou a importantes conclusões das ciências econômica e sociológica, bem como aos estudos científicos de Marx e Lenin para aplicá-los “politicamente” e, assim, justificar milhões de atos de crueldade, torturas e destruição em massa de vidas inocentes.

Diferentemente dos citados acima, a história nos oferece exemplos do inverso: Colombo, Galileu, Darwin, e outros imortais desafiadores dos conceitos predominantes da política, da ciência e dos sábios do seu tempo, mas hoje aplaudidos. Portanto, vale recriminar tal submissão a uma única voz, à luz do nosso escritor Nelson Rodrigues (1912-1980): “Toda unanimidade é burra”.

É inegável que o método científico torna as pesquisas e descobertas mais confiáveis e seguras para a humanidade, mas não torna a ciência infalível ou definitiva. A ciência encontra limites justamente naquilo que a desafia. O conhecimento já adquirido, a

pesquisa e seus métodos, as ferramentas a serem utilizadas na investigação devem ser testados e até superados para que novo conhecimento se produza. Portanto, tende a ser falha uma política que tome uma única visão da ciência como verdade absoluta.

Indo além dessa desaconselhável união da ciência com a política, vemos que nesta crise causada pelo Covid-19, seja por pressão da grande mídia, por interesse econômico de laboratórios ou hospitais, pelo abuso de decretos políticos, ou por decisões falhas do Judiciário, cresce a impressão de que aquele que se recusar a se submeter às “verdades” – autoproclamadas majoritárias – desta perigosa junção será rechaçado, amordaçado ou até mesmo “cancelado”. Já surgem até imposições políticas radicais sob o argumento científico/político para proibir o uso de certos medicamentos, censurar opiniões médicas, divulgar um número não confiável de mortes, e impor a opinião unilateral sobre saúde pública. Vivemos um momento estranho de crise que nos lembra a Idade Média, a uma quase ruptura do estado democrático de direito, à expressão de um fúnebre retrocesso político social.

A vida humana deve ser sempre protegida ao máximo, todavia, o oposto disso pode estar ocorrendo quando um grande radicalismo político, sob pretexto de seguir um pensamento científico, impõe a destruição da economia; a extinção das pequenas indústrias, comércios, escolas e empregos; a grave queda na arrecadação que poderá gerar fome, mortes e caos, justamente aos mais carentes nos países menos desenvolvidos, com um terrível agravamento das desigualdades sociais. Aliás, isso foi alertado pela própria OMS para a fase do pós-pandemia. São caminhos puramente desumanos!

Torcemos para que o livre debate científico e político, com direito ao contraditório, retorne logo e, com ele, o bom senso, a

liberdade, a transparência, o respeito à democracia e a dignidade da vida humana!

*Desembargador do TJMG, foi advogado, professor universitário, delegado, promotor de justiça, juiz de direito, sendo autor de inúmeros livros e artigos publicados.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!