COTAÇÃO DO DIA 22/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4780

VENDA: R$5,4790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5070

VENDA: R$5,6470

EURO

COMPRA: R$6,6088

VENDA: R$6,6101

OURO NY

U$1.853,68Pg�

OURO BM&F (g)

R$ (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião
Página Inicial » Opinião » Os perigos da mineração ilegal

Os perigos da mineração ilegal

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

As técnicas utilizadas no garimpo podem ser predatórias ao meio ambiente, bem como às comunidades indígenas, principalmente, quando são praticadas sem planejamento e de forma ilegal.

Mas extrair minerais valiosos do solo brasileiro não é uma prática ilegal – desde que a extração siga as leis de registro, em áreas aprovadas pelo governo. É possível encontrar ouro, por exemplo, e ganhar dinheiro com isso, sem estar cometendo um crime. Mas as consequências podem ser destrutivas e nocivas se não houver cuidado e conhecimento técnico sobre o manuseio adequado do solo.

Segundo o relatório Amazônia Saqueada, da Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada, na região Amazônica – que envolve Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela – existem 2.557 garimpos ilegais demarcados atualmente.

Ainda conforme o documento, a maioria encontra-se na Venezuela: 1.899, com 453 no Brasil, 134 no Peru e 68 no Equador. Mas é importante lembrar que há muitas áreas de garimpos ilegais ainda não confirmadas, o que torna o cenário ainda mais preocupante. Dados do Greenpeace, revelam que 72% de todo garimpo realizado na Amazônia entre janeiro e abril de 2020 ocorreu dentro de unidades de conservação e terras indígenas. O ano de 2019 bateu o recorde de invasões, com um total de 160 ocorrências de invasões e exploração ilegal de terras indígenas.

Na natureza, os efeitos dessa exploração são devastadores. Afinal, as mangueiras que usam água pressurizada para desmontar barrancos naturais à procura de ouro, deixam imensas crateras, destroem a vegetação e interferem na dinâmica da floresta. Outro risco ocasionado pela atividade é o uso do mercúrio para purificar o ouro – o que contamina a água, o ar e os animais, até chegar aos seres humanos.

O garimpo ilegal também pode impactar o cotidiano das populações estabelecidas na área. Para a comunidade indígena, o garimpo ilegal acompanha a violência. Notícias sobre o avanço de desmatamentos e garimpos ilegais em terras indígenas têm crescido no Brasil recentemente, bem como os assassinatos de indígenas pelos garimpeiros ilegais. É uma situação muito séria e que precisa da atenção da sociedade e do governo.

** Superintendente do Grupo MBL. jerri.alves@grupombl.com.br

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!