COTAÇÃO DE 21-06-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0220

VENDA: R$5,0230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0200

VENDA: R$5,1830

EURO

COMPRA: R$5,9972

VENDA: R$5,9999

OURO NY

U$1.783,34

OURO BM&F (g)

R$288,80 (g)

BOVESPA

+0,67

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Os rumos do comércio com a alta da Selic

COMPARTILHE

banco central
Crédito: Antonio Cruz/ABr

Após o reajuste feito na taxa Selic em março de 2021, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar novamente a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual (p.p.), passando de 2,75% para 3,5% ao ano. Ferramenta de controle da inflação, a Selic normalmente sofre elevações quando se pretende segurar a pressão pela alta de preços, neste momento marcada pelo encarecimento de alimentos e combustíveis.

Em outras palavras, quando a inflação está acima da meta estipulada pelo Banco Central, eleva-se a Selic para que, desta forma, ocorra um aumento dos custos de crédito – financiamento, cartão de crédito, cheque especial, dentre outros – para o consumidor e as empresas. Como consequência, há uma redução do consumo e uma queda geral dos preços.

PUBLICIDADE

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) já havia acentuado a retração no nível de consumo das famílias. Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o volume de vendas do comércio varejista do País registrou em fevereiro de 2021 uma retração acumulada no ano de 3,8%. O alto índice de desemprego, a elevação de preços e, recentemente, a alta da Selic contribuíram para essa queda, que afeta diretamente o comércio.

Além disso, a expansão da taxa básica de juros eleva os custos de financiamento não apenas para o consumidor final, mas também para as empresas. Com o reajuste da Selic, outras taxas bancárias sofrem aumentos, desencadeando um crescimento do custo do crédito. Com o consumo em baixa e o crédito mais caro, todos os setores da economia, e, em especial o comércio de bens, serviços e turismo, sofrem um impacto negativo sobre suas atividades, agravando a crise enfrentada nos últimos meses.

O controle inflacionário é imprescindível ao País, principalmente diante da alta de preços de bens essenciais. No entanto, esse processo deve englobar não apenas o aumento da taxa básica de juros, mas também a diminuição dos gastos do governo. Essas medidas contracionistas causam efeitos indesejados na economia, como o aumento do custo do crédito e as suas consequências para o comércio, mas reduzem o risco inflacionário. Por outro lado, os empresários, em meio à crise, veem-se frente a um impasse: como obter crédito ou microcrédito para manter a saúde financeira do negócio diante da necessidade de o governo aumentar os juros?

Conduzir a economia brasileira em uma das maiores crises da humanidade é uma tarefa complexa e delicada. É imprescindível conter a alta de preços e adotar medidas de prevenção da Covid-19, mas elas não podem deixar as empresas, força-motriz da economia, em segundo plano. É preciso criar e manter linhas de crédito atrativas para todos os empresários e gerar suporte para uma retomada econômica gradativa, mas consistente.

Para uma economia forte, é preciso que o governo mantenha os benefícios assistenciais, auxiliando as famílias e mantendo o consumo aquecido. Também é papel do poder público prestar apoio aos negócios, em especial às micros e pequenas empresas, evitando o maior número possível de falências. Só assim, os efeitos negativos das políticas contracionistas, acrescidos aos fechamentos consecutivos do comércio, não irão inviabilizar o futuro do setor, principal responsável pela geração de empregos diretos em todo o país. 

*Economista da Fecomércio MG (imprensa@fecomerciomg.org.br)
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!