COTAÇÃO DE 26/07/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1740

VENDA: R$5,1740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1630

VENDA: R$5,3400

EURO

COMPRA: R$6,1233

VENDA: R$6,1261

OURO NY

U$1.797,46

OURO BM&F (g)

R$299,92 (g)

BOVESPA

+0,76

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Paolo Zupo Mazzucato*

Até pouco tempo, acreditava-se que alguns males estavam erradicados, como sarampo, poliomielite, difteria e rubéola. No meio jurídico, desde a entrada em vigor da atual Lei de Defesa da Concorrência (Lei no 12.529/2011), também se acreditava que a paralisia antitruste não ocorreria novamente. Ledo engano.

PUBLICIDADE

Em um passado recente, à época da revogada Lei no 8.884/94, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (“Cade”) se viu por algumas vezes impedido de realizar seus julgamentos por conta de quórum insuficiente – a “paralisia antitruste”. Os mandatos se encerravam e a nomeação de novos integrantes não era feita em tempo hábil. O Congresso Nacional, ao elaborar a atual lei, reduziu de cinco para quatro a composição mínima do Plenário e estabeleceu regras de transição para que houvesse sistema de mandatos não coincidentes de seus Conselheiros. Contudo, desde o último dia 17 de julho, a autoridade concorrencial se encontra parcialmente paralisada pelo motivo que tanto se tentou evitar que novamente acontecesse. Apesar de a Superintendência-Geral do Cade (“SG”) estar funcionando normalmente, seu Tribunal se encontra com as atividades suspensas devido à composição insuficiente.

Um gravíssimo impacto, mas que não tem recebido o merecido destaque pela imprensa e a atenção do mercado é o de que nenhum ato de concentração de apresentação obrigatória ao Cade poderá ser consumado até que se restaure a normalidade na autoridade antitruste, pois a atual lei instituiu o sistema de controle prévio (a exemplo do que ocorre nos Estados Unidos e na União Europeia). Em casos de menor complexidade e baixo risco concorrencial, a SG aprova sem restrições a operação. O problema é que, mesmo havendo tal decisão, as partes devem aguardar um prazo de 15 dias, referente à interposição de recurso por terceiros ou à avocação por um dos integrantes do Tribunal e, devido à ausência de quórum mínimo, esses prazos também se encontram suspensos e a eficácia do negócio fica prejudicada. Uma situação caótica.

A lei deveria ser alterada e permitir a possibilidade de avocação pelos membros remanescentes do Tribunal do Cade, fluindo-se normalmente o aludido prazo. Isso atenuaria um dos nocivos efeitos da composição a menor do Plenário. Ilustrativas são as estatísticas oficiais, que demonstram a irracionalidade da regra atualmente em vigor. Considerando o período de 2015 a julho de 2019, foram analisados 1.801 atos de concentração pelo Cade. 1.493 (82,9%) tramitaram pelo rito sumário, aquele reservado para transações de baixo risco antitruste, enquanto 308 (17,1%) foram pelo rito ordinário, aplicável nas hipóteses em que se faz necessário um exame mais detalhado. 1678 (93,17%) operações foram aprovadas sem restrições e apenas em 78 casos (4,33%) houve julgamento pelo Tribunal.

Logo, não faz sentido que operações que não apresentem potencial lesivo para o mercado – e que constituem a grande maioria dos casos – sejam afetadas pela inércia ou inoperância para a nomeação de Conselheiros. Grande é o transtorno que a falta de quórum implica para os investimentos privados nacionais e estrangeiros que dependam de autorização concorrencial e evidentes os prejuízos para a economia e a imagem do Cade e do País nos cenários interno e externo.

É bom que se diga que o Cade é uma instituição de excelência, conhecido pela tecnicidade de suas decisões e admirado no Brasil e no exterior. Neste ano, foi admitido como membro permanente do Comitê de Defesa da Concorrência da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (“OCDE”). Por quatro vezes (2010, 2014, 2016 e 2018), foi reconhecido pela Global Competition Review, tradicional revista britânica, como a melhor agência antitruste das Américas.

Já a Concurrences, respeitada publicação especializada francesa, agraciou a autoridade brasileira com o Antitrust Writing Awards por duas vezes com o prêmio de Best Soft Law por conta dos guias de Busca e Apreensão Cíveis (2018) e de Termo de Compromisso de Cessação – TCC (2017). É, sem dúvida, um patrimônio imaterial digno de louvor e que deve ser preservado.

Tanto nos referidos casos de saúde pública, como no institucional, a volta de determinados males tem entre as principais causas a falta de atuação a contento do Poder Público.

Fundamental que se tomem medidas urgentes para nomeação de Conselheiros para o Cade – todos eles com perfil técnico compatível com o cargo – e o consequente fim das nefastas repercussões da paralisia antitruste. Válido, ainda, se considerar a hipótese de alteração da lei para que não se impossibilite a consumação de negócios que nada tenham de prejudicial ao mercado, caso novamente ocorra a falta de quórum do Tribunal.

* Advogado, Professor da pós-graduação da FGV-SP e Presidente da Comissão de Direito da Concorrência da OAB/MG.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!