Crédito: Freepik

Vivaldo José Breternitz*

Vivemos em uma corda bamba: depois das boas notícias dando conta de que em muitos lugares a qualidade do ar havia melhorado bastante, em função da quase paralisação das fábricas e do trânsito por conta da pandemia, na China, onde a situação parece estar se normalizando, a poluição volta a explodir, superando os níveis anteriores à pandemia.

O Centre for Research on Energy and Clean Air (Crea), instituição de pesquisa baseada em Helsinque, lembra que na China os níveis de dióxido de nitrogênio (NO2) caíram cerca de 40% e os de dióxido de carbono (CO2) caíram cerca de 25% durante o período de paralisação. Mas, nestes últimos 30 dias, os níveis passaram a ser superiores aos observados em período similar do ano passado. Esses números foram obtidos compilando-se os dados registrados por 1.500 estações de observação instaladas naquele país.

O Crea lembra que algo similar aconteceu em 2008, quando o governo chinês passou estimular a economia como forma de escapar da grande crise econômico/financeira daquele ano, gerando uma onda sem precedentes de projetos de desenvolvimento, com recordes de consumo de carvão, cimento e aço.

O carvão, altamente poluente, é parte importante da matriz energética chinesa e a indústria de cimento também é altamente poluente; quanto ao aço, o Brasil foi beneficiado, com o aumento da importação de minério brasileiro pelos chineses.

O fim da pandemia não será o fim de nossos problemas; o “airpocalypsis” – jogo de palavras com as expressões inglesas “air” e “apocalypsis”, de significado óbvio, não deve sair de nosso rol de preocupações.

* Doutor em Ciência e professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie