Cotação de 03/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1920

VENDA: R$5,1930

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1930

VENDA: R$5,3470

EURO

COMPRA: R$6,2205

VENDA: R$6,2217

OURO NY

U$1.810,36

OURO BM&F (g)

R$305,16 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2446%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

Ailton Cirilo*

Na maioria dos países, uma pessoa de bem tem a mesma chance de ser eleita que uma pessoa de mau caráter. Essa igualdade de chances só é possível graças a um sistema político criado na Grécia Antiga: a democracia. Onde ela não existe ou foi deliberadamente negada, prevalecem governos tiranos, ditadores e déspotas. A democracia surgiu, portanto, para regular a sociedade, garantir o equilíbrio e permitir avanços, mesmo que paulatinamente.

PUBLICIDADE

No Brasil, a jovem democracia ensaiou os primeiros passos no período de Getúlio Vargas, mas começou a caminhar, de fato, após a promulgação da Constituição Federal de 1988. Nas últimas décadas, estamos vendo um afastamento do povo brasileiro das urnas, incrédulo com a disparidade entre as suas expectativas e o que realmente recebe de seus agentes públicos. É compreensível o descrédito da nação com a classe política brasileira, mas abster-se de escolher os representantes vai favorecer quem: os bons ou os maus políticos?

Uma vez, Margaret Thatcher (1925-2013), primeira-ministra britânica, afirmou que “a democracia não é um sistema feito para garantir que os melhores sejam sempre eleitos, mas sim para impedir que os ruins fiquem para sempre”. No mundo todo, foi a inspiração democrática que acabou com injustiças históricas e garantiu, por exemplo, que as mulheres exercessem o direito ao voto. Foi a democracia que permitiu que o voto passasse a ser secreto e universal. Muitos perderam a vida na luta pela democracia, com convicção de que ela é a maior e melhor manifestação conhecida para exprimir o sonho do poder equilibrado. E isso é possível a partir do voto individual que, somado ao de outros cidadãos, chaga-se ao sufrágio universal.

Por tudo isso, o voto de protesto não é reconhecido como um voto inteligente, pois ele não anula uma eleição, mesmo que ela obtenha maioria de votos em branco ou nulos. O voto de protesto é inócuo diante da força da democracia. A sabedoria política está no exercício da moderação, pelo diálogo, pela participação popular, pela busca do caminho do meio, entre as extremidades, preservando as regras, os deveres e os direitos, sem ajuizamentos parciais e unilaterais.

Portanto, a democracia é essencial para a humanidade, porque o voto continua sendo fundamental para promover as transformações e os avanços que a civilização almeja. Quem opta por não votar está fechando os olhos, a boca e os ouvidos, acolhendo a escolha que fizerem para ele. Quem opta por não votar está negando a si mesmo a chance de evoluir.

*Presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais (AOPMBM) capcirilo@yahoo.com.br

 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!