COTAÇÃO DE 02-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6600

VENDA: R$5,6600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8130

EURO

COMPRA: R$6,3753

VENDA: R$6,3783

OURO NY

U$1.768,55

OURO BM&F (g)

R$319,92 (g)

BOVESPA

0,4902

POUPANÇA

+3,66%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Opinião Opinião-destaque
banco central
Crédito: Enildo Amaral/BCB

José Eloy dos Santos Cardoso*

O economista e professor Luiz Carlos Bresser Pereira declarou-se favorável ao País adotar a solução keynesiana para tentar minimizar os efeitos do Covid-19 na economia brasileira. Seria o Banco Central comprar parte dos títulos da dívida pública emitidos pelo próprio governo para satisfazer suas necessidades de caixa.

PUBLICIDADE

A instituição poderia fazer isso, ou emitindo mais moeda ou usando parte dos recursos ali depositados pelo setor bancário como o obrigatório encaixe, que resume nesse setor ter que recolher ao Banco Central parte dos depósitos à vista de bancos, empresas ou particulares. Nessa medida, o dinheiro vindo poderia ser não inflacionário, desde que os recursos obtidos fossem empregados exclusivamente para a compra de respiradores, máscaras, camas e até medicamentos utilizados no setor de saúde.

Se os recursos obtidos fossem exclusivamente de compras de títulos emitidos pelo próprio governo, diminuiria e enxugaria a dívida pública, mas não seriam necessariamente inflacionários. No entanto, o efeito dessa medida seria diferente daquele pretendido se o dinheiro fosse empregado para pagar novas obras de infraestrutura como estradas, construção de mais prédios públicos, etc.

Seriam inflacionários, se o governo usasse o dinheiro para outros fins diferentes daqueles de aquisição de equipamentos para o setor de saúde, que está usando até campos de futebol para produzir as condições que diminuirão os efeitos econômicos do Covid-19.

Para Bresser Pereira, nada adiantaria colocar mais moeda em circulação se os recursos fossem empregados para gastos em outras infraestruturas. Uma coisa é o governo gastar mais com o próprio setor de saúde, que está vivendo a duras penas. Poderia também aumentar os gastos subsidiando famílias mais pobres que estão usando recursos para matar a própria fome.

A emissão de moeda seria uma boa solução e, se for controlada e com objetivo claro, não causaria uma inflação de demanda, e o dinheiro pode ser usado nos gastos de combate à pandemia de coronavírus, tanto na saúde quanto na economia, com pagamentos de auxílios emergenciais como os R$ 600,00 aprovados recentemente pelo governo.

O ministro da economia Paulo Guedes está perplexo, porque toda sua administração estava montada na ideia de um ajuste neoliberal radical, que não estava dando muito certo porque o número de desempregados não decrescia e os setores industrial e comercial não estavam conseguindo vender o que produzia.

O tal orçamento de guerra estava caminhando até bem, porque o Congresso Nacional propôs medidas que já estavam beneficiando a população mais pobre. O problema é que essa ajuda de R$ 600,00 por três meses acabará em junho e o governo não terá até este momento mais dinheiro para continuar com medidas populares.

Aqui entra o conhecido ditado popular: “se ficar o bicho come e se correr o bicho pega”. Inflação e desemprego são os dois temas que jamais entrarão em acordo com um final feliz e que atenda a todos. Controlar a inflação pode produzir o desemprego e controlar o desemprego pode provocar a inflação.

*Economista, professor e jornalista

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!