COTAÇÃO DE 02-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6600

VENDA: R$5,6600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8130

EURO

COMPRA: R$6,3753

VENDA: R$6,3783

OURO NY

U$1.768,55

OURO BM&F (g)

R$319,92 (g)

BOVESPA

0,4902

POUPANÇA

+3,66%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião
Crédito: Marcos Santos/usp imagens

MARCELO HUGO DE OLIVEIRA CAMPOS*

Recentemente, publiquei artigo sobre o mesmo tema, nesse prestigiado jornal (07/11), em que tive a oportunidade de tratar dos aspectos gerais das propostas de reforma tributária, PEC n° 145/19 e 110/19, as mais importantes, e que tramitam na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, respectivamente.

PUBLICIDADE

Apresentei as minhas primeiras impressões sobre os impactos de uma proposta de imposto com alíquota única para o setor da construção pesada que, a meu ver, terá a sua carga tributária “pesadamente” aumentada, saltando de 8,65% para 25%. Isso desconsiderando-se programas de incentivo do setor, como o Reidi, e considerando-se a alíquota de 25% comentada nos bastidores, que poderá ser ainda maior, tanto quanto suficiente para manter intacta a arrecadação da federação.

Nada que não possa ser solucionado com a previsão de alíquotas, poucas, setoriais. As propostas são meritórias e merecem avançar (!), a despeito de opiniões contrárias.

Desta vez, gostaríamos de tratar de um tema que atormenta a construção pesada: as famigeradas taxas municipais. De todas as espécies: taxa de licença para construção de obra, taxa de licença, localização e funcionamento, dentre tantas outras, cada qual com sua nomenclatura própria, a depender do empreendimento que venha a ser realizado no município.

É bem verdade que a Constituição de 1988 permitiu aos municípios a instituição de taxas (espécie tributária) para fazer frente aos custos da atividade de fiscalização (poder de polícia) no cumprimento das normas municipais, especialmente aquelas relacionadas ao uso e ocupação do solo e à política de desenvolvimento urbano (arts. 30 e 182 da Constituição e art. 2° do Estatuto das Cidades).

Ocorre que, sobretudo em tempos de crise (embora a situação ocorra mesmo em tempos de normalidade financeira), tornou-se comum que pequenos municípios que, por vezes, acabam recebendo grandes obras de infraestrutura (construções de hidrelétricas, barragens, parques industriais e petroquímicos, linhas de transmissão e outros) dado o seu afastamento dos grandes centros urbanos ou em razão de características naturais ímpar, lancem mão de inúmeras taxas de constitucionalidade duvidosa, com o objetivo único de promover o aumento da arrecadação municipal.

Com efeito, muitas vezes essas taxas municipais são cobradas em valores que chegam a representar ¼ das receitas do município e metade da sua receita tributária, superando, inclusive, o orçamento total da secretaria responsável pela atividade fiscalizadora. As taxas tornaram-se os novos impostos municipais.

Bem por isso a Constituição cuidou de alertar que “as taxas não poderão ter base de cálculo própria de impostos” (art. 145, §2°), justamente porque as taxas devem guardar uma relação de referibilidade com o custo da atividade estatal, não podendo servir como fonte de arrecadação para o custeio geral das despesas correntes do município.

É o momento de aproveitarmos o engajamento da classe política em torno da reforma tributária para fazermos alguns ajustes importantes.

Nesse sentido, precisamos chamar a atenção do setor para a Emenda n° 44 à PEC n° 45, de autoria do Deputado Alexis Fonteyne, que traz, em boa hora, um verdadeiro regramento constitucional para as taxas, evitando os arroubos municipais agora comentados.

A proposta prevê que: (a) a criação ou majoração das taxas deverá vir acompanhada de justificativa e demonstração de necessidade, especialmente quando destinadas a contribuintes específicos; (b) serão proporcionais à medida do custo da atividade fiscalizatória, o que já deveria acontecer; (c) o uso das receitas das taxas para o custeio de outras despesas tornará nula a sua cobrança no ano seguinte ao dessa verificação.

Na última quarta-feira (04/11), o STF declarou a inconstitucionalidade de mais uma taxa (pela exploração de recursos hídricos, do Estado do Amapá), tendo o Ministro Marco Aurélio reiterado que “nada justifica uma taxa cuja arrecadação total ultrapasse o custo da atividade estatal que lhe permite existir” (ADIn n° 6.211).

Estamos todos de acordo: a Constituição, o Supremo, o Congresso e os contribuintes. Só falta combinar com os municípios. O envolvimento da construção pesada nos debates da reforma tributária é importantíssimo, e a “emenda do Fonteyne” é digna de apoio.

*Diretor do Instituto Mineiro de Direito Tributário (IMDT), Mestre em Direito pela Faculdade de Direito Milton Campos e sócio no escritório Henriques Advogados.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!