COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

Senhoras e senhores eleitores!

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Ueslei Marcelino

José Anchieta da Silva*

Espargindo dúvidas, não se está, neste texto, nem fazendo comício e nem pedindo voto. A campanha política, visando o pleito eleitoral de 2020, o ano da pandemia, começa agora e, portanto, você, caro(a) eleitor(a) será chamado a depositar o seu voto em novembro próximo, elegendo prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. A sua responsabilidade para com a sua rua, o seu bairro, a sua cidade, o seu Estado e para com o Brasil é muito mais grave do que possa parecer. Este é o tema do qual se quer tratar por aqui, de modo breve.

PUBLICIDADE

As reformas que o Brasil reclama são várias e sérias, e elas estão nas mãos de cada eleitor(a) em cada eleição. Numa visão continental do que sejam reformas, o que se aspira é uma ampla (amplíssima) reforma do Estado brasileiro. Numa visão de conteúdo, essa reforma se apresenta sob vários títulos, todos já muito conhecidos, tendo em vista os clamores e a percepção de cada um de nós cidadãos.

Os impostos, tantos, tão caros e tão inúteis (do ponto de vista de sua destinação real), clamam por uma reforma tributária. O desarranjo orçamentário do Estado, o da União com um crônico e bilionário déficit, e nos Estados membros uma falência geral, sem exceção.

É urgente uma reforma estamental, do tamanho do Estado e de seus agentes; precisamos construir um novo Estado, para exercer ações que sejam ações de Estado (nesse campo, a eliminação de privilégios e a equiparação de direitos entre os trabalhadores públicos e privados será um bom recomeço). É preciso reescrever as relações de trabalho, facilitando a contratação e proporcionando uma relação mais direta entre quem investe, quem produz e quem trabalha (nesta seara, é preciso se fazer uma releitura do que seja o instituto da hipossuficiência. A consolidação das Leis do Trabalho é de  data de 1943 quando a massa trabalhadora se compunha de analfabetos. Nesses tempos novos de internet e de celular, na maioria das vezes hipossuficiente é o patrão).

A reforma política ou político-eleitoral aponta para uma reforma da fotografia do Estado: um novo modelo,  revisão do número de mandatários ou representantes (número de deputados, de senadores, de vereadores); sua remuneração (remuneração de vereadores pelo sistema de ‘jetons’ [vereador não deve ter salário como contraprestação porque vereança não é emprego]); de novo, a necessária e pronta eliminação de privilégios; enfim, é preciso que se encontre uma outra conformação legal (constitucional e infraconstitucional) para o Brasil. É preciso considerar que esta caminhada se inicia com a eleição para vereadores e prefeitos. Esses é que são os principais “cabos de ligação” com as eleições que logo adiante também se darão.

A Associação Comercial de Minas – ACMinas vem realizando produtivo debate sobre o tema: ‘Reforma do Estado’. Os primeiros palestrantes, autorizados juristas do Direito Tributário, professora Misabel Dersi e Everardo Maciel, ex-chefe da Receita Federal, chamaram a atenção para a complexidade do que seja essa ansiada reforma tributária. Colocaram o dedo na ferida, demonstrando a quase impossibilidade prática, por exemplo, de se criar o chamado imposto único.

Assalta-nos o receio de que, com esse discurso, acabam por criar mais um imposto e que entrará para o anedotário como o ‘imposto único também’, forma de dizer que imposto único não será. Noutras duas palestras, Salim Mattar, empresário que emprestou por algum tempo o brilho de seu currículo ao governo federal e o deputado Tiago Mitraud, questionados, disseram, cada um a seu modo, que a reconstrução do Estado brasileiro não é empreitada para uma eleição só (ou para um governo só). Ambos nos ensinaram que não se reforma nada sem a ação congressual.

É dizer, não haverá reforma com êxito sem eleições (no plural) renovadoras. Disseram mais: no Congresso atual, o apetite para as reformas não está no cardápio da maioria dos que lá se encontram e levados pelo voto.  O Brasil não dispõe de congressistas comprometidos com reformas verdadeiras em número suficiente para se empreender reforma ampla (uma reforma de verdade).

Não tendo o Brasil adotado sistema de eleições gerais, as verdadeiras condições para uma reforma geral do Estado só se dará com a reforma (de baixo para cima) do grupo de representantes eleitos. É dizer, a mudança só se dará a partir de cada voto, em cada eleição. Aí está a importância das eleições que se aproximam. Esta é a hora de se dar início à reforma do Brasil que, de fato, pretendemos.

Voltemos àquela conclamação contida no título: – Senhoras e senhores eleitores: saibam o nome, endereço, telefone, o pensamento, os propósitos e os compromissos de seus candidatos a prefeito e a vereador. São eles os cabos eleitorais naturais, as sentinelas avançadas de todos os candidatos a deputados, senadores, governadores e presidente da República nas outras eleições que já não estão distantes. A reforma do Brasil se dará pelo voto (por cada voto). A reforma, portanto, que só se dará a longo prazo começa agora. E está  nas suas mãos.

Permitam-nos o uso de uma metáfora. O Brasil é o nosso quintal. A eleição é a oportunidade de recolhimento do lixo que nele está depositado. Na data da eleição, um lixeiro passará na sua porta. Você é que ditará o tamanho da limpeza que você quer fazer no seu quintal

*Vice-presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas

 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!