COTAÇÃO DE 05/03/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6825

VENDA: R$5,6835

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6670

VENDA: R$5,8430

EURO

COMPRA: R$6,7719

VENDA: R$6,7732

OURO NY

U$1.698,69

OURO BM&F (g)

R$310,22 (g)

BOVESPA

+2,23

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Vacina eleitoral

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Erin Clark/Pool via REUTERS
Crédito: Erin Clark/Pool via REUTERS

A verdade é que o Brasil está mergulhado na pior crise econômica da sua história. Se a pandemia acabou com qualquer medida de ajuste fiscal do governo, na arena política o Planalto se esforçou pouco até aqui para passar reformas robustas. Isto significa que entramos no terceiro ano de governo em uma situação muito frágil, que pode gerar efeitos preocupantes para Bolsonaro no ano eleitoral.

A economia brasileira não entrou em colapso no ano que passou em razão do auxílio emergencial, entretanto, os custos deixados nas contas públicas são assustadores. O déficit beira 1 trilhão de reais. Uma fatura que afasta investimentos, gera desequilíbrios fiscais e deixa uma dívida enorme a ser paga no futuro. A retomada da economia, portanto, tornou-se peça fundamental deste jogo.

PUBLICIDADE

Fato é que não haverá recuperação econômica sem vacinação em massa. Aqueles países capazes de imunizar sua população mais rapidamente, são os mesmos que deixarão o caos gerado na economia para trás em menor espaço de tempo. Se 2020 foi o ano do auxílio emergencial, 2021 precisa ser o ano da vacinação. Do contrário, seguiremos reféns de um ciclo de auxílios que inviabilizarão as contas públicas.

Faltou, entretanto, um plano estratégico para o Brasil, um movimento simples que poderia ajudar a salvar vidas, mas também as contas do governo. Ao optar por tratamentos alternativos e ignorar as vacinas como método eficaz de imunização coletiva, o País ficou para trás. Se hoje faltam vacinas e o governo é pressionado a adotar um novo auxílio, este é resultado de uma opção equivocada que agora cobra seu preço.

O problema vai além. Se faltam vacinas, faltará também auxílio-emergencial nos patamares de 2020. Se no ano que passou foi possível segurar o impacto do tombo econômico, neste ano, com um valor menor, será possível apenas amortecer de leve a queda, pois rumamos novamente para uma situação preocupante. Uma expansão real da atividade econômica somente será atingida com vacinação em massa. Vacinação significa economia retomada.

Todo este caminho pode afetar o resultado das urnas em 2022. Não somente pelo assustador número de mortos, mas pela profundidade do fosso econômico em que o País estará metido. Bolsonaro irá encarar as urnas praticamente sem qualquer crescimento econômico em quatro anos, com poder de compra e renda da população comprometidos e uma popularidade artificial que somente se manteve turbinada por um auxílio emergencial impossível de ser prorrogado novamente.

Isto gera enorme incerteza sobre o quadro sucessório. Mesmo apoiado pelo Centrão e impulsionado pelas redes ideológicas bolsonaristas, o caminho eleitoral do capitão tende a ser duro e complicado. O brasileiro vota com o bolso e a economia certamente não será um ativo que possa ser usado a seu favor.

Estamos diante de uma crise econômica séria que precisa de mais ação e menos discursos. Se Bolsonaro não reorientar seu governo para o caminho certo, com uma agenda definida, as chances em 2022 tornam-se cada vez mais distantes.

As próximas eleições não serão definidas pela lacração das redes sociais, mas por seriedade, comprometimento diante da pandemia e melhora real da economia, uma verdadeira vacina eleitoral. Desta realidade, nenhum postulante ao Planalto conseguirá escapar.

*Coordenador da pós-graduação em Relações Institucionais e Governamentais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília, Cientista Político, mestre em Ação Política pela Universidad Rey Juan Carlos (2007). Diretor-Executivo do Interlegis no Senado Federal (marciocoimbra@gmail.com)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente