COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Bolsonaro veta R$ 8 bilhões para combater o Covid-19

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Adriano Machado
Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro sancionou ontem lei que extingue o fundo de reservas monetárias (FRM), mas vetou a destinação desses recursos – estimados em mais de R$ 8 bilhões – para o combate ao coronavírus.

O texto, editado na forma de uma medida provisória, teve tramitação concluída no Congresso em meados de maio. Originalmente, a MP de 2019 previa que os recursos do fundo, alimentado a partir da receita líquida sobre o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), seriam utilizados para o pagamento da dívida pública, mas essa previsão foi alterada no decorrer da tramitação da proposta no Congresso, que decidiu destinar os recursos para o combate ao coronavírus.

PUBLICIDADE

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o veto de Bolsonaro gerou “surpresa” entre deputados.

“A informação que eu tinha dos deputados era que tinha ocorrido um acordo, inclusive, para a destinação dos recursos”, disse Maia a jornalistas, referindo-se à votação da MP na Câmara em que o texto foi alterado para que o montante fosse repassado às ações de combate à crise do coronavírus.

“De fato, surpreendeu, pelo menos aos deputados que me encaminharam mensagens hoje, surpreendeu a eles o veto do governo em relação a esses R$ 8 bilhões “, acrescentou.

Maia destacou que a sanção ou veto são prerrogativas do presidente da República, mas lembrou que “cabe ao Parlamento chamar uma sessão do Congresso e decidir pela manutenção do veto ou pela derrubada do veto”.

Procurado, o Palácio do Planalto não respondeu de imediato a um pedido de comentário sobre a decisão do presidente de vetar a destinação dos recursos para o combate à Covid-19.

Isolamento – Ontem, Bolsonaro afirmou que não pode resolver o isolamento adotado por estados para frear a disseminação da Covid-19, doença respiratória causada pelo novo coronavírus, e afirmou que as pessoas estão chegando no limite no País.

Ao conversar com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, o presidente afirmou ainda que não pode “resolver tudo sozinho” e que o País só não está em crise graças à ajuda emergencial de R$ 600 dada pelo governo a informais.

Ao ouvir apelos para interferir na situação nos estados, Bolsonaro disse aos apoiadores que os eleitores devem se preparar melhor para votar.

O Brasil é o segundo País do mundo com maior número de casos confirmados de Covid-19, com 555.383 infecções até terça-feira (2), atrás apenas dos Estados Unidos. Em relação às mortes, o País ocupa o quarto lugar no ranking global, abaixo de EUA, Reino Unido e Itália.

Na terça-feira, o Brasil registrou um novo recorde diário de mortes em decorrência do coronavírus, com mais 1.262 óbitos, o que elevou o total para 31.199. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!