DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Centrão ganha espaço no governo

COMPARTILHE

Bolsonaro abre mais espaço para o Centrão em meio a suspeitas de corrupção no processo de compra de vacinas | Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

Brasília – No momento mais difícil de seu governo até agora, o presidente Jair Bolsonaro decidiu fazer mais mudanças em seu ministério e vai trazer de vez o Centrão para dentro do Palácio do Planalto, com o convite, já aceito, para o senador Ciro Nogueira (PP-PI) assumir a Casa Civil.

O próprio presidente anunciou, em entrevista a uma rádio do interior paulista, ontem, que fará uma “pequena reforma ministerial”, sem dar detalhes.

PUBLICIDADE

O centro da mudança, de acordo com fontes ouvidas pela Reuters, que pediram para não ser identificadas, mira apaziguar o Senado – até hoje não contemplado no primeiro escalão – e o próprio PP e seu presidente, que já havia deixado de ser um fervoroso defensor do governo e mandava sinais de insatisfação ao Planalto.

De acordo com a senadora Kátia Abreu (PP-TO), que confirmou a decisão de Ciro de aceitar o cargo, a mudança fará bem à relação política do governo.

“É um político experiente, com certeza vai fazer bom trabalho. Ele e a Flávia Arruda (ministra da Secretaria de Governo) formarão uma ótima dupla no Palácio, são ambos da política, saberão tratar o Congresso e fazer as articulações necessárias”, disse a senadora.

Acuado por uma CPI que está indo além de denunciar a omissão e chega muito perto de escândalos de corrupção na compra de vacinas, e com sua popularidade caindo em velocidade acelerada, Bolsonaro decidiu remexer no seu ministério para trazer a política para dentro do Planalto e acalmar o Centrão.

As mudanças incluem, além da ida de Ciro para a Casa Civil, o deslocamento de Luiz Eduardo Ramos para a Secretaria-Geral da Presidência. O general, amigo pessoal do presidente, já ocupou a Secretaria de Governo, que cuida da articulação política e perdeu a vaga para a deputada Flávia Arruda (PL-DF) – em uma indicação para agradar o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-DF).

Na Casa Civil, Ramos, como antes na Secretaria de Governo, era alvo de reclamações dos parlamentares. Apesar da relação com o presidente, o ministro não atendia às expectativas políticas de senadores e deputados, especialmente pela sua atuação na tentativa de defender o governo na CPI da Covid.

O convite foi feito a Ciro, por telefone, ontem, contou uma fonte do governo. Durante uma reunião em que estavam presentes Ramos, Onyx e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Ciro pediu para pensar, mas, de acordo com duas fontes ouvidas pela Reuters, o senador comunicou ontem ao presidente que aceitava o cargo.

Nogueira tem a simpatia do filho primogênito do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), que o considera um excelente articulador político e tem um peso importante no Senado, disse uma fonte do Parlamento, lembrando os desafios que o Executivo tem tido nessa Casa Legislativa.

O Palácio do Planalto atravessa uma espécie de vácuo de liderança no Senado, que perdeu tração após a saída de Davi Alcolumbre (DEM-AP) da Presidência da Casa, destacou essa fonte, citando que o atual presidente, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), não se compromete tanto no cargo e que o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), ajuda, mas tem problemas judiciais a resolver.

Apesar do aceite de Ciro Nogueira, a nomeação dele só deverá ser oficializada na próxima semana, segundo a mesma fonte. Até lá, terá de passar no teste das redes sociais, citou o interlocutor, fazendo referência à resposta que bolsonaristas vão dar para falas do senador que estão sendo divulgadas nas redes sociais críticas ao presidente.

Nogueira já chegou a chamar Bolsonaro de “fascista” e “preconceituoso” e disse que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva –com quem o atual presidente deve disputar a eleição presidencial no próximo ano– foi o melhor presidente que o País já teve.

Procurado, Ciro Nogueira não respondeu ao contato feito pela Reuters.

Trabalho – A mudança na Casa Civil e a necessidade de encontrar um lugar para o atual ministro da Secretaria-Geral, Onyx Lorenzoni (DEM), levaram Bolsonaro a decidir por atender uma outra reivindicação, a de retirar parte da estrutura do Ministério da Economia das mãos de Paulo Guedes.

A recriação do Ministério do Trabalho e Previdência abre um lugar para Onyx, um dos mais fiéis auxiliares de Bolsonaro, mas tira de Guedes uma parte do seu superministério, formado ainda na transição de governo.

A intenção de Bolsonaro é focar em um dos principais problemas hoje de seu governo, o crescimento do desemprego mesmo quando a economia mostra sinais de alguma recuperação.

De acordo com fonte do governo ouvida pela Reuters, apesar de perder o domínio sobre a área, Guedes conseguiu a garantia de que o atual secretário de Trabalho e Previdência, Bruno Funchal, seguirá na parte administrativa da nova pasta, como secretário-executivo, assim como a maior parte da equipe atual.

Onyx, que se reuniu com Guedes ontem, comprometeu-se ainda a seguir o planejamento de trabalho da área, que tem como próximas metas o lançamento de um programa de qualificação para jovens e da chamada carteira de trabalho verde e amarela, que dá menos direitos trabalhistas aos jovens contratados e, na opinião de Guedes, aumentaria a formalização.

“Vamos acelerar o ritmo de criação de empregos inclusive com uma reorganização nossa interna. Vamos fazer uma mudança organizacional”, disse Guedes em uma entrevista nesta quarta. “São novidades que o presidente deve trazer rapidamente e essas novidades são justamente na direção de emprego e renda.” (Reuters)

Medida visa uma melhor relação com o Senado

Brasília – O foco das mudanças, no entanto, está centrado na Casa Civil. A ida de Ciro Nogueira para a pasta faz com que o presidente entregue o centro do governo para a política – desde a saída de Onyx Lorenzoni (DEM) da Pasta, em fevereiro de 2020, a Casa Civil estava nas mãos de generais. Primeiro Walter Braga Netto e agora Luiz Eduardo Ramos.

A pasta, que costumava ser o centro político e administrativo em outros governos, com a função de coordenar e integrar ações, perdeu relevância e espaço e virou alvo de reclamações constantes.

Ciro, que se aproximou de Jair Bolsonaro a ponto de convidá-lo para concorrer à Presidência em 2022 pelo PP, havia se afastado do governo e levantado o alerta para o risco do partido – que tem a terceira maior bancada da Câmara e a segunda do Senado – abandonar Bolsonaro antes das eleições do ano que vem.

O convite ao paramentar tenta melhorar a relação política com o Senado ao mesmo tempo segurar o PP na base.

Segundo a fonte do Parlamento, antes da escolha de Ciro para a Casa Civil, já havia uma desconfiança de parte com o verdadeiro apoio do senador, como se ele não fosse tão aliado assim.

Além do desafio da CPI – que pode implicar o presidente, Ciro Nogueira terá de trabalhar pela recondução do procurador-geral da República, Augusto Aras, para um mandato de dois anos no cargo e a indicação do advogado-geral da União, André Mendonça, para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello. Os dois terão de passar por sabatina no Senado e votações secretas.

A escolha de Aras para novo mandato à frente da PGR facilita a vida de André Mendonça, que vinha sofrendo resistências para o Supremo. A expectativa é que Mendonça passe com pequena margem de votos e Aras sem dificuldades, conforme essa fonte. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!