COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Jair Bolsonaro afirma que pode se filiar ao PP

COMPARTILHE

Presidente voltou a defender a volta do voto impresso nas próximas eleições | Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro afirmou na sexta-feira (23) que o PP passou a ser uma alternativa de filiação para que ele se candidate à reeleição no ano que vem.

Em entrevista a uma rádio do Mato Grosso do Sul, Bolsonaro afirmou que ainda está em busca de um partido que “possa chamar de seu” e no qual ele tenha o domínio para disputar a reeleição. Ele disse, no entanto, que essa busca está difícil.

PUBLICIDADE

“Tentei e estou tentando um partido que eu possa chamar de meu e possa, realmente, se for disputar a Presidência, ter o domínio do partido. Está difícil, quase impossível. Então, o PP passa a ser uma possibilidade de filiação nossa”, disse.

Bolsonaro tentou criar um novo partido, o Aliança pelo Brasil, mas desistiu diante das dificuldades de colher as assinaturas necessárias para o registro. Recentemente, ensaiou uma aproximação com o Patriota – seu filho Flávio, senador, chegou a se filiar a sigla– mas a negociação não foi adiante justamente porque Bolsonaro pretendia controlar o partido, mas esbarrou na resistência de parte da direção.

A intenção declarada de Bolsonaro é passar a controlar a estrutura da sigla a qual se filiar, o que tem dificultado negociações. O presidente chegou a cogitar voltar ao PSL e também conversou com o PRTB, partido de seu vice, Hamilton Mourão, mas nenhuma delas avançou.

A indicação do senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente do partido, fortalece a negociação para essa filiação, de acordo com declaração de Flávio Bolsonaro ao jornal O Globo.

Bolsonaro já havia sido convidado a voltar ao partido, ao qual já pertenceu, e também a se filiar ao PTB, partidos com maiores bancadas e maiores estruturas, mas resistia porque ainda se mantinha na ideia de ser capaz de controlar o partido. Aliados, no entanto, defendem que ele se filie a um partido de maior estrutura para enfrentar uma eleição que promete ser complicada em 2022.

Expoente principal do chamado Centrão, o PP é o partido com maior número de parlamentares denunciados na operação Lava Jato e era um dos alvos principais de críticas do então candidato Jair Bolsonaro. Ao ser questionado sobre essa relação, o presidente defendeu a nomeação de Ciro como uma necessidade para governabilidade.

“Minha aproximação com partidos de centro é pela governabilidade, eu sou obrigado a isso”, defendeu.

Apesar das negociações para filiação, Bolsonaro voltou a dizer que não está pensando em reeleição e que ainda não teria definido se será candidato, apesar de falar constantemente nas eleições e criticar possíveis adversários.

Pouco depois da entrevista, em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que não tomaria decisão agora sobre partido e que não falava que era candidato porque isso seria “crime eleitoral” – na verdade, o crime seria fazer campanha antecipada, não se declarar candidato.

“Eu não posso falar que sou candidato agora porque é crime eleitoral. E outra, só vou falar em eleição no ano que vem. Março, como último mês de filiações, daí eu decido o futuro aí”, disse.

Bolsonaro ainda reclamou dos ataques que recebe de seus próprios apoiadores, o que costuma fazer quando toma decisões – como a indicação de Ciro Nogueira – que ferem a imagem, vendida na campanha, de que faria uma “nova política”.

“Qualquer coisa que acontece, tem um pessoal nosso que dá pancada em mim. Querem dar pancada? Tá bom. Quem é teu candidato para 2022? Não tem? Então cala a boca, pô. Para mim não é meio de vida disputar Presidência ou ganhar a Presidência. Isso aí é uma missão, né?”, reclamou.

Voto impresso -Com o crescimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas pesquisas –o petista aparece em primeiro lugar e vencendo a eleição nas sondagens–, o presidente ampliou os ataques à urna eletrônica e nas denúncias infundadas de possíveis fraudes.

Chegou a dizer que não haveria eleições sem a aprovação do voto impresso, e depois que poderia ele mesmo não participar se o Congresso não aprovasse a mudança na legislação.

O presidente admite, no entanto, que a proposta pode ser derrotada antes mesmo de chegar no plenário da Câmara. “Hoje, se colocar em votação o voto impresso não passa na comissão”, disse.

Governistas conseguiram adiar a votação na comissão Especial da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata do tema para depois do recesso parlamentar e tentam negociar para reverter votos contrários mas, até o momento, a tendência ainda é de derrota.

A seus apoiadores, Bolsonaro disse que “não vai deixar acontecer o que ocorreu em outros países” e que quer “eleições limpas”. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!