Cotação de 03/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1920

VENDA: R$5,1930

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1930

VENDA: R$5,3470

EURO

COMPRA: R$6,2205

VENDA: R$6,2217

OURO NY

U$1.810,36

OURO BM&F (g)

R$305,16 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2446%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política
Mansueto afirma que prioridade do governo é combater os efeitos econômicos e sociais da pandemia | Crédito: REUTERS/Adriano Machado.

Brasília – O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, descartou na sexta-feira (29) qualquer tentativa, no momento, de discussão em torno do aumento da carga tributária no País, apesar da deterioração das contas públicas com a expansão dos gastos para combate aos efeitos da pandemia do coronavírus.

“Não é hora para se discutir aumento de imposto, aumento de carga tributária, muito menos um imposto sobre transação financeira. Então isso está fora de cogitação”, afirmou Mansueto em entrevista à CNN Brasil.

PUBLICIDADE

De acordo com ele, dada a atual conjuntura, com o governo postergando datas de recolhimento de impostos, a prioridade é combater os efeitos econômicos e sociais da propagação do coronavírus, enquanto a retomada gradual da economia precisa ser feita “com muito cuidado” e baseada em dados da saúde.

Em oposto à ideia de recriação de tributos para compensar a situação fiscal, o secretário do Tesouro reiterou a importância da agenda de reformas estruturais passada a crise da pandemia.

“Como a gente vai pagar essa conta (fiscal), a gente tem que discutir depois. Inclusive, se a gente fizer as reformas e o país crescer mais rápido, (isso) vai ajudar a pagar essa conta”, completou.

Segundo dados divulgados pelo Banco Central na sexta-feira, a dívida bruta brasileira saltou a 79,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em abril, um recorde, na esteira do forte déficit primário registrado pelo setor público consolidado, de R$ 94,303 bilhões em abril – também um recorde desde o início da série em 2001.

Contração – Mansueto também afirmou que uma contração do PIB entre 9% e 11% no segundo trimestre – estimada, segundo ele, por parte do mercado – é compatível com um declínio da economia entre 6% e 7% neste ano.

“Mais ou menos todo mundo no mercado está convergindo para uma queda, no segundo trimestre, entre 9% e 11%. Então uma queda em torno disso… é compatível com a queda do PIB do ano entre 6%, 7%”, disse.

Ele lembrou que a estimativa oficial do Ministério da Economia para o desempenho da economia em 2020 é de retração de 4,7%.

Sobre os dados do PIB do primeiro trimestre, divulgados na sexta-feira, Mansueto frisou as perdas no setor de serviços, que representa 74% da economia.

“Só a segunda quinzena de março, quando a gente já tinha começado esse processo de distanciamento social, teve um impacto muito forte (sobre o resultado do PIB no trimestre)”, disse.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro contraiu 1,5% no primeiro trimestre deste ano sobre os três meses anteriores, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na mais forte retração desde 2015, na esteira dos primeiros sinais dos impactos das restrições por causa das medidas para conter a disseminação do coronavírus. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!