COTAÇÃO DO DIA 22/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4780

VENDA: R$5,4790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5070

VENDA: R$5,6470

EURO

COMPRA: R$6,6088

VENDA: R$6,6101

OURO NY

U$1.853,68Pg�

OURO BM&F (g)

R$ (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política
Página Inicial » Política » Mourão critica resposta chinesa a Eduardo Bolsonaro

Mourão critica resposta chinesa a Eduardo Bolsonaro

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Brasília – O vice-presidente Hamilton Mourão se juntou ao Ministério das Relações Exteriores nas críticas à embaixada da China, que respondeu ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) por meio de uma publicação em redes sociais.

Segundo Mourão, a resposta da embaixada ao post de Eduardo – que falava da adesão à iniciativa norte-americana Redes Limpas e acusava a China de espionagem – foi “diplomaticamente errada”.

“É a segunda vez que o embaixador chinês reage dessa forma. Dentro das convenções da diplomacia, o camarada se sentindo incomodado com qualquer coisa que tenha acontecido no país, ele escreve uma carta para o ministro das Relações Exteriores, vai ao Itamaraty e apresenta as suas ponderações, não via redes sociais, ou então vira um Carnaval”, disse Mourão na sexta-feira (27).

Mourão se une ao Itamaraty, que, na quarta-feira, enviou uma nota verbal – comunicação oficial entre governos e representações diplomáticas – classificando a resposta chinesa de ofensiva a desrespeitosa.

Eduardo fez a postagem no Twitter na segunda-feira à noite. Na publicação, comemorava a suposta adesão do Brasil à iniciativa Redes Limpas – na verdade o governo brasileiro não aderiu oficialmente, apenas manifestou apoio – e disse que o Brasil se aliaria aos Estados Unidos para criar uma rede 5G “sem espionagem da China”. No dia seguinte, apagou a postagem.

Depois de manifestar seu desagrado ao Itamaraty, a embaixada da China em Brasília publicou nas redes sociais uma carta e uma sequência de 17 publicações em resposta a Eduardo em que classifica a postagem do filho do presidente Jair Bolsonaro como “inaceitável” e lembrava que outras autoridades brasileiras têm produzido declarações “infames” contra o país. A carta finalizava ainda que essas posições poderiam ter “consequências negativas” para a relação entre as duas nações.

Mourão, que representa o Brasil na Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), não quis comentar a publicação do filho do presidente, que preside a Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, mas disse acreditar que o deputado possa ter recebido orientação para apagar o post.

“Acho que o deputado, quando postou e depois apagou, acho que ele deve ter recebido alguma recomendação para retirar aquilo”, disse.

A embaixada chinesa não se manifestou mais oficialmente ou pelas redes sobre a carta do Itamaraty. Na noite de quinta, no entanto, o embaixador, Yang Wanming, postou uma história do filósofo Confúcio, em que ele diz a um aluno: “se você quer ser respeitado pelos outros, primeiro você deve saber como respeitar os outros. Não imponha aos outros o que você não queira”. (Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!