COTAÇÃO DE 15/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3032

VENDA: R$5,3042

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3300

VENDA: R$5,4530

EURO

COMPRA: R$6,3735

VENDA: R$6,3752

OURO NY

U$1.825,72

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,27

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Municípios mineiros podem remanejar recursos para a Saúde

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Pixabay

Durante a vigência do estado de calamidade pública, os municípios mineiros estão autorizados a fazer a transposição e a transferência dos saldos financeiros remanescentes de exercícios anteriores, resultantes de parcerias e convênios firmados com o Estado.

Poderão fazer o mesmo com os saldos constantes dos Fundos de Saúde e dos Fundos de Assistência Social dos municípios provenientes, respectivamente, de repasses da Secretaria de Estado de Saúde (SES) e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese).

É o que estabelece a Lei Complementar 154, de 2020, publicada no último sábado (27), no Diário Oficial de Minas Gerais. A norma tem origem em proposição que tramitou na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) como Projeto de Lei Complementar (PLC) 42/20, dos deputados Arlen Santiago (PTB) e Sávio Souza Cruz (MDB).

O PLC trata da transposição e da transferência de saldos financeiros constantes dos fundos municipais e dos convênios feitos pelos hospitais públicos e hospitais filantrópicos, provenientes de repasses estaduais.

O estado de calamidade pública foi declarado pelo Decreto 47.891, de 2020, e ratificado pela Resolução 5.529, de 2020. Excetuam-se da autorização os convênios firmados com a Secretaria de Estado de Educação (SEE) cujos recursos sejam vinculados ao percentual constitucional.

A transposição e a transferência desses saldos financeiros serão destinadas exclusivamente à realização de ações e serviços públicos de saúde e de assistência social, segundo os critérios definidos, respectivamente, pelos artigos 2º e 3º da Lei Complementar Federal 141, de 2012, que regulamenta o parágrafo 3º do artigo 198 da Constituição Federal que trata sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios em ações e serviços públicos de saúde.

Também se baseia nos critérios constantes da Lei Federal 8.742, de 1993, a Lei Orgânica da Assistência Social, observados pelos municípios os seguintes requisitos: cumprimento dos objetos e dos compromissos previamente estabelecidos em atos normativos do Sistema Único de Saúde ou do Sistema Único da Assistência Social; cumprimento dos objetos estabelecidos nos instrumentos celebrados entre o Estado e o município, na hipótese de convênio; inclusão dos recursos financeiros transpostos e transferidos na Programação Anual de Saúde ou nos programas de assistência social, bem como na respectiva lei orçamentária anual, com indicação da nova categoria econômica a ser vinculada; ciência aos respectivos Conselhos de Saúde ou de Assistência Social; saldos de recursos vinculados a despesas com saúde só poderão ser transpostos e transferidos para gastos com saúde; saldos de recursos vinculados a despesa com assistência social só poderão ser transpostos e transferidos para gastos com assistência social.

Os municípios que realizarem a transposição ou a transferência deverão comprovar a execução no respectivo Relatório Anual de Gestão.

A norma determina ainda que os valores relacionados à transposição e à transferência dos saldos financeiros não serão considerados parâmetros para os cálculos de futuros repasses financeiros por parte da SES ou da Sedese.

Finalmente, a lei complementar estabelece que os saldos financeiros remanescentes de convênio, parceria ou instrumento congênere firmados com os hospitais filantrópicos, durante a vigência do estado de calamidade pública, poderão ser utilizados pelos beneficiários para ações de enfrentamento dos efeitos da pandemia de Covid-19, desde que atestado o cumprimento do objeto pelo parceiro e observados os requisitos legais para a formalização de termos aditivos ou novos ajustes e realização dos repasses, sem prejuízo da futura análise da prestação de contas dos recursos estaduais. (Com informações da ALMG)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!