COTAÇÃO DE 02-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6600

VENDA: R$5,6600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8130

EURO

COMPRA: R$6,3753

VENDA: R$6,3783

OURO NY

U$1.768,55

OURO BM&F (g)

R$319,92 (g)

BOVESPA

0,4902

POUPANÇA

+3,66%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política
Crédito: REUTERS/Ueslei Marcelino

Brasília – O novo resultado positivo do exame de coronavírus frustrou os planos do presidente Jair Bolsonaro de retomar as atividades normais e tentar mostrar que o governo está trabalhando, a começar por uma série de viagens programadas para as próximas semanas.

Esse foi o terceiro teste que o presidente fez desde que foi diagnosticado com a doença, em 7 de julho. O próprio Bolsonaro afirmou, ao anunciar o primeiro resultado positivo, que esperava estar de volta ao trabalho em uma semana. A informação do Palácio do Planalto é que, mesmo se sentindo bem, o presidente só voltará às atividades presenciais quando não tiver mais o vírus ativo.

PUBLICIDADE

Isolado no Palácio da Alvorada desde o dia 7 de julho, o presidente contava com um resultado negativo para o vírus nesse terceiro exame para pôr na rua uma sequência de viagens, como ele mesmo anunciou a apoiadores na noite de terça-feira (21).

A primeira, segundo o próprio presidente, seria para o Piauí, na sexta-feira desta semana. A intenção era visitar a Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, um dos mais importantes sítios arqueológicos do país. A viagem, no entanto, não tinha nem mesmo sido planejada oficialmente.

Bolsonaro também pretendia inaugurar uma adutora que capta água do Rio São Francisco, na Bahia, anunciada quando foi ao Ceará para a inauguração de um trecho da transposição do rio São Francisco. Em sua última live, disse ainda que pretendia ir “dar uma volta no Vale da Ribeira (SP)” e inaugurar uma ponte recuperada.

“Vamos voltar ao Nordeste todo. Já falei, duas vezes por semana vamos inaugurar obras. Inaugurar não é para ir lá aparecer, é para mostrar o que está fazendo. Porque se depender da mídia local você não aparece”, disse Bolsonaro em sua última live pelas redes sociais.

A ideia das viagens era, dentro do governo, colocar uma pauta positiva nas ruas, depois de vários dias de afastamento do presidente e de meses tumultuados com conflitos constantes com o Congresso e o Supremo Tribunal Federal.

Aconselhado por seus ministros mais próximos, Bolsonaro baixou o tom, especialmente depois da prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, seu filho, em uma casa de um advogado da família, Frederick Wassef, em Atibaia (SP). A prisão levou a crise da investigação das rachadinhas que envolve Flávio e Queiroz para dentro do Palácio do Planalto. A ordem foi, então, abafar a crise.

Diagnosticado com Covid-19 no dia 7 de julho, o isolamento do presidente tem ajudado a baixar a fervura da crise. Bolsonaro pouco tem falado nas últimas duas semanas e, quando uma nova crise despontou com as críticas do ministro Gilmar Mendes à resposta do governo à epidemia do novo coronavírus e o envolvimento dos militares com o Ministério da Saúde, o próprio presidente pediu que se baixasse o tom. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!