COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Turismo
Crédito: Pixabay

Diante da forte crise que afetou o setor hoteleiro, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih-MG) entrou com um pedido, junto aos vereadores da Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH), de adiamento do pagamento do IPTU 2020 e lançamento dos valores para 2021, sem juros e multa, para todos os hotéis adimplentes até o final de 2019.

O objetivo foi a obtenção do auxílio junto ao Executivo municipal para que os proprietários não ficassem negativados e evitassem mais demissões depois de um longo período de inatividade. Porém, após passar pela casa legislativa, a Indicação foi negada pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). Segundo dados da Abih-MG, de março a setembro, o segmento acumulou uma queda expressiva de 80% na receita além da suspensão das atividades de 40% dos hotéis da Capital.

PUBLICIDADE

De autoria do vereador Léo Burguês (PSL), a Indicação nº 71/2020, que propõe um estudo sobre a possibilidade do parcelamento dos valores do IPTU 2020 de hotéis e pousadas sem a incidência de multa e/ou juros, é semelhante ao Decreto n° 17.308/2020, que determina que atividades que tiveram seus alvarás de funcionamento suspensos têm a possibilidade de quitar a sua dívida com a PBH no próximo ano. Mas, em sua justificativa para negar a Indicação, o secretário Municipal da Fazenda, João Antônio Fleury, afirma que “não encontrou amparo para incluir os setores que permaneceram abertos durante todo o período da pandemia”, uma vez que não houve nenhuma lei de suspensão das atividades dos hotéis na Capital.

O presidente da Abih-MG, Guilherme Sanson, avalia como equivocada essa interpretação. “É preciso compreender que, ainda que o fechamento das hospedagens não tenha sido decretado, a limitação do funcionamento de bares, restaurantes e pontos turísticos da Capital, bem como às restrições sanitárias estabelecidas pelas autoridades de saúde como medidas de prevenção à Covid-19, provocaram uma redução expressiva na demanda pelos serviços do setor e, consequentemente, o faturamento”.

O diretor da entidade, Rodrigo Cançado, destaca, também, que essa é uma das fases econômicas mais difíceis já vivenciadas pela hotelaria e, por isso, o indeferimento do pedido demonstra um total descaso da prefeitura em atender um setor que, em 2019, pagou aos cofres municipais, aproximadamente, R$ 30 milhões em impostos.

“A hotelaria sempre foi um segmento que contribuiu muito com a cidade de Belo Horizonte e com o poder público. Para se ter uma ideia, um hotel com 286 apartamentos paga por mês R$ 45 mil, ou seja, apenas uma hospedagem contribui com R$ 540 mil por ano! Esperávamos mais respeito, consideração em relação às demandas prioritárias e sinto que fomos abandonados pela PBH”, finaliza.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!