Astolfo Marques e Arthur Barbosa: taxas são calculadas a partir do volume de títulos pagos - Foto: Divulgação/Pagcerto

Em 2012, o mercado de startups voltadas ao ramo de meios de pagamento era um grande oceano azul, sem a atuação de tantos players. Foi nessa onda que Arthur Barbosa e Astolfo Marques criaram a Paggcerto (www.paggcerto.com.br), fintech que trabalha com soluções completas voltadas a esse segmento. Em 2015, ao se verem navegando em mares mais agitados, com o crescente número de empresas com serviços semelhantes, os sócios tiveram de pensar “fora da caixa”.

Para ser mais que uma maquininha, desenvolveram uma plataforma que une pagamentos com cartão de crédito e boletos registrados e faz a gestão das vendas realizadas, além de fornecer uma API de pagamentos de fácil integração com empresas que já possuem suas próprias plataformas de gestão.

A API da Paggcerto oferece funcionalidades que dão mais agilidade e segurança ao gerenciamento. O Split de pagamento nos marketplaces permite a boa experiência do consumidor, ao realizar apenas um pagamento mesmo após a compra de produtos de vendedores diferentes, e assegura que o valor das vendas seja repassado corretamente aos fornecedores, ao dividir os valores devidamente no checkout e evitar a bitributação. Por sua vez, o Checkout Transparente diminui o índice de abandono do carrinho em lojas virtuais, uma vez que facilita o processo de compra a não levar o cliente a outra página na finalização o pagamento. A Tokenização é fundamental para a segurança das transações on-line, ao codificar informações e evitar riscos como clonagem de cartão de crédito.

Além disso, a Paggcerto desburocratiza o processo de emissão de boletos registrados e evita erros humanos ao realizar automaticamente o envio das remessas, baixa em arquivos de retorno e conciliação bancária. Também faz a emissão de acordo com a necessidade, seja avulsa, em lote ou carnês. As taxas são calculadas a partir do volume de títulos pagos.

Hoje, a empresa atende mais de 8.500 clientes – principalmente, varejistas – que utilizam a Completinha, equipamento para realizar transações de crédito e débito, e começa a explorar novos horizontes. “Há espaço para desenvolver ainda mais ferramentas nesse mercado. Atualmente, enquanto nossos players estão focando no POS, nós temos uma solução mais completa que atende tanto o comércio online quanto o físico”, explica o CEO da startup, Arthur Barbosa.

A menina dos olhos sergipana – Oriunda de Aracaju e com um time de 40 pessoas – sendo a maioria com foco em TI – a Paggcerto investiu na capacitação dos profissionais que ainda não tinham experiência na área de meios de pagamento. “Quando começamos, tínhamos espaço para errar e afinar a equipe. Agora estamos preparados para o grande crescimento esperado para o Nordeste, que tem se mostrado uma região com potencial de inovação”, recorda Barbosa.

A fintech nordestina despertou o interesse do Criatec2, fundo de investimento inicialmente criado pelo BNDES e BNB (Criatec) e gerido pela Bozano Investimentos, tornando-se a primeira empresa de Sergipe a adquirir aporte do fundo. “Essa conquista é o reconhecimento de um trabalho de cinco anos e também nos trouxe uma responsabilidade social muito grande, para ajudar a desenvolver o ecossistema de startups da região”, comemora o executivo.