COTAÇÃO DE 01/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6700

VENDA: R$5,6710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6870

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,3654

VENDA: R$6,3672

OURO NY

U$1.779,55

OURO BM&F (g)

R$322,58 (g)

BOVESPA

-1,12

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio exclusivo

Abate aumenta no Estado com demanda por carne da China

COMPARTILHE

Em 2019, o peso das carcaças de bovinos em Minas atingiu 701,7 mil toneladas, um incremento de 4,4% frente ao ano anterior | Crédito: Divulgação

A demanda chinesa pelas carnes brasileiras contribuiu para o aumento do abate em Minas Gerais ao longo de 2019. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados ontem, em bovinos foi verificado aumento de 1,5% no abate.

O abate de suínos cresceu 5,47% e de frangos, 3,7%. Também foi verificada alta na produção de leite, 3%, e de ovos, 9,1%.

PUBLICIDADE

No caso de bovinos, somente no quarto trimestre, foram abatidas 725,3 mil cabeças, um incremento de 5,9% ou 40,6 mil cabeças a mais frente ao mesmo período do ano anterior. Com a elevação, no fechamento do ano, o abate alcançou 2,84 milhões de cabeças de bovinos, alta de 1,5%. O peso das carcaças, em 2019, ficou 4,4% superior, somando 701,7 mil toneladas.

As exportações mineiras de carne bovina apresentaram alta de 30,4% no quarto trimestre de 2019, frente ao mesmo intervalo de 2018, com o envio de 51,9 mil toneladas ao mercado externo. No fechamento de 2019, as exportações de carne bovina movimentaram US$ 804,82 milhões, acréscimo de 33% ante o ano anterior (US$ 605,27 milhões). Ao todo, foram exportadas 180 mil toneladas de carne bovina, variação positiva de 22,4%.

De acordo com o relatório do IBGE, “os incrementos foram influenciados pelo surto da Peste Suína Africana (PSA) na China, o que resultou na busca por outras fontes de proteína”.

Em frangos, o abate estadual cresceu 7,3% no quarto trimestre, frente igual período de 2018, somando 107,6 milhões de cabeças de aves ou 7,28 milhões de cabeças a mais. As exportações, mantendo a mesma base de comparação, somaram 26,96 mil toneladas, alta de 33%.

A elevação do abate de frango no último trimestre do ano contribuiu para que, no fechamento de 2019, o abate ficasse 3,7% superior, somando 422 milhões de cabeças. O peso das carcaças, no ano, cresceu 2,2% e alcançou 1 milhão de toneladas.

As carnes de frango também obtiveram bom desempenho nas exportações estaduais em 2019, com a movimentação de US$ 201,51 milhões, acréscimo de 11,2%.

Ao longo do quarto trimestre, foram abatidos no Estado 1,5 milhão de suínos, o que representou um avanço de 9,4% ou 132,8 mil cabeças a mais frente ao mesmo intervalo de 2018. O peso das carcaças cresceu 9,9% e chegou a 132,3 mil toneladas. No intervalo, foram exportadas 3,8 mil toneladas de carne suína por Minas Gerais, volume 167,9% maior. Assim como em bovinos, a demanda chinesa maior, após uma redução próxima a 50% no rebanho de suínos em função da Peste Suína Africana (PSA), explica o aumento representativo dos embarques mineiros. No ano, o abate de suínos cresceu 5,47%, com 5,78 milhões de animais abatidos.

Leite – Alta também foi observada na produção anual de leite. Minas Gerais industrializou 6,23 bilhões de litros no período, um incremento de 3% frente a 2018. A aquisição de leite subiu 3,3% e somou 6,53 bilhões de litros. Com o resultado, o Estado continuou liderando o ranking de aquisição de leite, com 25,3% da captação nacional, seguido por Paraná (12,9%) e Rio Grande do Sul (12,6%).

No quarto trimestre, a captação cresceu 0,5%, somando 1,679 bilhão de litros. Foram industrializados 1,676 bilhão de litros, variação positiva de 0,6% frente a igual período de 2018.

Minas Gerais, em 2019, produziu 357,9 milhões de dúzias de ovos, o que representa um aumento de 9,1%. Somente no quarto trimestre, a alta chegou a 13% e alcançou 93,7 milhões de dúzias.

País acumula 3ª alta anual consecutiva

Rio de Janeiro – O abate de bovinos registrou em 2019 a terceira alta anual consecutiva. Foram 32,44 milhões de cabeças, o que representou um crescimento de 1,2% em relação ao ano anterior. O resultado contrasta com o cenário entre 2014 e 2016 quando houve quedas.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou os dados ontem, o avanço foi impulsionado por aumentos em 15 das 27 unidades da federação. Os destaques foram Mato Grosso (430,55 mil cabeças), Mato Grosso do Sul (291,51 mil), São Paulo (224,23 mil) e Santa Catarina (60,15 mil). Já as quedas mais intensas foram no Pará (283,22 mil), em Goiás (199,50 mil) e no Rio Grande do Sul (167,86 mil).

Ainda conforme o IBGE, Mato Grosso permaneceu na liderança do ranking entre as unidades federativas, com 17,4% da participação nacional, seguido por Mato Grosso do Sul, com 11,1%, e Goiás com 10,3%.

No entanto, com o abate de 8,07 milhões de cabeças de bovinos, o último trimestre de 2019 apresentou queda de 1,4% em relação ao quarto trimestre de 2018 e foi 5,0% inferior ao registrado no terceiro trimestre de 2019. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!