DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

ABCZ e Apex-Brasil renovam por dois anos acordo de cooperação

COMPARTILHE

A parceria da ABCZ com a Apex-Brasil amplia o mercado para raças zebuínas | Crédito: Betho de Freitas zebu

O Projeto Brazilian Cattle, acordo de cooperação firmado entre a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) foi renovado por mais dois anos.

O projeto, que tem o objetivo de promover a abertura de mercado para a genética zebuína, produtos e serviços da pecuária brasileira no exterior, tem atraído os empresários de Minas Gerais. Dos 70 participantes atuais, 48% são empresas e criadores do Estado.

PUBLICIDADE

De acordo com a gerente de relações internacionais da ABCZ e coordenadora do Projeto Brazilian Cattle da ABCZ, Icce Garbellini, o projeto, que é desenvolvido pelas duas entidades há 17 anos, é um plataforma que auxilia as empresas de vários segmentos da pecuária e criadores de raças zebuínas a acessarem o mercado externo.

“Nós fazemos esta interface e somos facilitadores do processo de internacionalização. Trabalhamos na divulgação dessas empresas, dos criadores e dos produtos. Entre as iniciativas desenvolvidas estão ações de marketing, publicidade e participação em eventos internacionais. No período atual, devido à pandemia, nós estamos desenvolvendo ações virtuais que auxiliam nos processos de internacionalização”, explica.

Ainda conforme Icce, hoje, participam do projeto criadores de raças zebuínas e empresas de segmentos variados da pecuária, como nutrição, produtos veterinários, sementes de pastagens, maquinários, equipamento, centrais de genética e tradings de exportação de animais vivos.

O projeto é considerado importante para que as empresas e criadores ampliem o raio de atuação, ingressando no mercado internacional, buscando melhores condições de comercializar os diversos produtos e obtendo melhores resultados.

Com o auxílio e orientações, criadores têm encontrado oportunidades comerciais interessantes, o que é feito através de missões prospectivas e participação em ações internacionais promovidas pelo projeto.

“Ao participar do projeto, a empresa ou o criador consegue identificar boas opções de negócios. No caso dos criadores, a maior parte comercializa material genético e também animais vivos para reprodução. Também trabalhamos com tradings que comercializam animais para abate. Toda a parte de insumos e tecnologia está inserida no projeto. É um esforço conjunto, que vem tendo grandes resultados e, realmente, auxiliando de forma positiva a balança comercial brasileira e o desenvolvimento dos criadores e empresas”.

Ainda segundo Icce, pela pecuária nacional ser uma referência internacional de sustentabilidade e qualidade, a demanda pelos produtos existe e o projeto, ao contribuir para a internacionalização dos criadores de zebuínos, também está auxiliando a produção de alimentos em outros países.

“Automaticamente nós, por meio da genética e dos insumos, conseguimos auxiliar o incremento da produtividade da pecuária dos outros países. Nós da ABCZ nos sentimos muito honrados em desenvolver este projeto junto à Apex Brasil e poder levar para todo o mundo o potencial da genética zebuína brasileira. A genética zebuína e os produtos da cadeia têm a capacidade de mudar o cenário de produtividade do país para onde eles vão. Isso é muito importante para mostrar para o mundo o quanto a pecuária brasileira é eficiente, sustentável, produtiva e competitiva”, destaca.

Mercado asiático – O foco de atuação, a médio e longo prazos, é encontrar oportunidades na Ásia e Oriente Médio. Também estão sendo feitos trabalhos para incrementar as exportações para a África e buscando consolidar os embarques para a América Latina.

Em relação ao mercado para os produtos da raça zebuína, a comercialização com o exterior vem se mantendo estável, mesmo com a pandemia do novo coronavírus. Alguns entraves são enfrentados, principalmente, em relação à logística, mas estão sendo contornados.

“Nós ainda não tivemos um desaquecimento do mercado internacional, que continua ativo. Mas estamos precisando superar alguns problemas como a logística. A valorização do dólar tem contribuído para uma melhor comercialização dos itens”, diz Icce.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!