COTAÇÃO DE 02-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6600

VENDA: R$5,6600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8130

EURO

COMPRA: R$6,3753

VENDA: R$6,3783

OURO NY

U$1.768,55

OURO BM&F (g)

R$319,92 (g)

BOVESPA

0,4902

POUPANÇA

+3,66%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Agronegócio registra expansão no faturamento em Minas Gerais

COMPARTILHE

A cafeicultura contribuiu significativamente para o resultado das exportações do Estado em 2020 | Crédito: Marcelo André

Mesmo em um ano marcado pela pandemia, o que gerou muitas incertezas, o agronegócio de Minas Gerais conseguiu superar os desafios e encerrou 2020 com resultados positivos, garantindo o abastecimento do mercado interno e exportando.

Dentre os destaques, está o Valor Bruto da Produção (VBP) que cresceu 27% frente a 2019. Também foi verificada alta nos embarques e produções recordes de grãos e café. Os dados foram divulgados ontem pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). 

PUBLICIDADE

De acordo com a secretária de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Maria Soares Valentini, mesmo em um ano de pandemia, o setor continuou trabalhando e mostrando a pujança. “2020 foi um ano desafiador. Enfrentamos uma pandemia que nossa geração nunca vivenciou. As incertezas e ansiedades dominaram, mas o setor agropecuário não parou por um dia. Houve muito esforço e dedicação de todo o setor”, disse. 

O subsecretário de Política e Economia Agropecuária da Seapa, João Ricardo Albanez, destaca que o esforço foi importante para garantir a segurança alimentar.

 “O trabalho dos setores foi essencial para dar segurança à população em relação ao abastecimento. Não só fomos capazes de dar essa segurança ao nosso Estado e ao País, mas também embarcamos vários produtos para países que não tinham alimentos para atender à necessidade da população. Foi ano de superação, que se deu pelo desenvolvimento que os produtores têm empreendido nas atividades. Vejo que 2021 também será de desafios, com a alta nos custos de produção, por exemplo”, explicou Albanez. 

Um dos resultados mais expressivos alcançados em 2020 se refere ao Valor Bruto da Produção (VBP), que atingiu R$ 96,1 bilhões em Minas Gerais. O valor representa um crescimento de 27% em comparação a 2019 e responde por 11% do VBP nacional. As lavouras representaram 63,6% de todo o faturamento do Estado, alcançando R$ 61,1 bilhões e ficando 29,1% maior que no ano anterior. Para a pecuária, a receita para o ano de 2020 foi da ordem de R$ 34,5 bilhões, alta de 23,4%. 

“A perspectiva que temos para 2021 é muito otimista. Vamos manter esse ritmo com uma previsão de aumento de safra de grãos e a tendência de valorização dos produtos. Isso nos dá um otimismo muito grande para a manutenção do aumento do VBP”, destacou o superintendente de Economia e Inovação Agropecuária da Seapa, Carlos Eduardo Bovo.

Exportações recordes Resultado positivo também foi verificado nas exportações dos produtos agrícolas e pecuários. De acordo com o estudo da Seapa, Minas Gerais exportou, em 2020, US$ 8,7 bilhões em produtos do agronegócio, alta de 10,4%. Em volume, o crescimento chegou a 23,2%, com a destinação de 12,7 milhões de toneladas para o mercado mundial. 

Em 2020, foi registrado o maior volume exportado da história do Estado e a segunda maior receita. A desvalorização do real frente ao dólar e a grande oferta de produtos para exportar justificam os resultados.

Ao longo de 2020, vários produtos mineiros contribuíram para o bom resultado dos embarques, como o café, cujas exportações movimentaram US$ 3,3 bilhões, com a venda de 28,4 milhões de sacas. No complexo soja, as exportações cresceram 62,1% em receita, que ficou em US$ 1,1 bilhão. Em volume, a alta foi de 62,3%, com o embarque de 3,7 milhões de toneladas.  As exportações do grupo das carnes chegaram a US$ 1 bilhão, queda de 2,9%, mas com volume 10% superior e somando 328 mil toneladas.   

“Esse ano, mesmo com todos os problemas enfrentados, o agro, pela estrutura e preparo, conseguiu aproveitar as oportunidades do mercado. Tivemos um aumento da demanda nos mercados interno e externo e estávamos preparados para atender e também para buscar novos mercados. A pauta ainda é muito concentrada em alguns produtos e países, mas estamos trabalhando para diversificar os destinos e produtos”. 

Mesmo que ainda estejamos em um cenário de pandemia, as estimativas para 2021 são positivas. “A demanda por alimentos no mundo continua muito grande e não vai reduzir. A tendência é de aumentar os embarques, principalmente em grãos. A expectativa de se colher uma supersafra de grãos, provavelmente, vai possibilitar uma ampliação e novos recordes nos embarques de produtos mineiros”, avaliou Bovo.

Crédito: Abiove/Divulgação

Safra de grãos alavanca desempenho da agricultura

A agricultura de Minas Gerais foi marcada, em 2020, pelo aumento da produção. De acordo com os dados da Seapa, com base nos levantamentos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra de grãos (2019/2020) consolidou um novo recorde na produção estadual.

O volume colhido foi de 15,4 milhões de toneladas, crescimento de 5,8% em relação à safra anterior, com 3,5 milhões de hectares de área plantada e um ganho de 4,7% na produtividade. O aumento veio do clima favorável e da adoção de tecnologias no campo. 

A expectativa para a próxima safra (2020/2021) também é de bons resultados da produção de grãos em Minas Gerais. A projeção da Conab estima um volume de, aproximadamente, 16 milhões de toneladas, crescimento de 4,3% em relação à safra 2019/2020. Ainda conforme o levantamento, a área cultivada na nova safra deverá crescer 5,5%, alcançando 3,7 milhões de hectares, e a produtividade sofrerá uma queda de 1,1%. 

“A tendência é de termos aumento na produção de grãos, com destaque para o milho e a soja, o que vai possibilitar o atendimento da demanda do mercado interno e também potencializar nossas exportações. O que temos observado é a alta qualidade do nosso produto, que tem tido uma aceitação muito boa no processo de exportação”, disse o superintendente de Economia e Inovação Agropecuária da Seapa, Carlos Eduardo Bovo. 

Café – Outro destaque foi a safra de café. Em 2020, Minas Gerais produziu cerca de 34,6 milhões de sacas beneficiadas, crescimento de 41,1% no volume produzido e de 33,3% na produtividade quando comparado com a safra de 2019. A produção superou a de 33,4 milhões de sacas de 2018, considerada até então o recorde mineiro. O bom resultado se deve ao ano de bienalidade positiva, ao pacote tecnológico e ao clima favorável nas principais regiões produtoras do Estado.

“Realmente a safra foi extraordinária e com recorde histórico. Minas exportou café para 87 países, com quatro novos países comprando o grão”. 

Para 2021, a perspectiva é de uma queda de até 42,8% na produção, variando de 19,8 milhões a 22,1 milhões de sacas. A queda se deve à bienalidade negativa da cultura e às condições climáticas, que não estão favoráveis. “Com a queda, a tendência é de que os preços subam”, explicou Bovo.

Crédito: Bento Viana/Senar

Pecuária avança 23,4% na temporada

A pecuária em Minas Gerais é muito representativa e respondeu por 36,6% do Valor Produto da Produção Agropecuária (VBP) de 2020, com o faturamento estimado em R$ 34,5 bilhões, alta de 23,4%. 

De acordo com o levantamento da Seapa, o destaque em 2020 foi a carne bovina, que registrou o maior incremento (21,6%) no VBP, registrando R$ 11,3 bilhões. O crescimento para a produção de ovos foi de 7%, alcançando R$ 1,5 bilhão, e para leite, de 9,4%, que atingiu R$ 12,6 bilhões. O aumento da demanda interna e externa e os altos preços praticados no mercado favoreceram os bons resultados para a pecuária no ano. 

Em relação às exportações, representando 78% de todas as carnes exportadas, a bovina registrou um incremento de 4,3% no volume embarcado, totalizando 190 mil toneladas e alcançando cerca de US$ 802 milhões. A carne suína também teve bons números, com US$ 40,3 milhões e 21,4 mil toneladas, chegando a 57,4% de crescimento na receita e 39,2% no volume embarcado em relação ao mesmo período do ano anterior. 

“A expectativa para 2021 é de continuar em ritmo aquecido, atendendo a uma demanda externa crescente. Com isso, a tendência é de preços valorizados”, disse Bovo.

Desembolsos do crédito rural superam R$ 24 bi

Ao longo de 2020, os desembolsos do crédito rural também ficaram maiores no Estado. Na safra 2019/2020 (período de julho de 2019 a junho de 2020), os valores destinados ao agronegócio, em Minas Gerais, ficaram 15% maiores que os registrados no mesmo período da safra 2018/2019, o que elevou para R$ 24,76 bilhões o montante liberado pelos agentes financeiros. A maior parte dos recursos voltados para o Estado foi destinada à produção agrícola, R$ 15,7 bilhões, e o restante para a pecuária, com desembolsos estimados em R$ 9,06 bilhões. 

Para a safra 2020/2021 (de julho até dezembro de 2020), já foram liberados R$ 16,2 bilhões para produtores do Estado, 8% a mais que os R$ 14,9 bilhões registrados no mesmo período da safra passada. 

“O crédito rural é uma das principais políticas públicas. É um fomento no qual o produtor tem segurança para investir na propriedade tanto na questão de custeio e aportes em novas tecnologias como nas questões de comercialização e industrialização”, disse o superintendente de Economia e Inovação Agropecuária da Seapa, Carlos Eduardo Bovo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!