COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio
Poder de voto é importante para assegurar ao Brasil influência em decisões que podem afetar produções capitais como a de café | Crédito: José Gomercindo/ANPr

A aprovação, na Câmara dos Deputados, do Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 324/2020, que ratifica o texto do Protocolo de Nagoya, foi considerada positiva para o agronegócio do Brasil e de Minas Gerais.

O acordo, elaborado em 2010, no Japão, durante a 10ª Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (Cop-10), trata dos recursos genéticos e da repartição dos benefícios da exploração da biodiversidade.

PUBLICIDADE

Com a ratificação, o Brasil participará efetivamente das negociações internacionais sobre o acesso e a repartição de benefícios pelo uso dos recursos. Para ser validado, o documento ainda precisa ser votado no Senado e, posteriormente, ser regulamentado por meio de decreto do presidente da República.

De acordo com a coordenadora da Assessoria de Meio Ambiente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Ana Paula Mello, a ratificação do texto do protocolo é essencial para que o Brasil participe das decisões a serem tomadas pelos países participantes do acordo. Sem a ratificação, o Brasil não teria direito a voto e apenas acataria as decisões tomadas pelo grupo.

“O Protocolo de Nagoya é um acordo multilateral, com a participação de vários países. Ele trata a repartição justa e equitativa dos benefícios dos recursos genéticos, da biodiversidade e dos conhecimentos adicionais dos países. A aprovação é essencial para que o Brasil possa participar das votações a serem realizadas dentro do protocolo”, explicou.

Proteção – Ainda segundo Ana Paula, o poder de voto é importante porque toda a produção agrícola e pecuária do Brasil pode ser afetada. Ela explica que uma das discussões, ainda não votada, envolve a retroatividade do uso da genética e da biodiversidade. Ana Paula destaca que a ideia é que sejam pagos royalties pelo uso dos produtos explorados e que não sejam de origem nativa.

No Brasil e, consequentemente, em Minas Gerais, as principais atividades do agronegócio poderiam ser afetadas, como a produção de milho, café, soja e carnes, uma vez que esses produtos não têm origem brasileira e foram trazidos de outros países para cá.

“Esse acordo afeta toda a agricultura, porque um assunto que está sendo discutido é a questão da retroatividade. Se pensarmos em toda agropecuária brasileira e na origem do milho, do café e de vários outros produtos cultivados, eles não são originários daqui. Somos o maior produtor de café, mas o café veio da Etiópia. Então, se o Brasil não fizer parte das negociações e até exercer o poder de veto, o que for decidido pelos outros países irá afetar a nossa produção”, afirma.

Ainda segundo Ana Paula, caso as discussões avancem, o Brasil terá que pagar royalties sobre o uso de alguns produtos, mas, por outro lado, também terá o direto de receber, principalmente, de produtos utilizados nas indústrias farmacêuticas e de perfumes.

De acordo com as informações da Agência Senado, o protocolo já foi ratificado por 126 países, que participam de forma plena de suas discussões e deliberações. Segundo o protocolo, os países têm soberania sobre seus recursos genéticos. A exploração de plantas, animais ou micro-organismos nativos por empresas ou organizações estrangeiras depende de autorização expressa dos países detentores.

Ainda de acordo com o texto, os lucros de produção e a venda de produtos elaborados com recursos genéticos serão obrigatoriamente compartilhados com o país de origem.

Isso pode se dar por meio do pagamento de royalties, estabelecimento de parcerias, transferência de tecnologias ou capacitação.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!