Redução na conta de energia de produtores do Estado com acordo é significativa, entre outros, para lavouras irrigadas | Crédito: Valter Campanato/Agência Brasil

As altas temperaturas e a ausência de chuvas por longos períodos compõem um grande desafio para a agricultura também pelo risco de encarecimento, racionamento ou até a falta de energia elétrica por conta da baixa dos reservatórios das hidrelétricas. Cientistas apontam que esse cenário tende a se radicalizar nos próximos anos como um dos efeitos do aquecimento global.

O uso da energia solar é uma das soluções para a crise energética dentro das fazendas, mas nem todo produtor tem capital ou está disposto a implantar uma estrutura de painéis solares na sua propriedade. Parceria firmada entre o Sistema da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Sistema Faemg/Senar/Inaes/Sindicatos) e a Mori Energia, porém, pretende ajudar nessa demanda, com o lançamento do programa Faemg Energia Sustentável.

Os associados do Sistema Faemg – consumidores rurais, residenciais e comerciais –poderão contratar um plano de assinaturas, chegando a economizar entre 12% e 22% na tarifa de energia. Os planos específicos para produtores rurais permitem desconto de até 16% na tarifa de energia, sem a necessidade de investimento inicial ou fidelização.

Segundo o consultor em Novos Negócios da Faemg, Wilson Moura, essa redução é bastante significativa para as principais atividades de Minas Gerais, como a pecuária de corte e leiteira, cafeicultura e lavouras irrigadas de milho, cana-de-açúcar, soja e feijão, que têm grande demanda por energia elétrica.

O Faemg Energia Sustentável está junto de outros programas da federação dentro de um guarda-chuvas chamado Faemg Digital. “O objetivo é levar para os nossos associados e os associados deles soluções com menor custo e pensadas para eles. Vimos a necessidade de inovar nessa direção e oferecemos produtos desde o Faemg Saúde até o Faemg Transporte de Cargas. O Faemg Energia Sustentável visa a oferecer ao produtor mineiro a oportunidade de consumir energia mais barata e mais limpa, dessa forma diminuindo custos e ainda ganhando um diferencial competitivo, já que consumidores e investidores estão usando, cada vez mais, a responsabilidade ambiental das empresas e fornecedores como critério de escolha”, explica Moura.

Contratação – De acordo com o diretor de operações da Mori Energia, Ivo Pitangui, a expectativa é de chegar a 50 mil unidades atendidas no prazo de um ano. A contratação da energia solar é feita por meio do site da parceria de forma 100% digital.

A distribuição da energia gerada pelas usinas solares ocorre pela própria rede da Cemig a clientes cativos conectados em baixa tensão. Para os planos rurais, a média deve ser a partir de R$ 500, a mesma para comércios, indústrias e condomínios. No plano residencial, é preciso que a pessoa tenha um consumo médio a partir de R$ 300. Os descontos são progressivos, de acordo com o período contratado. O serviço está disponível em toda a área de atuação da Cemig, cerca de 97% do território mineiro.

“O contrato se dá a partir da análise do perfil de consumo do cliente. Estudando o seu histórico, estabelecemos a média de consumo e, assim, o quanto ele deve contratar. A entrega se dá em forma de crédito. O consumidor vai continuar recebendo a conta da Cemig, que é a dona da rede por onde a energia passa, só que com o desconto contratado conosco. No mês em que o consumo for menor, a diferença fica em forma de crédito que pode ser acumulado. Caso o consumo seja maior, a diferença vem na conta a ser paga para a Cemig”, esclarece Pitangui.