A raça Girolando é uma das que participarão de competições de julgamento - Crédito Jadir Bison

A maior exposição de pecuária leiteira da América Latina, a Exposição Brasileira do Agronegócio do Leite (Megaleite 2020) será novamente realizada em Belo Horizonte. O evento, considerado um dos mais importantes do setor, vai acontecer de 17 a 20 de junho, no Parque da Gameleira. A expectativa é de que sejam movimentados mais de R$ 30 milhões em negócios ao longo da exposição, valor alcançado na edição de 2019.

A Associação Brasileira dos Criadores de Girolando (Girolando), organizadora do evento, estima que mais de mil animais das raças Girolando, Gir Leiteiro, Holandês, Pardo-Suíço, Guzerá, Simental, Indubrasil e Jersey participarão das competições de julgamento ou torneio leiteiro.

Mais de mil animais das raças Girolando (foto), Gir Leiteiro, entre outras, vão participar de torneios – Crédito: Divulgação

Entre as exposições já definidas que integrarão a programação da Megaleite está a 31ª Exposição Nacional da Raça Girolando. Também serão realizados leilões, rodadas de negócios, palestras, reuniões de entidades do setor, ações voltadas para o público infantil, dentre outros eventos.

“A expectativa é a melhor possível. O evento está cada vez mais se consolidando como a maior feira de agronegócio do leite do Brasil. Considerando o volume de negócios e de animais expostos, a Megaleite está ganhando mais importância para o setor, principalmente por reunir as novidades e melhores exemplares das raças leiteiras”, explicou o pecuarista, engenheiro agrônomo e presidente da Girolando, Odilon de Rezende Barbosa Filho.

Ainda conforme Barbosa, para a edição 2020, estão sendo negociadas diferentes parcerias e novidades que irão beneficiar o público participante. A Megaleite reúne também os principais fornecedores da atividade e eventos como palestras, cursos e debates sobre importantes assuntos voltados para a pecuária leiteira. A feira é considerada um momento ideal para que os pecuaristas conheçam e invistam em inovações e no avanço da genética das raças leiteiras.

“Uma das grandes novidades é que estamos buscando acordo com um agente financeiro para que a gente consiga facilitar as negociações de compras de insumos e de animais. A ideia é que o produtor já chegue à exposição com crédito pré-aprovado e sabendo o valor que poderá ser gasto”, explica.

Na edição de 2019, a Megaleite reuniu no parque da Gameleira cerca de 2 mil animais, número que deve ser mantido este ano, uma vez que é a capacidade máxima suportada pelo Parque. “Infelizmente não temos como ampliar o número de animais por conta da limitação física do Parque”, disse.

Girolando – Em relação ao desempenho da raça Girolando, o presidente da Girolando explica que, apesar das dificuldades em relação ao preço do leite, o ano foi positivo principalmente pela consolidação da seleção genômica da raça. Com a tecnologia, a expectativa é de estimular e acelerar a melhoria genética do rebanho e, com isso, ampliar a qualidade dos animais e da produção de leite.

Foram feitas cerca de 9 mil avaliações no ano. Foi observado aumento no registro de animais, que somou cerca de 80 mil em 2019, alta de 6%.

“Apesar das dificuldades em relação aos preços do leite, o ano foi de avanço, principalmente, em relação à genômica da raça, que será um grande divisor. Nosso objetivo é trabalhar para divulgar e informar ao pecuarista a importância da seleção genômica. Em relação ao País, o ano também foi positivo, com a economia saindo da inércia e o setor agropecuário apresentando sinais de recuperação”, explicou Barbosa.