COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Charcutaria no Norte de Minas ganha registro do governo e espera ampliar vendas

COMPARTILHE

Ugo Borges comemorou conquista da charcutaria Sagrada Família | Crédito: Charcutaria Sagrada Família/ Divulgação

Salame, linguiça especial, presunto cru e defumados. Charcutaria é uma fabriqueta de embutidos com receitas tradicionais desenvolvidas por países europeus. O termo é francês, da junção das palavras chair (carne) com cuit (cozido).

Um bom exemplo desse tipo de negócio vem de Montes Claros, região Norte do Estado. A charcutaria Sagrada Família, reconhecida pelos consumidores locais pelos produtos de qualidade, poderá, agora, expandir suas vendas. É que o estabelecimento conquistou o registro do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

PUBLICIDADE

“A expectativa é de aumentar muito a demanda pelos nossos produtos, já que legalmente poderemos comercializar em grandes varejistas de todo o Estado. Com o registro, teremos mais abrangência comercial, gerando mais empregos e fortalecendo a economia local”, comemora o proprietário Ugo Borges.

Ele conta que, ao entrar em contato com a regional do IMA em Montes Claros, iniciou as adequações físicas e estruturais recomendadas. Após a inspeção sanitária, a charcutaria foi registrada.

“O ambiente foi adaptado para seguir a legislação vigente. Implantamos as câmaras frias, setorizamos os espaços e adotamos o fluxo de produção para evitar contaminação cruzada. Fizemos, ainda, a análise da água e a implementação de boas práticas de produção”, enumera Borges, avaliando o processo como positivo, dada a importância do estabelecimento se regularizar frente às exigências legais. “A produção ficou segura, rastreável e eficiente”, sinaliza.

A trajetória para a conquista do registro começa com as adequações das boas práticas agropecuárias, que consistem em um conjunto de ações eficazes de manipulação, armazenagem, transporte de insumos, matérias-primas, utensílios e equipamentos. É também necessário o projeto das instalações físicas das áreas de processamento e de circulação, além de treinamento de pessoal, manutenção preventiva e rastreabilidade dos produtos.

“A partir do primeiro contato da charcutaria, nossos fiscais compartilham a documentação e as normas sanitárias a serem seguidas. Depois, elaboramos a proposta do projeto de adaptações da agroindústria. Destaco o comércio isolado do local de produção, uma das medidas necessárias”, explica o coordenador regional do IMA em Montes Claros, médico veterinário Rômulo Lage, sobre o processo de registro. (Agência Minas)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!