COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio zCapa

Colheita de café da Coopercam tem crescimento de 45% em 2020

COMPARTILHE

A Coopercam estima uma colheita de 550 mil sacas de café na safra deste ano | Crédito: Geraldo Aureliano / Sakey Comunicação

O clima adequado permitiu o desenvolvimento e colheita de uma maior safra de café, que também apresentou melhor qualidade na bebida. Este ano, com a colheita praticamente encerrada, a Cooperativa dos Cafeicultores de Campos Gerais e Campo do Meio Ltda (Coopercam), com sede em Campos Gerais, no Sul de Minas, receberá cerca de 550 mil sacas de 60 quilos de café, o volume está 45% maior que o colhido em 2019 e equivalente a 2018, período em que a bienalidade também foi positiva.

As estimativas em relação ao mercado são positivas, com os estoques mundiais reduzidos os preços estão valorizados. Além disso, a desvalorização do real frente ao dólar também contribui para uma melhor remuneração.

PUBLICIDADE

De acordo com o presidente da Coopercam, José Márcio Rocha, a safra 2020 de café na região foi muito positiva e atendeu as expectativas dos produtores tanto em volume como em qualidade.

“Já colhemos cerca de 500 mil sacas e a qualidade do café está extraordinária. Ainda estamos concluindo a colheita e esperamos encerrar essa safra com um volume de 550 mil sacas, o que é muito positivo”.

Com a colheita de 550 mil sacas, a produção da cooperativa será 45% maior que as 300 mil sacas colhidas em 2019. Rocha explica que o clima contribuiu para o bom desenvolvimento da safra. A falta de chuva no período da colheita permitiu o ganho em qualidade, o que vai garantir ao produtor maior remuneração e bons resultados em concursos de qualidade do café.

Em relação aos preços pagos pelo grão, os valores foram considerados rentáveis e importantes para que os cafeicultores recuperassem prejuízos registrados nas safras anteriores e investissem na produção.

“O início da safra começou com um mercado bem fraco, pela tendência de uma safra maior, e foi melhorando até a saca de café de boa qualidade atingir valores próximos a R$ 650. Depois houve um recuo, com o avanço da safra, e agora parece que o mercado vem sendo sustentando com preços razoáveis pelo receio dos impactos da seca na próxima safra”.

A estiagem prolongada após o período de alta produção tem causado grande receio em relação ao desempenho produtivo na safra 2021, que já terá uma colheita menor, em função da bienalidade negativa. Com o tempo seco e a falta de chuvas, as lavouras podem ser comprometidas, reduzindo ainda mais a produção.

Ainda segundo Rocha, o bom desempenho da safra é importante para o cafeicultor, que este ano, irá participar de vários concursos de qualidade. Além disso, o café vem sendo comercializados no mercado externo, através de tradings, o que também tem agregado valor. Parte da produção da Coopercam é enviada para o mercado japonês. A cooperativa está desenvolvendo um projeto para que nos próximos anos, possa exportar o grão também de forma direta.

Entre os fatores que contribuíram para os resultados em Campos Gerais está o clima favorável | Crédito: Geraldo Aureliano / Sakey Comunicação / Divulgação

Demanda domésticaEm relação ao consumo interno, Rocha explica que apesar da queda vista na demanda vinda de cafeterias, restaurantes e hotéis, o consumo no lar ficou maior, já que as pessoas estão confinadas. “Tomar um café é um momento relaxante e agradável, principalmente nesse período de pandemia”, explicou.

A pandemia da Covid-19 não interferiu de forma expressiva no processo de colheita dos associados. Rocha explica que vem sendo feito um trabalho amplo junto aos cafeicultores para a adoção de medidas que impeçam a proliferação da doença. Com isso, foram poucas as interferências.

Ao contrário das regiões montanhosas, onde a colheita é praticamente toda feita manualmente, na região de Campos Gerais e Campo do Meio a maior parte do processo é mecanizada, o que também foi positivo e não demandou grandes volumes de trabalhadores.

Com cerca de 1,4 mil associados ativos, sendo que 70% são de pequenos produtores, Rocha ressalta que o cooperativismo é importante para a melhoria de vida e renda dos cafeicultores da região.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!