COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Comissão vai desenvolver a produção de cachaça

COMPARTILHE

Crédito: Carlos Alberto / Imprensa - MG

Patrimônio Cultural de Minas Gerais, a Cachaça Artesanal de Alambique ainda enfrenta vários gargalos que impedem o avanço da produção e da regulamentação dos alambiques. Com grande importância econômica e social, a produção da bebida passa por problemas com a alta tributação e com a legislação considerada obsoleta.

Para buscar solução para os empecilhos e alavancar o setor em Minas Gerais, foi criada, no fim do ano passado, uma comissão exclusiva para o setor. Desde então, foram levantados os principais desafios e estabelecidas prioridades para o desenvolvimento da atividade.

PUBLICIDADE

De acordo com o superintendente técnico da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Altino Rodrigues Neto, a Comissão de Cachaça Artesanal, que é da Faemg, pretende buscar formas de solucionar os gargalos, promover a bebida e estimular as pesquisas para o setor.

A ideia é que o funcionamento da comissão siga os mesmos moldes da Comissão do Queijo Minas Artesanal, que conquistou vários avanços em relação à pesquisa, promoção e valorização.

A primeira frente de trabalho será voltada para a legislação da cachaça artesanal de alambique. Ainda para este mês, está prevista uma reunião para discutir o assunto.

“Estabelecemos como principal ação e missão inicial da comissão a criação de uma legislação ou a revisão da legislação atual, que consideramos antiga e não atende a demanda atual do setor. Nossa ideia, a exemplo do que foi feito no Queijo Minas, é fazer um grupo de trabalho com pessoas especializadas e criar uma legislação nova, que venha atender o momento atual. É preciso fazer esse trabalho, principalmente, pela importância que a cachaça artesanal de alambique tem na cultura e na economia mineira”, destacou Altino Neto.

Ainda segundo Altino, outro objetivo da comissão é estreitar o relacionamento com o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), que, desde o ano passado, após delegação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), passou a fiscalizar e inspecionar estabelecimentos que produzem e comercializam cachaça em todo o Estado.

“Queremos trabalhar junto com o IMA, assim como foi feito com o Queijo Minas Artesanal. Ainda este mês, pretendemos nos reunir com os responsáveis do instituto para buscar uma solução para a legislação da cachaça artesanal. No caso do queijo, por exemplo, foram criados alguns parâmetros que permitem um registro provisório. Vamos ver, junto ao IMA, se é possível estabelecer parâmetros para que os produtores iniciem o processo de legalização. Claro que sem abrir mão da qualidade e da segurança para o consumidor. Queremos uma maneira de trabalhar educativamente com os produtores”, disse Neto.

Aproximação com universidades – Além dessas iniciativas, com os trabalhos a serem desenvolvidos, a expectativa também é de despertar o interesse de pesquisadores que possam desenvolver estudos que promovam a melhoria da qualidade da cachaça. A realização de pesquisas e estudos também é considerada fundamental para promover, de forma segura, possíveis modificações na legislação.

“A gente percebe que, quando tem trabalho organizado, a academia entra fazendo pesquisas. Exemplo disso é o Queijo Minas, que não tinha estudos até a organização do setor. Hoje são várias instituições e pesquisas envolvendo o queijo”.

De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Minas Gerais produz 60% da cachaça artesanal do País, o equivalente a cerca de 250 milhões de litros por ano. Ao todo, o Estado possui 7,5 mil alambiques, sendo que mais de 80% estão na clandestinidade em função da alta carga tributária e da legislação inadequada.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!