Crédito: Divulgação/Seapa

É certo que 2020 foi um ano totalmente atípico e desafiador também para os produtores rurais, mas não seria justo chegar ao fim sem celebrar um dos produtos que mais carrega o conceito de “mineiridade” e que tem sido um dos responsáveis por elevar a gastronomia mineira em todo o mundo: o queijo artesanal.

Por isso, foi idealizada uma edição especial do Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal, que está com inscrições abertas no site da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) até o dia 6 de novembro.

O Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal é promovido todo ano pela Emater-MG, vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), com o objetivo de estimular a produção de queijos de qualidade, promover a divulgação entre consumidores e incentivar a legalização de queijarias.

Batizado como Edição Especial 300 anos de Minas, o concurso deve reunir cerca de 80 produtores das sete regiões caracterizadas e reconhecidas como produtoras de Queijo Minas Artesanal: Araxá, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serra do Salitre, Serro e Triângulo Mineiro.

De acordo com o presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza, a agenda do queijo faz parte do dia a dia dos trabalhos da Emater junto às equipes técnicas dos escritórios.

“O concurso tem um papel educativo muito grande de promover a melhoria da qualidade, o aspecto sanitário, os cuidados, enfim, tudo que puder contribuir com informações e, também, buscar as experiências exitosas dos produtores. São eles que conhecem a realidade do queijo, dominam o processo produtivo, se preocupam em fazer perfeito. Temos essa convivência harmônica de conjugar conhecimentos técnicos e conhecimento da família rural para construir o melhor caminho para desenvolver a atividade produtiva. O Concurso Estadual vem num momento importante de conquistar mais espaço. Além da divulgação, tem o papel de aproximar os produtores dos mercados que valorizam a qualidade e a cultura que tem enraizada nesse nobre produto que é o queijo”, explica Laterza.

Dinâmica – A competição vai premiar os cinco primeiros colocados. Os queijos serão avaliados em sabor, textura, aroma, apresentação, cor e consistência por um júri qualificado, formado por estudiosos da produção queijeira e por profissionais com ampla experiência na área. Também haverá um prêmio do júri popular formado por jornalistas.

Podem se inscrever os produtores pertencentes a qualquer das tradicionais microrregiões produtoras e também os localizados em municípios fora das regiões caracterizadas, conforme permitido pela Lei 19.492 de 2011, desde que esteja legalizado junto ao Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

Segundo a coordenadora técnica estadual da Emater-MG, Maria Edinice Rodrigues, logo no início da pandemia, em março, houve muito receio por parte dos produtores que não sabiam se haveria condições de escoar a produção. Como um produto artesanal, o queijo é delicado e tem um prazo determinado de comercialização.

“No começo, quando tudo foi fechado e surgiu a dificuldade de entrega para os grandes empórios, ficou difícil chegar até o consumidor. Aos poucos, fomos descobrindo novas formas de comercialização, e as redes sociais foram as grandes amigas dos produtores. Várias associações começaram a vender via Whatsapp e entregar pelos correios, por exemplo. Temos um produto nobre, que o consumidor quer, então não poderíamos deixar de ter o concurso. Além de premiar os melhores, ele tem uma tarefa importante de aproximar os produtores dos compradores, daqueles que fazem o queijo chegar aos consumidores”, pontua Maria Edinice Rodrigues.

Final na Capital – Nos anos anteriores, o concurso estadual era precedido de fases classificatórias nos municípios e regiões. Desta vez, por conta das medidas de biossegurança de combate à Covid-19, será apenas a final, realizada em Belo Horizonte, com restrição de público, no fim de novembro.

“Todos os produtores legalizados podem participar. Os queijos serão levados até a Capital pelos extensionistas da Emater. Os cinco primeiros serão convidados a participar da premiação. Antes, participavam dessa final estadual 40 produtores selecionados pelas regionais. Como em 2020 a inscrição será direta, prevemos cerca de 80 participantes, podendo chegar a 100”, avalia a coordenadora técnica estadual da Emater-MG.

Para o presidente da Associação Mineira dos Produtores de Queijo Artesanal (Amiqueijo), João Carlos Leite, a realização do concurso é uma grande notícia. “Para o produtor, é muito importante. Ele que luta tanto pra fazer o seu queijo, que busca as melhorias, mas não sabe se está agradando. Quando vem esse concurso, vem o turista, isso cria um clima de esperança. O produtor que ganha vira exemplo para os outros que querem, também, atingir aquela qualidade. Isso vira um ciclo virtuoso. Tem, ainda, a importância das associações para que essa cadeia funcione em sua plenitude, tudo isso aparece no concurso”, completa Leite.