COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio zCapa
Crédito: Divulgação/Seapa

É certo que 2020 foi um ano totalmente atípico e desafiador também para os produtores rurais, mas não seria justo chegar ao fim sem celebrar um dos produtos que mais carrega o conceito de “mineiridade” e que tem sido um dos responsáveis por elevar a gastronomia mineira em todo o mundo: o queijo artesanal.

Por isso, foi idealizada uma edição especial do Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal, que está com inscrições abertas no site da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) até o dia 6 de novembro.

PUBLICIDADE

O Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal é promovido todo ano pela Emater-MG, vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), com o objetivo de estimular a produção de queijos de qualidade, promover a divulgação entre consumidores e incentivar a legalização de queijarias.

Batizado como Edição Especial 300 anos de Minas, o concurso deve reunir cerca de 80 produtores das sete regiões caracterizadas e reconhecidas como produtoras de Queijo Minas Artesanal: Araxá, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serra do Salitre, Serro e Triângulo Mineiro.

De acordo com o presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza, a agenda do queijo faz parte do dia a dia dos trabalhos da Emater junto às equipes técnicas dos escritórios.

“O concurso tem um papel educativo muito grande de promover a melhoria da qualidade, o aspecto sanitário, os cuidados, enfim, tudo que puder contribuir com informações e, também, buscar as experiências exitosas dos produtores. São eles que conhecem a realidade do queijo, dominam o processo produtivo, se preocupam em fazer perfeito. Temos essa convivência harmônica de conjugar conhecimentos técnicos e conhecimento da família rural para construir o melhor caminho para desenvolver a atividade produtiva. O Concurso Estadual vem num momento importante de conquistar mais espaço. Além da divulgação, tem o papel de aproximar os produtores dos mercados que valorizam a qualidade e a cultura que tem enraizada nesse nobre produto que é o queijo”, explica Laterza.

Dinâmica – A competição vai premiar os cinco primeiros colocados. Os queijos serão avaliados em sabor, textura, aroma, apresentação, cor e consistência por um júri qualificado, formado por estudiosos da produção queijeira e por profissionais com ampla experiência na área. Também haverá um prêmio do júri popular formado por jornalistas.

Podem se inscrever os produtores pertencentes a qualquer das tradicionais microrregiões produtoras e também os localizados em municípios fora das regiões caracterizadas, conforme permitido pela Lei 19.492 de 2011, desde que esteja legalizado junto ao Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

Segundo a coordenadora técnica estadual da Emater-MG, Maria Edinice Rodrigues, logo no início da pandemia, em março, houve muito receio por parte dos produtores que não sabiam se haveria condições de escoar a produção. Como um produto artesanal, o queijo é delicado e tem um prazo determinado de comercialização.

“No começo, quando tudo foi fechado e surgiu a dificuldade de entrega para os grandes empórios, ficou difícil chegar até o consumidor. Aos poucos, fomos descobrindo novas formas de comercialização, e as redes sociais foram as grandes amigas dos produtores. Várias associações começaram a vender via Whatsapp e entregar pelos correios, por exemplo. Temos um produto nobre, que o consumidor quer, então não poderíamos deixar de ter o concurso. Além de premiar os melhores, ele tem uma tarefa importante de aproximar os produtores dos compradores, daqueles que fazem o queijo chegar aos consumidores”, pontua Maria Edinice Rodrigues.

Final na Capital – Nos anos anteriores, o concurso estadual era precedido de fases classificatórias nos municípios e regiões. Desta vez, por conta das medidas de biossegurança de combate à Covid-19, será apenas a final, realizada em Belo Horizonte, com restrição de público, no fim de novembro.

“Todos os produtores legalizados podem participar. Os queijos serão levados até a Capital pelos extensionistas da Emater. Os cinco primeiros serão convidados a participar da premiação. Antes, participavam dessa final estadual 40 produtores selecionados pelas regionais. Como em 2020 a inscrição será direta, prevemos cerca de 80 participantes, podendo chegar a 100”, avalia a coordenadora técnica estadual da Emater-MG.

Para o presidente da Associação Mineira dos Produtores de Queijo Artesanal (Amiqueijo), João Carlos Leite, a realização do concurso é uma grande notícia. “Para o produtor, é muito importante. Ele que luta tanto pra fazer o seu queijo, que busca as melhorias, mas não sabe se está agradando. Quando vem esse concurso, vem o turista, isso cria um clima de esperança. O produtor que ganha vira exemplo para os outros que querem, também, atingir aquela qualidade. Isso vira um ciclo virtuoso. Tem, ainda, a importância das associações para que essa cadeia funcione em sua plenitude, tudo isso aparece no concurso”, completa Leite.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!