DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Cooxupé faz distribuição de R$ 77,1 milhões aos cooperados

COMPARTILHE

Crédito: José Roberto Gomes/Reuters Usada em 02-12-19 Usada em 21-02-20 Usada em 08-04-20

Com um faturamento de R$ 4,2 bilhões em 2019, o que representa uma elevação de 10,8% frente a 2018, a Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé (Cooxupé) está repassando aos cooperados o total de R$ 77,1 milhões referentes à participação nos resultados da cooperativa obtidos em 2019. O valor é o maior já repassado na história da Cooxupé.

Em relação à safra 2020, as estimativas são positivas e, até o momento, tende a ser maior em volume e em qualidade. Além disso, os preços estão em torno de R$ 500 por saca, o que é rentável para o setor. A pandemia do novo coronavírus não está interferindo no mercado da Cooxupé, que irá manter os planos de investimentos em torno de R$ 50 milhões em 2020.

PUBLICIDADE

De acordo com os dados da Cooxupé, cooperativa com sede em Guaxupé, no Sul de Minas Gerais, dos R$ 77,1 milhões que estão sendo repassados aos cooperados, cerca de R$ 57,8 milhões são referentes aos resultados de 2019 e em torno de R$ 19,3 milhões ao pagamento do Programa de Restituição de Capital por Idade (PRCI) implantado no final do ano passado. Em 2019, o valor repassado ficou próximo a R$ 50 milhões.

O recebimento de cada produtor varia de acordo com a proporção das operações específicas realizadas com a Cooxupé no decorrer do ano.

Segundo o presidente da Cooxupé, Carlos Augusto Rodrigues de Melo, o primeiro semestre de 2019 foi difícil para o setor, porém, os bons resultados foram obtidos com a maior participação dos produtores nos mercados físico e futuro.

“Tivemos preços baixos e ficamos muito preocupados com os resultados. Porém, no final do ano, o mercado ofereceu oportunidades para que o associado fizesse vendas no mercado físico e futuro. Os cooperados fizeram operações com preços altos, o que trouxe resultados positivos tanto para eles, quanto para a Cooxupé. Isso nos proporcionou uma distribuição da ordem de R$ 77,1 milhões. É importante enfatizar que esse é o resultado mais expressivo já distribuído em toda a história da cooperativa”, disse.

Safra 2020 – Ao longo de 2019, a Cooxupé registrou faturamento de R$ 4,2 bilhões, alta de 10,8% ante os R$ 3,79 bilhões obtidos em 2018. Para 2020, ainda não foi possível estimar um faturamento, uma vez que a colheita foi iniciada por agora. Porém, até o momento, o cenário é favorável, com preços remuneradores e tendência de safra maior em volume e qualidade.

“Até agora, o mercado é positivo. A saca de 60 quilos está cotada em torno de R$ 500 e remunera. A postura de operacionalização no mercado por parte do nosso associado tem contribuído para o sucesso. Iniciamos a colheita agora, mas a tendência é de um ano promissor”, avaliou.

Sem sofrer impactos negativos pela pandemia do novo coronavírus, a estimativa, até o momento, é de manter os investimentos já planejados para este ano, que devem alcançar em torno de R$ 50 milhões. Os aportes, segundo Melo, serão feitos na ampliação das estruturas, modernização, tecnologia de informática e capacitação.

“Nossos investimentos serão mantidos, visto que até então a pandemia não nos afetou financeiramente. Todos os investimentos em expansão, tecnologias e inovação estão previstos dentro deste orçamento”.

Em relação aos volumes, em 2019, foram recebidas 5,1 milhões de sacas de 60 quilos de café e as vendas alcançaram 6,4 milhões de sacas, somados os volumes destinados aos mercados interno e externo. O total exportado pela Cooxupé atingiu 5,4 milhões de sacas, que foram embarcadas para mais de 50 países.

Para 2020, a tendência é de um maior volume a ser recebido. A estimativa é receber 5,5 milhões de sacas de café de 60 quilos de cooperados e mais 1,5 milhão de sacas de terceiros, somando 7 milhões de sacas de café. Deste volume, cerca de 5 milhões devem ser exportados.

“A colheita está se iniciando e, dentro das expectativas de recebimento, ela abrange 6%. Podemos dizer que será uma colheita boa em quantidade e qualidade, se assim o tempo permitir. Se a colheita ocorrer com um tempo bom e sem chuvas, com certeza teremos uma safra de alta qualidade”, destacou.

Cuidados na colheita – Melo ressalta que, com a pandemia, os cuidados com a colheita devem ser ampliados para evitar a contaminação dos trabalhadores, dos cafeicultores e das famílias. Foram elaboradas cartilhas com as orientações e cuidados que devem ser adotados.

“Todos os anos os cuidados com a saúde no campo e, principalmente, na colheita são necessários. Porém, este ano, que façamos esta colheita protegendo melhor tanto as famílias de trabalhadores quando as dos produtores. É preciso adotar todos os cuidados de ordem pessoal, de transporte, de alojamento e de acompanhamento de saúde, ou seja, por médicos. Temos que colher o café, mas com todos os cuidados necessários”, explicou Melo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!