COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Desembolsos do crédito rural avançam quase 50% no Estado no 1º mês de safra

COMPARTILHE

Crédito:Amanda Perobelli / Reuters

A demanda crescente por alimentos e as estimativas positivas em relação ao mercado estão estimulando a busca pelo crédito rural. Com os juros mais baixos em praticamente todas as linhas do Plano Agrícola e Pecuário (PAP), o que facilita o acesso aos recursos, a procura no primeiro mês da safra 2020/21, em Minas Gerais, cresceu 48%, com a liberação de R$ 2,66 bilhões em crédito, ante os R$ 1,79 bilhão desembolsado em julho de 2019.

Do montante, a agricultura demandou a maior parte, R$ 1,84 bilhão, e o restante foi para a pecuária, com desembolsos estimados em R$ 810 milhões.

PUBLICIDADE

De acordo com o levantamento divulgado pela Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), no primeiro mês da safra 2020/21 (julho), foram aprovados 18.461 contratos do crédito agrícola em Minas Gerais, elevação de 29% frente aos 14.363 pedidos aprovados em igual mês da safra passada. O Estado respondeu por 11% do volume desembolsado para o País em julho, que somou R$ 23,92 bilhões.

Segundo o coordenador-técnico estadual de crédito rural da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), José Henrique Chiarini Pena Barbosa, vários fatores têm contribuído para a maior demanda por crédito.

“As estimativas, até o momento, são positivas em relação à safra 2020/21. Mesmo com a pandemia, a demanda pelos produtos do setor agropecuário continuou em alta e os produtores estão investindo apostando em bons resultados. Além disso, houve redução das taxas de juros, o que tornou o crédito mais barato para o produtor”, explicou Barbosa.

Dentre as linhas, em julho, o maior volume de recurso liberado foi em custeio. Ao todo, foram emprestados R$ 1,45 bilhão para Minas Gerais, aumento de 28% quando comparado com os R$ 1,13 bilhão desembolsado em julho de 2019. A aprovação de contratos cresceu 37% e encerrou o mês em 6.597.

Na linha de custeio, a agricultura demandou R$ 980 milhões, valor que ficou 18% maior que o liberado anteriormente. Foram aprovados 3.304 contratos, 32% a mais. No mês, a maior parte dos recursos da linha de custeio foi aplicada na cultura do café, que somou R$ 378,21 milhões. Para a soja, os desembolsos foram de R$ 342,24 milhões, milho, R$ 78,92 milhões, e cana-de-açúcar, com R$ 42,33 milhões.

Para a pecuária foram destinados R$ 470 milhões da linha de custeio, aumento de 56% frente aos R$ 300 milhões desembolsados em julho de 2019. Foram aprovados 3.293 contratos, volume 42% superior. Para bovinos, foram liberados R$ 408,43 milhões, para suínos, R$ 39,45 milhões, e avicultura, R$ 12,26 milhões.

 

Investimentos em alta Outro destaque nos desembolsos do crédito rural foi a linha de investimentos, cuja demanda cresceu 96% no Estado e somou R$ 610 milhões liberados somente em julho. Ao todo, foram aprovados 11.686 contratos, alta de 26% quando comparado com os 9.288 liberados em julho de 2019.

A demanda pela linha avançou 112% na agricultura, com a liberação de R$ 350 milhões para aplicação na atividade. Ao todo, foram aprovados 3.296 contratos, crescimento de 33%. Na pecuária, foi verificada elevação de 77% na demanda pelo crédito para aportes, que somou R$ 260 milhões liberados no último mês. A aprovação de contratos cresceu 23% e encerrou em 8.390 liberações.

“Existe uma demanda reprimida pelos recursos da linha de investimento, uma vez que os recursos disponibilizados na safra anterior foram insuficientes para atender à demanda dos produtores rurais. Além disso, as estimativas positivas em relação à safra estimulam novos investimentos”, destacou Barbosa.

Os desembolsos da linha de comercialização também ficaram maiores. O valor liberado para a linha em Minas Gerais somou R$ 540 milhões em julho, alta de 86% frente aos R$ 290 milhões do mesmo período da safra anterior. Ao todo, foram aprovados 165 contratos, queda de 35%.

Para a agricultura, o crédito da linha de comercialização alcançou R$ 480 milhões, variação positiva de 309%. Já para a pecuária, o montante liberado, R$ 50 milhões, ficou 69% inferior.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!