Em andamento, Coopercitrus Expo Digital já tem obtido resultados favoráveis; organização estima movimentar R$ 1 bilhão em geração de negócios | Crédito: Divulgação

A pandemia do Covid-19 vem impedindo a realização das feiras agropecuárias no modelo tradicional. Porém, devido à importância dos eventos, tanto para a atualização e capacitação dos produtores quanto para a geração de negócios e investimentos em tecnologia, as entidades estão se adaptando e transformando os eventos antes presenciais em virtuais.

As estimativas são positivas em relação à migração. Apesar de não ter a visitação física, ao serem realizadas em ambiente digital, as feiras e exposições podem ser acessadas por muito mais pessoas no País e no mundo.

A Cooperativa de Produtores Rurais (Coopercitrus) modificou a tradicional feira, que passou a chamar Coopercitrus Expo Digital. Com investimentos próximos a R$ 2 milhões, em 60 dias, foi feito um enorme trabalho para a realização virtual do evento. A cooperativa conta com cerca de 38 mil associados, com unidades de negócios em mais de 60 municípios nos estados de São Paulo, Goiás e Minas Gerais.

De acordo com o CEO da Coopercitrus, Fernando Degobbi, os resultados do evento, que começou dia 27 de julho e vai até 31 de julho, têm sido muito favoráveis. A expectativa é de faturar R$ 1 bilhão em negócios, valor superior aos R$ 830 milhões gerados na edição anterior, que foi física.

“O evento está indo muito bem. Chegamos à metade da exposição com 38,5 mil acessos e já foram feitos mais de 6,8 mil pedidos pelos cooperados. Os números estão melhores do que os da feira física do ano passado. O desafio é maior, dá mais trabalho porque nós nos propusemos a fazer um evento virtual com ‘cara’ de feira e um ambiente tridimensional, com 360 graus de visualização. Na organização, está envolvido um grande trabalho técnico, para isso, fizemos parcerias com empresas especializadas em processos digitais”, explica.

Na Coopercitrus Expo Digital são oferecidos mais de 100 conteúdos técnicos, a plataforma conta também com cerca de 12 lives simultâneas, que tratam diversos assuntos como a agricultura de precisão, cultura do café, pecuária e todos os processos de produção agropecuários. Também estão reunidos mais de 140 expositores de insumos e máquinas agrícolas.

Com o evento realizado virtualmente, o acesso aos conteúdos é bem pulverizado e, além do público nacional, foram registrados mais de 300 acessos dos Estados Unidos e também de vários países da Europa.

“Apesar de todas as dificuldades e do cenário adverso provocado pela pandemia, decidimos continuar avançando e, por isso, transformamos nosso evento em virtual. O agronegócio saiu na frente e nosso plano, quando passar este momento de distanciamento social, é manter o evento virtual junto com a feira física. Muitas pessoas que não poderiam participar do evento físico estão no virtual, o que é muito importante e ampliou nossa abrangência e as oportunidades de acesso aos conteúdos e à realização de negócios. Estamos com um retorno muito positivo e foi um investimento que deu certo”, afirma Degobbi.

SIC – Outro evento que será virtual é a Semana Internacional do Café (SIC), já consagrada e que está dentro dos cinco mais importantes eventos da cultura do café no mundo. A SIC será de 18 a 20 de novembro.

A analista de agronegócio da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Ana Carolina Alves Gomes, explica que, devido à pandemia e para garantir a segurança dos participantes, a decisão dos organizadores foi optar pelo evento virtual.

“A SIC se consagrou muito em razão do formato que gera negócios, conhecimento e oportunidades. Isso tudo, muitas vezes, no ambiente presencial é fortalecido. Mas estamos buscando alternativas e a tecnologia vem nos favorecer nesse sentido. Queremos criar um ambiente de networking, de conhecimento e de oportunidades para atender os produtores e todos os participantes da cadeia do café no ambiente digital”, destaca.

As expectativas são positivas e a tendência é de uma abrangência maior. Ana Carolina explica que pesquisas já realizadas mostram que 79% dos produtores já usam as plataformas digitais para se informar e buscar conhecimento, o que será importante para o sucesso do evento.

“A pandemia viabilizou e oportunizou o maior acesso aos meios digitais e, por isso, a gente vislumbra um potencial de crescimento. Com o evento digital, conseguiremos atingir públicos que, por agenda ou outras questões, não estariam presentes na SIC física. Vamos atingir uma amplitude muito maior. Vamos levar o conhecimento e as informações dos cafés de Minas Gerais e do Brasil para um ambiente mais democrático, inclusive atingindo o público internacional”, afirma.

A organização também está reformulando os demais eventos que compõem a Semana Internacional do Café.

ExpoGenética também adere a novo formato

No campo da pecuária, a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) realizará a 13ª edição da ExpoGenética. A feira é o maior evento técnico de zebuínos do mundo.

Para a edição de 2020, a ABCZ anunciou uma mega estrutura para a realização da feira, que, pela primeira vez, será virtual. Na programação, estão inclusos a transmissão ao vivo de todo o evento pela TV, além de um conteúdo exclusivo pela internet.

O Parque Fernando Costa, em Uberaba, na região do Triângulo, foi todo filmado em 360 graus, possibilitando ao público – com um clique – visitar os pavilhões pela internet e conhecer os maiores trabalhos de seleção zebuína no País. O evento será de 15 a 23 de agosto e também será transmitido ao vivo pelo site da ABCZ.

Neste ano, também foi realizada a edição virtual da Expocafé, com os painéis ao vivo e plataforma digital para a apresentação de produtos. O evento contou com programação técnica ao vivo, que foi encerrada em 16 de julho.

Em três dias, os quatro painéis temáticos contaram com a participação de um público aproximado de 1 mil pessoas. Os painéis tiveram temas variados, combinando resultados de pesquisas e aplicações práticas em assuntos atuais da cafeicultura como novas cultivares, cultivo orgânico e agroecológico e pós-colheita.

A Expocafé 2020 conta ainda com uma plataforma digital para a apresentação de produtos e soluções para a lavoura que ficará acessível até o dia 14 de agosto.

Nos 35 estandes virtuais, o público tem acesso a demonstrações de equipamentos e tecnologias e pode solicitar o atendimento dos expositores. As novidades vão de maquinários e insumos para os cafezais até serviços financeiros.