COTAÇÃO DE 18/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0680

VENDA: R$5,0690

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0370

VENDA: R$5,2330

EURO

COMPRA: R$5,9716

VENDA: R$5,9733

OURO NY

U$1.764,31

OURO BM&F (g)

R$286,98 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio zCapa

Floricultura começa a recuperar nível de vendas no Estado

COMPARTILHE

Foi registrada mudança no hábito de consumo e a aquisição de flores em vasos e para paisagismo aumentou, o que foi importante para a recuperação de parte dos segmentos da floricultura | Crédito: Marcos Santos/USP Imagens

Após enfrentar queda substancial nas vendas e descarte de quase 90% da produção nas primeiras semanas de isolamento para o controle da disseminação da Covid-19, o setor de flores está se recuperando, porém, em alguns segmentos, como o de flores de corte, voltado para festas e eventos, as perdas ainda são significativas, já que não houve a liberação para a retomada. Tanto em Minas Gerais quanto no Brasil, as vendas de flores em geral já estão em patamares equivalentes aos de agosto de 2019, porém, no setor de corte, a comercialização está entre 30% e 40% menor.

Em alguns casos, principalmente no segmento de corte, produtores têm migrado para outros setores da floricultura e também para a produção de verduras e hortaliças.

PUBLICIDADE

De acordo com o diretor do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), Renato Opitz, de maneira geral, está ocorrendo uma recuperação do setor, ainda que lenta. Se logo no início da pandemia o descarte de flores chegou a cerca de 90%, com a reabertura das floras as vendas iniciou-se um processo de recuperação.

“As primeiras semanas da pandemia foram críticas para o setor. Houve o fechamento das floriculturas e suspensão dos eventos. Todo mundo parou e houve muita dúvida em relação ao mercado. Ao longo dos meses, a situação foi melhorando. Conseguimos reabrir as floriculturas, que foram enquadradas como essencial, pelas flores serem produtos perecíveis. Isso ajudou bastante e gerou resultados, inclusive no Dia das Mães”.

Ainda segundo Opitz, com o prolongamento do isolamento e as pessoas passando mais tempo em casa, também houve uma mudança no perfil de consumo. A aquisição de flores em vasos e para paisagismo aumentou, o que foi importante para a recuperação de parte dos segmentos da floricultura.

“Percebemos que houve uma mudança no perfil do consumidor. Como as pessoas estão ficando mais em casa, sem gastar com viagens, teatro e restaurante, por exemplo, elas estão deixando os lares mais confortáveis e agradáveis. As flores e as plantas transformam o ambiente, deixa mais agradável e alegre. Também percebemos que as pessoas estão investindo no paisagismo em sítios e chácaras, o que é muito importante para a recuperação do setor”.

Para se ter ideia, com a mudança de consumo, as vendas em geral se recuperaram e, em agosto, mantiveram o mesmo desempenho que o registrado em igual período de 2019, segundo informou o Ibraflor.

Segmento de corte ainda registra queda de até 40%

O segmento de flores de corte, que tem as vendas focadas, principalmente, para o mercado de festa e eventos, está com as vendas entre 30% e 40% menores que as registradas em 2019, o índice foi apontado tanto pelo Ibraflor para a média Brasil quanto para o mercado de Minas, pela Associação de Distribuidores e Produtores de Flores e Plantas de Minas Gerais.

Com os eventos e festas ainda suspensos, muitos produtores têm migrado da atividade de corte para a produção para flores que estão com a demanda normal, como as em vaso e para paisagismo.

“O setor de corte ainda enfrenta uma crise grande. As flores como as rosas, callas, cravo, copo-de-leite, gérbera, lírio de corte, entre outras, são muito usadas em festas e eventos, que continuam suspensos. Parte das vendas que estão acontecendo se deve ao consumidor comprar estes itens para colocar em casa e também pelos produtores estarem vendendo para os supermercados buquês prontos e migrando para segmentos com maior demanda”, explicou o diretor do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), Renato Opitz.

Outro tipo de migração está ocorrendo das flores de corte para o plantio de legumes e hortaliças.

“Minas Gerais é um exemplo de onde essa migração tem ocorrido. Na região Sul do Estado, com produção importante de flores de corte regiões de Andradas e Itapeva, tiveram casos de migração para a produção de legumes e hortaliças. Já na região de Araxá e Barbacena, onde o mercado enfrenta menos concorrência e as vendas são mais locais, isso já não aconteceu e a comercialização está em recuperação”.

Para o presidente da Associação de Distribuidores e Produtores de Flores e Plantas de Minas Gerais, Flávio De Assis Vieira, em Minas Gerais, a situação dos produtores de flores de corte é crítica, principalmente, para as empresas que fornecem para Belo Horizonte e entorno, que é um grande mercado consumidor. Com a crise, dos 22 associados, oito já encerram as atividades.

“O consumo de flores na Capital ainda não voltou porque os eventos e festas continuam suspensos. Algumas cidades do interior, já voltaram e isso tem ajudado um pouco. A crise veio muito forte, acredito que cerca de 40% dos produtores devem encerrar a atividade”, explicou Vieira.

Ainda segundo Vieira, a previsão de retorno ainda é incerta. “Pelas reuniões que participo, a previsão dos eventos e festas retornarem é em março. Mas, com toda a flexibilização que está ocorrendo, espero que seja antes”.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!