COTAÇÃO DE 17/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9420

VENDA: R$4,9430

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0400

VENDA: R$5,1520

EURO

COMPRA: R$5,2307

VENDA: R$5,2334

OURO NY

U$1.814,77

OURO BM&F (g)

R$290,29 (g)

BOVESPA

+0,51

POUPANÇA

0,7025%

OFERECIMENTO

Agronegócio exclusivo

Preço do leite pago aos produtores mineiros tem crescimento de 4,4%

COMPARTILHE

Crédito: Eduardo Seidl/Palácio Piratini

A oferta limitada de leite no campo tem contribuído para a valorização dos preços pagos aos pecuaristas de Minas Gerais. De acordo com os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), em fevereiro, referente à produção entregue em janeiro, foi registrada valorização de 4,4% no preço líquido do litro de leite ante o mês anterior. Com a alta, no Estado, o litro foi negociado a R$ 1,42 em média.

Na comparação com fevereiro de 2019, houve um avanço de 2,48% no preço do leite negociado em Minas Gerais, uma vez que, no período, o volume estava cotado a R$ 1,40. Os dados do Cepea mostram que, na média Brasil, o litro de leite também apresentou elevação e foi comercializado, em média liquida, a R$ 1,41, aumento de 3,6% frente ao mês anterior.

PUBLICIDADE




Os pesquisadores do Cepea destacam que o movimento de alta nos preços do leite no campo, observado pelo segundo mês seguido em Minas Gerais e terceiro no País, é influenciado pela maior competição entre laticínios para garantir a compra de matéria-prima em um cenário de oferta limitada.

O levantamento mostrou que a captação das empresas amostradas pelo Cepea voltou a cair de dezembro para janeiro. O Índice de Captação Leiteira (Icap-L) do Cepea recuou 3,7% na média Brasil, com todos os estados registrando queda na captação nesse período. O índice de redução estadual não foi divulgado. A diminuição esteve atrelada, entre outros fatores, à instabilidade climática e às fortes variações nos regimes de chuvas.

Abate de fêmeas – Outros fatores que vêm limitando a oferta são o aumento dos custos de produção e o maior abate de fêmeas. Os custos com concentrado estão mais elevados pela constante valorização dos grãos. Além disso, o aumento do abate de vacas leiteiras vem sendo estimulado pelos elevados valores praticados no mercado da pecuária de corte, o que tem estimulado os pecuaristas a descartarem animais, principalmente, os menos produtivos.

Além disso, com as dificuldades vivenciadas nos anos anteriores – como preços baixos e custos elevados -, os investimentos de longo prazo para a produção leiteira foram comprometidos, o que tem limitado o potencial de crescimento da atividade atualmente.

PUBLICIDADE




“Apesar do aumento dos preços pagos pelo leite, o produtor continua com a margem comprometida, uma vez que houve aumento dos custos de produção, principalmente do concentrado. Somente em fevereiro, o custo com concentrado ficou 10% acima do praticado em igual mês do ano anterior. A margem de lucro do pecuarista de leite, em Minas Gerais, está 25,3% menor que a de fevereiro de 2019”, explicou o analista de agronegócio da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Wallisson Lara.

Para fevereiro, a tendência é de alta nos preços. Isso em função de a pesquisa do Cepea mostrar que a captação de leite em fevereiro não apresentou grandes variações em relação a janeiro. Os preços do leite spot (negociações entre as indústrias) se elevaram na primeira e segunda quinzenas de fevereiro. Em Minas, a média de aumento foi de 1,7%.

“Para março, é esperado que o mercado para o leite sustente a tendência de alta. Além da captação estar menor, o retorno às aulas e o número maior de dias úteis tendem a promover o aumento da demanda pelos lácteos”, disse Lara.

Regiões – No pagamento de fevereiro, referente à produção entregue em janeiro, foi registrado aumento em todas as regiões produtoras do Estado. No Triângulo e Alto Paranaíba, foi verificada a maior variação no preço médio líquido do leite, com o produto negociado a R$ 1,46, valorização de 5,95%.

Na Zona da Mata, o preço recebido pelo leite aumentou 3,11%, atingindo uma média de R$ 1,34. Alta de 3,09% foi vista na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), com a média encerrando fevereiro em R$ 1,40 por litro. No Sul e Sudoeste de Minas, a valorização foi de 2,88% e elevou para R$ 1,44 o preço médio do leite. Já no Vale do Rio Doce, o valor chegou a R$ 1,33, alta de 2,53%.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!