COTAÇÃO DE 02/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1650

VENDA: R$5,1650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1700

VENDA: R$5,3200

EURO

COMPRA: R$6,0990

VENDA: R$6,1002

OURO NY

U$1.813,45

OURO BM&F (g)

R$299,72 (g)

BOVESPA

+0,59

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Maior volume de recursos do PAP e Funcafé atende aos produtores

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/José Roberto Gomes

A redução dos juros e o maior volume de recursos disponibilizados no Plano Agrícola Pecuário (PAP) e no Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para o ano-safra 2020/21 agradaram o setor produtivo.

Além disso, o aumento do valor na subvenção ao Prêmio do Seguro Rural do PAP, em 30%, chegando a R$ 1,3 bilhão, é visto como essencial para atender um maior número de produtores rurais e permitir que, em caso de perdas, tenham o ressarcimento, o que garante a manutenção na produção. Os financiamentos poderão ser contratados a partir de 1º de julho de 2020 a 30 de junho de 2021.

PUBLICIDADE

Um desafio a ser superado ainda são as altas taxas cobradas pelas entidades financeiras que operacionalizam os recursos. As entidades representantes do setor rural, porém, estão em busca de soluções.

Para este ano-safra, os recursos do PAP serão de R$ 236,3 bilhões, um aumento de R$ 13,5 bilhões em relação ao plano anterior ou 6,1% superior. Já para o Funcafé, o valor será de R$ 5,7 bilhões, 17,2% maior.

De acordo com a coordenadora da assessoria técnica da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Aline Veloso, o Plano Safra anunciado pelo governo federal atendeu várias solicitações feitas pela Faemg em conjunto com demais federações do setor agropecuário e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

“Dentre os itens prioritários que foram conquistados está a redução das taxas de juros. Já estávamos acompanhando a queda da taxa Selic e entendemos que a aplicação da Selic não acontece, mas ela é uma referência, então um dos pedidos foi pela redução dos juros. Poderia ter vindo um redução maior, mas foi o conquistado e é positivo para o setor. Além disso, o valor disponível de recursos, tanto no PAP como no Funcafé, foi maior, o que também é um avanço positivo”, explicou.

Segundo os dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em relação ao Plano Agrícola e Pecuário, o financiamento pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) terá juros de 2,75% e 4% ao ano para custeio e comercialização. Na temporada anterior, as taxas eram de 3% e 4,6% ao ano.

No Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), as taxas de juros são de 5% ao ano (custeio e comercialização) ante tarifas de 6% no último Plano Safra. Para os grandes produtores, a taxa de juros será de 6% ao ano frente a 8% no ciclo anterior.

Já para o Funcafé, a taxa de juros passou para até 6%, sendo 3% para realimentação do fundo e flexibilidade entre 0% e 3% para spread bancário nas linhas de financiamento de Custeio, Comercialização, Recuperação de Cafezais, Financiamento para Aquisição de Café (FAC) e Capital de Giro para Cooperativas de Produção.

Para as linhas de FAC e Capital de Giro voltadas a outros mutuários, com exceção às cooperativas de produção, os juros foram reduzidos para até 7,5%, mantidos os 3% de realimentação do Funcafé e spread flexível de 0% a 4,5%. Anteriormente, os juros para cafeicultores e cooperativas de produção eram de até 7% e, para os demais mutuários, de até 9,5%.

Aline ressalta que a redução dos juros foi muito importante, assim como o aumento do valor para o Funcafé. Mas um dos maiores avanços essenciais para os produtores foi a antecipação do recurso, que antes acontecia entre final de julho e início de agosto. Este ano, os recursos poderão ser solicitados a partir de 1º de julho.

“A antecipação do acesso aos recursos atende à necessidade dos produtores para quitar custos com mão de obra e com o preparo do café. A safra começou a ser colhida em abril e, nesta temporada, temos mais exigências em relação aos trabalhadores e aos processos em função da pandemia do novo coronavírus. O acesso à linha de crédito de forma antecipada reduz necessidade de produtores venderem a produção imediatamente, podendo ter uma oportunidade melhor de organizar o fluxo e planejar as vendas no momento melhor de preços”.

Seguro – No PAP, outro ponto favorável para o produtor rural foi o aumento de 30% nos valores da subvenção ao Prêmio do Seguro Rural, que chegou a R$ 1,3 bilhão. O montante é o maior já disponibilizado desde a criação do seguro rural. No País, o valor deve possibilitar a contratação de 298 mil apólices, em um montante segurado da ordem de R$ 52 bilhões e cobertura de 21 milhões de hectares.

“O seguro rural é uma das principais pautas trabalhadas pelas entidades representantes do setor agrícola. Esta conquista é uma sinalização da importância da política agrícola. Quando o produtor tem o seguro, em caso de sinistro, cumprindo os requisitos, ele é ressarcido e consegue honrar com compromissos e manter a produção. Outra vantagem do recebimento do seguro, em caso de perdas, é que o produtor evita o processo de renegociação junto aos bancos, caso tenha financiamentos”, disse Aline Veloso.

Ainda segundo Aline, para os produtores de Minas Gerais, a Faemg desenvolve um trabalho de orientação e indicação para que eles possam contratar o seguro rural.

Fundo acerta contratos com 14 agentes

O Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) já assinou contratos com 14 dos 31 agentes financeiros habilitados a operacionalizar os recursos da safra 2020/2021. Os recursos disponibilizados com esses bancos e cooperativas de crédito representam R$ 2,65 bilhões do total do orçamento de R$ 5,7 bilhões para a temporada.

Foram destinados R$ 817 milhões para custeio, R$1,54 bilhão para comercialização (incluindo FAC), R$ 302 milhões para capital de giro e R$ 6 milhões para recuperação de cafezais.

Os recursos contratados já estão disponíveis para desembolso aos agentes financeiros.
A Resolução Bacen 4.827/2020 definiu as taxas de juros em 6% para custeio, comercialização e Financiamento para Aquisição de Café (FAC) para cooperativas e 7,5% para FAC para indústrias e capital de giro para operações contratadas a partir da próxima quarta-feira (1º de julho).

“O governo federal vem mantendo empenho em garantir apoio ao setor cafeeiro, especialmente nesse momento de pandemia com todas as implicações financeiras e sociais, com financiamento que reduza essas dificuldades”, salienta o diretor de Comercialização e Abastecimento da Secretaria de Política Agrícola, Sílvio Farnese. (Com informações do Mapa)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!