COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Medidas do CMN podem atenuar situação crítica da pecuária de leite

COMPARTILHE

Com custos produtivos crescentes e preço do leite em queda, medidas vêm para dar fôlego ao setor | Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

As medidas de apoio à pecuária de leite anunciadas na última semana pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) foram classificadas como positivas e importantes para ajudar os produtores a enfrentarem mais um período de crise.

Com os custos de produção elevados, principalmente devido ao encarecimento dos componentes da ração, e os preços em queda, a situação da pecuária leiteira é crítica e as medidas vêm para dar um fôlego ao produtor.

PUBLICIDADE

De acordo com o presidente da Comissão Técnica de Pecuária de Leite do Sistema da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Sistema Faemg), Eduardo Pena, o anúncio de medidas de auxílio à produção de leite é positivo e vem depois de o setor solicitar, em fevereiro, ajuda junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

“Todas as medidas anunciadas para o setor são benéficas e ajudarão os produtores a enfrentarem a crise. As nossas solicitações foram, em parte, atendidas. Mesmo não tendo todos os pedidos conquistados, esse diálogo aberto com a ministra Tereza Cristina é muito importante, assim como a disponibilidade para encontrar soluções”, explicou.

Dentre as medidas que foram anunciadas pelo CMN está a permissão para a contratação, até 30 de junho deste ano, com recursos obrigatórios, de Financiamento para Garantia de Preços ao Produtor (FGPP) para beneficiamento ou industrialização de leite.

O FGPP tem como beneficiários as indústrias e as cooperativas que utilizam o recurso para estocagem ou beneficiamento de produtos lácteos, ajudando a absorver o excedente de mercado. O limite de crédito é de até R$ 65 milhões, com taxa de juros de 6% ao ano e prazo de reembolso de até 240 dias.

“Está medida beneficia diretamente a indústria, mas também é importante para o produtor de leite. Esperamos que a indústria que se beneficie, de alguma forma, auxilie também o produtor rural”, disse Pena.

Outra importante medida foi a ampliação de um para dois anos do prazo de reembolso para contratação de crédito de custeio pecuário para retenção de matrizes bovinas de leite.

Com o preço do leite em queda, o custo em alta, o maior endividamento e os preços da arroba valorizados, muitos produtores estavam abatendo matrizes para se capitalizarem. Com o aumento do prazo, a expectativa é de que o pecuarista consiga manter os animais no campo.

“Com esse novo prazo, o pecuarista pode reter as matrizes no campo e enfrentar esse momento de crise. Desta forma, ele preserva a genética do rebanho e, quando o mercado reagir, terá condições de continuar produzindo”, explicou.

Agricultura familiar

Para os produtores da agricultura familiar, o CMN autorizou o financiamento de operações de investimento, na fonte Recursos Obrigatórios, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), o que pode resultar em até R$ 1,5 bilhão em recursos novos para essa finalidade. Também foi ampliado o prazo de crédito de curto prazo às agroindústrias familiares de um para dois anos em operações do Pronaf.

“Essa medida é fundamental por levar crédito ao produtor de menor escala. Com os recursos de R$ 1,5 bilhão, os produtores terão um novo fôlego. A inclusão de medidas para o produtor de menor escala é muito importante por eles serem a grande maioria. Em Minas Gerais, temos cerca de 225 mil produtores e 80% são de menor escala, somando em torno de  150 mil produtores”.

Importação de leite em pó preocupa

Um dos problemas mais graves enfrentados pelo setor produtivo do leite é a importação de leite em pó dos países do Mercosul, o que ficou fora das medidas anunciadas. De acordo com o presidente da Comissão Técnica de Pecuária de Leite do Sistema da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Sistema Faemg), Eduardo Pena, é preciso que algo seja feito.

“A importação de leite é muito grave. Não queremos fechar o mercado para esse produto, até porque pretendemos exportar também, mas é preciso, pelo menos, maior transparência em relação às operações. Na Argentina, por exemplo, é possível acessar os dados de importação e ter uma previsão da movimentação, o que não acontece no Brasil. Essa previsibilidade é muito importante para que o setor possa se planejar e evitar crises”, explicou.

Além da importação do leite, o que amplia a oferta no mercado interno e contribui para a desvalorização da produção local, os custos de produção continuam em alta. O aumento das exportações de soja e milho, principais componentes da ração, fez com que os preços disparassem, prejudicando a rentabilidade do setor leiteiro.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!