COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Safra mineira de grãos deve bater recorde

COMPARTILHE

Crédito: Jonas Oliveira

Com as condições climáticas favoráveis registradas até o momento, Minas Gerais caminha para mais uma safra recorde de grãos. De acordo com o 3º Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2019/20 divulgado, ontem, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a expectativa é de colher 14,3 milhões de toneladas de grãos, volume 0,7% superior à safra passada, que até então era o recorde estadual. Os destaques são a soja e o milho primeira safra.

De acordo com o levantamento, houve uma expansão de área em 1,2%, somando 3,49 milhões de hectares em produção. A produtividade média estimada, quatro toneladas por hectare, ficou praticamente estável, com pequena variação negativa de 0,6%.

PUBLICIDADE

“Em Minas Gerais houve um atraso das chuvas em outubro, o que atrasou o plantio. Porém, com a regularização das chuvas, o desenvolvimento da safra segue dentro do esperado”, explicou o gerente de levantamento e avaliação de safras da Conab, Fabiano Vasconcelos.

Soja – No Estado, o maior destaque em produção será a soja. A projeção é colher 5,4 milhões de toneladas, volume 6,6% maior que o registrado na safra anterior, quando Minas Gerais produziu 5 milhões de toneladas. A maior liquidez e a demanda forte fizeram com que a área dedicada à cultura crescesse 2%, com o uso de 1,6 milhão de hectares. O clima favorável e os pacotes tecnológicos utilizados vêm garantindo uma expansão de 4,5% na produtividade, que pode alcançar 3,3 toneladas por hectare.

“Como os produtores utilizam sementes precoces e super precoces, a expectativa é de que a colheita da soja, apesar do atraso no plantio, aconteça na época planejada, o que pode preservar a janela de plantio para a segunda safra e incentivar maiores investimentos no plantio do milho e do algodão, principalmente”, explicou Vasconcelos.

Na produção do milho é esperado incremento de 4,2%, com um volume de 4,78 milhões de toneladas na primeira safra. A produtividade, 6,3 toneladas por hectare, tende a crescer 2,9%. A área plantada está 1,3% maior e somando 758,4 milhões de hectares.

Para a segunda safra de milho, a Conab ainda não divulgou os números atualizados, mas, com a demanda maior do mercado chinês pelas carnes – que têm os grãos como insumo na ração animal – e os preços atrativos do milho, caso as condições climáticas sejam favoráveis, a tendência é de aumento do plantio no período.

“Na primeira safra não é possível dizer que o aumento da produção está ligado a maior demanda pelas carnes, mas, para a segunda safra, caso as condições de clima e preços estejam favoráveis, pode haver um incremento na produção”, explicou Vasconcelos.

Destaque também para a produção de feijão primeira safra. De acordo com a Conab, a expectativa é de uma produção 22% superior, com a colheita de 193,2 mil toneladas. Neste período produtivo, a área plantada ficou em 153,5 mil hectares, expansão de 2,3% frente ao mesmo período do ano-safra anterior. A produtividade média das lavouras tende a crescer 19,2%, com a colheita por hectare estimada em 1,2 tonelada.

“No ano passado, a primeira safra de feijão em Minas Gerais foi muito prejudicada pela falta de chuvas. Até o momento, o regime pluviométrico vem sendo favorável e, por isso, há uma recuperação da produtividade em relação à mesma safra do ano anterior”.

Algodão em baixa – Já para o algodão, a previsão é de queda. Minas deve colher 155,8 mil toneladas de algodão em caroço, retração de 7,6%. A área destinada à produção é de 39,8 mil hectares, espaço 5,2% menor. Na produtividade média, a tendência é de recuo de 2,6%, com o rendimento de 3,9 toneladas por hectare.

Projeção para o País também é de avanço

A terceira estimativa da safra 2019/20 de grãos sinaliza para uma produção de 246,6 milhões de toneladas, com aumento de 1,9%, equivalente a 4,6 milhões de toneladas sobre a safra 2018/19. Os números que registram novo recorde da série histórica foram divulgados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) ontem.

A área semeada mantém a expectativa positiva de crescimento superior à safra passada, com variação de 1,5%, alcançando 64,2 milhões de hectares. É bom lembrar que as culturas de segunda e terceira safras, além das de inverno, terão seus indicativos atualizados mais adiante, perto do período de cultivo.

Para a soja, há tendência de crescimento de 2,6% na área plantada em relação à safra passada e a estimativa aponta também para uma produção de 121,1 milhões de toneladas. As chuvas irregulares registradas no início do ciclo, em estados da região Centro-Oeste e Sudeste, por exemplo, apresentaram melhoras a partir do mês de novembro, o que favoreceu o avanço das operações de plantio. Já no Matopiba, que engloba Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, as mudanças climáticas interferiram na evolução da semeadura, mas a perspectiva é de que o plantio seja realizado dentro do calendário próprio para a região.

O milho primeira safra, que tem crescimento de área de 1,2% e totalização de 4,2 milhões de hectares, continua perdendo espaço para a soja neste período. Nesta primeira fase, a estimativa de produção é de 26,3 milhões de toneladas. Com a colheita da soja, a partir de janeiro, inicia-se a semeadura da segunda safra de milho, que representa 72% da produção total do cereal no País.

A área do algodão, que apresentou grandes aumentos nas últimas duas safras, registra agora um acréscimo de 1,6%, devendo situar-se em 1,6 milhão de hectares. A produção estimada do algodão em caroço é de 6,8 milhões de toneladas e a da pluma, de 2,7 milhões de toneladas, similares, portanto, à da safra anterior.

Já para o feijão primeira safra, a estimativa é de redução de 1,3% na área em comparação com a temporada passada. A cultura também perde espaço para a soja e o milho, que apresentam melhor rentabilidade. Também o trigo, que já está com 97% da produção colhida, deve alcançar 5,2 milhões de toneladas e redução de 3,9% em relação a 2018. (Com informações da Conab)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!