Empresa terá 2 produtos: café torrado e moído tradicional e extraforte - Crédito: Marcos Santos/ USP Imagens

Conhecida pela produção de atomatados, vegetais, condimentos e goiabadas, a Minas Mais – empresa do Grupo Predilecta – sediada em Patos de Minas, no Alto Paranaíba, entra agora no mercado de cafés, com o lançamento de dois produtos: café torrado e moído tradicional e café torrado e moído extraforte.

A escolha, segundo o diretor de marketing da Minas Mais, Kleber Mendonça, vem da necessidade de a empresa dar a largada a um plano de expansão que contempla os próximos dois anos. O café foi escolhido por ser um produto tido como uma das “caras” de Minas. O lançamento foi realizado durante a Superminas Food Show, que aconteceu na semana passada, na Capital.

“A Minas Mais passa por uma modernização da sua apresentação, inclusive, como uma nova logomarca. Aproveitamos esse movimento para anunciar uma nova vertente de negócios: o café. Não somos uma produtora, estabelecemos parcerias com dez das maiores torrefações do Estado, criando todo um protocolo de qualidade condizente com o nosso propósito”, explica Mendonça.

Mercado atrativo – O mercado brasileiro de café é extremamente competitivo. De acordo com dados da Pesquisa do Consumo de Café no Brasil, realizada e divulgada no início do ano pela Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), o consumo de café em nível mundial foi estimado em 165 milhões de sacas de 60kg em um período seguido de doze meses. E, no Brasil, maior produtor e exportador de café, o consumo foi calculado em 21 milhões de sacas anuais, número que representa em torno de 13% da demanda mundial. Com essa performance, o Brasil se mantém em segundo lugar no consumo, atrás dos Estados Unidos, com 14% do que é bebido de café no planeta.

Os dados do consumo interno dos Cafés do Brasil demonstram um crescimento de 4,8%, entre novembro de 2017 e outubro de 2018, em comparação com o mesmo período anterior. O consumo de cafés em pó atingiu 81% e cafés expressos e em cápsulas 19% do total da demanda nacional. O estudo sinaliza, ainda, que o consumo interno deverá continuar com tendência de crescimento contínuo até 2021, em uma taxa média estimada em 3,5% ao ano, em decorrência da retomada econômica e de mudanças de hábitos de consumo do café pela população brasileira, fatores que têm impulsionado a demanda pelo produto.

A expectativa é de que, no médio prazo, o café seja a terceira categoria mais importante dentro dos negócios da empresa, respondendo por 10% do faturamento.

“É certo que o mercado brasileiro é extremamente desejado pelas empresas e competitivo, porém apostamos na performance da Minas Mais. Em todos os segmentos que estamos conseguindo nos estabelecer rapidamente, estamos alcançando estratos de liderança. O café foi muito bem recebido pelos nossos parceiros por esse motivo. Até por isso decidimos fazer o lançamento na Superminas, para valorizar o setor supermercadista, afinal é através dele que chegamos ao consumidor”, analisa o diretor de marketing da Minas Mais.