Entre tecnologias divulgadas estão a formação ou a renovação de pastagens degradadas em sistema ILP | Crédito: Divulgação/Seapa

Produtores rurais do Semiárido mineiro estão sendo beneficiados com o acesso a novas tecnologias para o desenvolvimento da agropecuária. Uma parceria entre instituições como a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), a Embrapa Milho e Sorgo e a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), viabilizou a implantação de unidades demonstrativas em 13 municípios.

As unidades servem para a divulgação de tecnologias, como formação ou a renovação de pastagens degradadas em sistema Integração Lavoura e Pecuária, capineiras e o uso dos bioinsumos nos sistemas agropecuários. Cada unidade, instalada na propriedade de um produtor, acaba beneficiando outros produtores.

“Os resultados mostraram que as tecnologias podem ser replicadas para outras propriedades, sendo que este é um dos objetivos do trabalho. Os relatos dos produtores mostram a sua satisfação com as ações. Eles se dispuseram a dar continuidade aos trabalhos e colocaram as propriedades à disposição para novas ações”, afirma o analista e engenheiro agrônomo da Embrapa, Fredson Ferreira Chaves.

Em 2019, foi implantada a unidade demonstrativa da propriedade de Rogério Júnior Francisco dos Santos, no município de Bandeira. O espaço tem cerca de 20 hectares e é destinado à pecuária leiteira.

Benefícios – De acordo com o pecuarista, a produtividade do seu rebanho era baixa. Isso mudou com a utilização de novas tecnologias. “Conseguimos melhorar a produção de leite e o bem-estar dos animais. Foi de grande importância para mim em aprendizado”, diz Santos.

Na propriedade, foram construídas bacias de captação de águas de chuva para contenção de enxurradas, formação de pastagens e capineira com a variedade BRS Capiaçu. “A propriedade está localizada em uma região onde os produtores sofrem com a falta de forragens para seu rebanho e por falta de alimentação no período da seca. A formação e ampliação da capineira tem como função suprir a necessidade de forragem. A formação de pastagens, com capim-paiaguásfoi devido a esta cultivar ser tolerante à escassez hídrica e apresentar boas características nutricionais”, relata o coordenador regional de Bovinocultura da Emater-MG, Robspierre Ferraz.

O produtor recebeu orientações dos técnicos da Emater-MG e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) para melhorar o desempenho da sua atividade. Foram dicas sobre o dimensionamento de cochos, tratamento e sanidade animal, entre outras. “A propriedade do Rogério é uma referência na região. Para divulgar essas intervenções, a gente convida produtores da região para estarem visitando a propriedade”, diz Mateus Barros Queiroz, extensionista da Emater-MG em Bandeira. (Com informações da Emater-MG)

Adoção de boas práticas agrícolas norteia projeto

A implantação das unidades demonstrativas faz parte de um projeto para a socialização do conhecimento em sistemas integrados de produção agropecuária, nos vales do Médio Jequitinhonha, Baixo Jequitinhonha e Alto Rio Pardo. A iniciativa reúne esforços da Embrapa Milho e Sorgo, Anater, Emater-MG – empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) -, Senar, Epamig, Sebrae, Instituto Federal de Educação Tecnológica de Almenara, Escola Família Agrícola de Araçuaí, prefeituras e associações regionais de municípios. Os recursos são provenientes da Anater e das associações regionais de municípios.

“O objetivo é incentivar a adoção dos princípios de boas práticas agrícolas. Assim, busca-se reduzir o impacto da variação sazonal na oferta de alimento volumoso em decorrência da estação seca na região semiárida mineira”, explica o analista e engenheiro agrônomo da Embrapa, Fredson Ferreira Chaves.

Um termo de cooperação técnica foi assinado entre a Emater-MG e a Embrapa Milho e Sorgo para que a empresa mineira seja a responsável pela assistência técnica nas unidades demonstrativas.

“Sem uma assistência técnica permanente, não é possível introduzir novas tecnologias, em especial, no Semiárido mineiro, onde as dificuldades são maiores por motivo da adversidade climática”, diz o coordenador estadual da Emater-MG, Antônio Quaresma.

Ele ressalta que a parceria “pesquisa/extensão” é fundamental para o desenvolvimento rural sustentável para evitar que “ocorra a degradação do meio ambiente, o enfraquecimento econômico e a desagregação social nas regiões produtoras”.

“A implantação, em cada propriedade, foi feita a partir de uma ação de comunicação e extensão, com envolvimento do produtor e equipe técnica. Isso é primordial para o sucesso e o alcance dos resultados”, conclui o analista da Embrapa. (Com informações da Emater-MG)