COTAÇÃO DE 04/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4300

VENDA: R$5,4310

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4170

VENDA: R$5,5930

EURO

COMPRA: R$6,5464

VENDA: R$6,5493

OURO NY

U$1.779,24

OURO BM&F (g)

R$311,42 (g)

BOVESPA

-1,26

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Conab estima novo recorde na safra mineira de grãos

COMPARTILHE

A produção de soja mineira está estimada em 6,7 milhões de toneladas, volume 8,7% maior | Crédito: Camila Domingues/Palácio Piratini

Minas Gerais deverá registrar mais uma safra recorde de grãos. A perspectiva é colher, na safra 2020/21, cerca de 16,1 milhões de toneladas, volume que, se alcançado, será 5% maior que o anterior, que representa o recorde atual do Estado.

Os preços rentáveis e a demanda aquecida por importantes grãos, como a soja e o milho, por exemplo, estimularam o plantio. Os dados são do 5º Levantamento da Safra de Grãos 2020/21, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). 

PUBLICIDADE

De acordo com o levantamento, a área plantada no Estado é de 3,69 milhões de hectares, expansão de 5,6% frente à safra passada. Com o atraso das chuvas e um período de escassez hídrica, principalmente entre setembro e novembro, a previsão é de queda de 0,6% na produtividade, com uma média produtiva de 4,3 toneladas por hectare. 

Dentre os grãos cultivados no Estado, a soja é o destaque. A produção da oleaginosa está estimada em 6,7 milhões de toneladas, volume 8,7% maior que o colhido anteriormente e que é o atual recorde produtivo. A área destinada à soja é de 1,8 milhão de hectares, representando um aumento de 10,6%. A ampliação da área de cultivo foi estimulada pelos preços elevados e a demanda aquecida no mercado do grão. 

A falta de chuvas atrasou o plantio da soja e impactou no início do desenvolvimento, por isso, é esperada queda de 1,8% na produtividade média, que foi estimada em 3,68 toneladas por hectare. 

O gerente de acompanhamento de Safras da Conab, Maurício Lopes, explica que, nos últimos anos, o plantio de soja vem ganhando cada vez mais espaço. “A produção de soja vem avançando no aumento da área e da produção devido a maior liquidez e valor no mercado. A produtividade da soja também, em média, vem crescendo constantemente. Para este ano, não é esperada produtividade recorde porque tivemos alguns problemas climáticos e atrasos no plantio e, isso, consequentemente, tende a impactar a produtividade. Porém, com aumento de área, é esperado aumento da produção no ciclo atual”. 

Milho – Os preços do milho também valorizados incentivaram o plantio na primeira safra. Conforme os dados da Conab, é esperada uma colheita de 4,8 milhões de toneladas, incremento de 4,3% sobre a safra 2019/20. A área de cultivo está 2,2% maior, com o uso de 736,2 mil hectares. A produtividade das lavouras tende a crescer 2,1% e é estimado um rendimento médio de 6,6 toneladas por hectare. 

Para a segunda safra de milho, os dados preliminares apontam para uma alta. A produção deve crescer 2,8%, chegando a 2,9 milhões de toneladas. Caso as projeções se concretizem, na safra 2020/21, Minas Gerais vai colher 7,8 milhões de toneladas de milho, um avanço de 3,8%.

“A safra segue com tendência de crescimento, devido aos preços remuneradores. A área, no segundo ciclo, também tende a crescer. A semeadura terá atraso porque a colheita da soja atrasou, e o milho, por ser cultura de sucessão, será afetado”, explicou Lopes. 

Feijão – A perspectiva também é positiva para a produção de feijão. A produção tende a subir 8,4% na primeira safra, com a colheita estimada em 210 mil toneladas. A área de plantio foi ampliada em 6,3%, somando 154,7 mil hectares. O aumento se deve aos preços valorizados do grão no mercado. A produtividade, 1,3 tonelada por hectare, está 2% maior. 

“Atualmente o feijão primeira safra já está em fase final de colheita. Minas Gerais é um dos maiores produtores de feijão na primeira safra e registrou problemas durante a colheita com a maior incidência de chuvas”, disse Lopes.

A estimativa inicial para a segunda safra de feijão, em Minas, é de queda de 1,5% no volume a ser colhido, que pode chegar a 172 mil toneladas. 

Ao contrário das demais culturas, a produção mineira de algodão deve recuar na safra atual. A estimativa aponta para um volume 11,1% menor, com a colheita de 143,3 mil toneladas de algodão em caroço.

A concorrência com outros grãos, como a soja e milho, por exemplo, fez com que a área em produção recuasse 8,1%, com o plantio ocupando 35 mil hectares. A produtividade esperada é de 4 toneladas por hectare, 3,2% menor. A produção de algodão em pluma será de 57,3 mil toneladas, redução de 11,2%.

Brasil pode ter avanço de 4,4%

Para a produção nacional, o 5º Levantamento da Safra de Grãos 2020/21 apontou para um crescimento de 4,4%, com o volume podendo alcançar 268,3 milhões de toneladas ou 11,4 milhões de toneladas a mais do que o obtido em 2019/20. Em relação à área total plantada, estimada em 67,6 milhões de hectares, houve um avanço de 2,7% frente à safra anterior. 

“O que temos de extraordinário nesta safra é um aumento de 4,4% na produção, enquanto a área cresce 2,7%. Ou seja, nós estamos crescendo na produção pelo aumento da produtividade. Quando crescemos em produtividade, estamos ampliando a eficiência, e a agricultura brasileira está se tornando mais sustentável”, disse o diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Sergio De Zen. 

De acordo com os dados da Conab, a produção de milho na primeira safra apresentou uma redução de 0,8% na área cultivada, 4,2 milhões de hectares. A produção esperada é de 23,6 milhões de toneladas, queda de 8%. Somando-se a segunda e a terceira safras, a produção total no País poderá atingir 105,4 milhões de toneladas, 2,9% superior à obtida em 2019/20. A queda na primeira safra se deve à redução de área e a problemas climáticos, como a falta de chuvas. 

A soja vem mantendo a tendência de crescimento na área cultivada. Nesta safra, a estimativa aponta para uma área de 38,2 milhões de hectares, alta de 3,6% em relação ao ciclo passado, e uma produção de 133,8 milhões de toneladas, elevação de 7,2%. 

A produção de feijão na primeira safra está estimada em 1,03 milhão de toneladas, volume 6,5% menor. Quando somadas as três safras, a produção passa para 3,25 milhões de toneladas, variação positiva de apenas 0,9% frente à safra anterior.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!