COTAÇÃO DE 04/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4300

VENDA: R$5,4310

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4170

VENDA: R$5,5930

EURO

COMPRA: R$6,5464

VENDA: R$6,5493

OURO NY

U$1.779,24

OURO BM&F (g)

R$311,42 (g)

BOVESPA

-1,26

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Cotonicultura cresce com estímulo de desoneração do Proalminas

COMPARTILHE

A produtividade da cultura de algodão chegou a 4 toneladas por hectare em Minas | Foto: Alan Santos/PR

O Programa Mineiro de Incentivo à Cultura do Algodão (Proalminas) foi criado para fomentar toda a cadeia produtiva da cotonicultura e levar melhor renda ao campo. Com acordos que preveem um adicional de 7,852% nos preços de mercado pagos aos produtores, investimentos em pesquisas e benefícios fiscais para a indústria, a produção foi estimulada no Estado. 

Segundo estudo feito pela Fundação João Pinheiro (FJP), com um custo de R$ 1,3 bilhão de desoneração fiscal concedida de 2004 a 2018, o impacto adicional do Proalminas na produção do algodão, no mesmo período, foi de R$ 1,5 bilhão.

PUBLICIDADE

De acordo com a secretária de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Maria Soares Valentini, as ações do Proalminas foram iniciadas em 2003, com objetivo de fomentar toda a cadeia da cotonicultura de Minas Gerais. O programa tem normas que garantem benefícios para o setor industrial e também para os produtores rurais.

Além disso, é coordenado pela parceria entre a Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e suas vinculadas com a Associação Mineira dos Produtores de Algodão (Amipa).

“É importante observar que a indústria têxtil assume o compromisso de comprar uma cota do algodão produzido e beneficiado no território mineiro, garantido a comercialização do produto. O programa garante o pagamento dos preços de mercado com adicional de 7,85% no valor. Por sua vez, os cotonicultores devem fornecer o produto com certificado de origem e qualidade emitido pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)”, explicou Ana Maria.

O estudo da FJP mostrou também que a estruturação promovida pelo Proalminas fez com que a produtividade da cultura crescesse 89% no Estado, gerando maior eficiência e competitividade para o algodão. Prova disso é que nas safras de 2002/2003 a 2019/2020, a produtividade na lavoura passou de 2,5 toneladas por hectare para 4 toneladas por hectare.

Também houve aumento na qualidade da pluma, o que pode ser comprovado pela queda na proporção de amostras fora do padrão, que caiu de 12% na safra 2010/2011 para 0,4% na safra 2018/2019. Já o Valor Bruto de Produção adicional ficou em R$ 80 milhões, entre 2007 e 2012.

Indústria 

Ainda segundo a secretária Ana Maria, o programa também estimula a indústria têxtil, com o governo assegurando a desoneração fiscal, junto da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF), por meio da isenção de 41,6% do crédito presumido do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao adquirir o algodão certificado dos produtores mineiros.

“Através do benefício fiscal, as indústrias mineiras destinam 1,5% dos recursos ao Fundo de Desenvolvimento da Cotonicultura, que é o Algominas. Com os recursos do Fundo são desenvolvidas ações de incentivo à produção, organização, comercialização, pesquisa e promoção da cotonicultura”.

Em relação aos benefícios gerados com os investimentos no Proalminas, no caso da indústria têxtil, a massa salarial adicional foi de R$ 92 milhões. Entre 2007 e 2018, a indústria foi responsável por 51,5 mil empregos. Além disso, foram arrecadados em ICMS, R$ 80 milhões, enquanto o Valor Transformação Industrial adicional chegou a R$ 258 milhões, entre 2004 e 2018.

Fiemg

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, ressaltou que as ações do programa promoveram o aumento da produtividade das lavouras em Minas, tornando uma das maiores do mundo, e também a qualidade, que é diferenciada.

“Com isso, conseguimos manter as indústrias no Estado, gerando empregos, renda e impostos. O programa deveria ser copiado para outros setores. O acordo permitiu a integração entre produtor e a indústria, o que é muito importante”, disse Roscoe.

O pesquisador da FJP, Cláudio Burian, também ressaltou a importância do programa. Sem o Prolaminas, a produção de algodão seria entre 48% e 58% menor do que a produção real. Isso equivale a um acréscimo de 621 mil toneladas entre 2004 e 2018, ou 41 mil toneladas ao ano.

Desde a implantação do programa e o incremento tecnológico promovido, a área de cultivo cresceu apenas 21%, enquanto a produção de pluma avançou 129%, o que mostra o avanço da produção através do maior rendimento por hectare.

“Podemos dizer, através dos estudos feitos, que cerca de 50% da produção de algodão em Minas Gerais é relacionada ao Proalminas. O que é bastante curioso e relevante”, disse Burian. 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!