Crédito: ANPr

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP), que mede o faturamento da atividade “dentro da porteira”, deve alcançar, em Minas Gerais, a receita de R$ 76,7 bilhões em 2020, valor 18,1% maior do que o registrado em 2019, segundo os dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O resultado será puxado pela safra recorde de grãos, pela safra maior de café e pela alta de preços neste ano, com cálculos baseados em dados disponíveis até junho.

Para a agricultura, a projeção é de uma alta de 20,7% em 2020 na comparação com o ano passado, com faturamento bruto de R$ 49,36 bilhões. Este comportamento reflete principalmente a maior produção e valorização de preços, com destaque para a soja, milho e café.

Café – Principal produto da agricultura mineira, o café terá uma safra maior e os preços seguem mais valorizados em relação ao ano passado. Com isso, a estimativa é de um VBP de R$ 17,56 bilhões, aumento de 52,8% frente a 2019.

Neste ano, a produção de café em Minas Gerais, segundo os dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), deve somar 30,7 milhões de sacas a 32 milhões de sacas. Os números representam incremento entre 25,1% e 30,7%, respectivamente, em relação à temporada anterior.

Somente o faturamento bruto do café arábica foi estimado em R$ 17,4 bilhões, o que representa um avanço de 53,3% sobre 2019. Para o café conilon, a previsão é de um VBP de R$ 95,8 milhões, aumento de 1,24%.

A estimativa é de que o VBP da soja some R$ 8,95 bilhões em 2020, o que, se alcançado, será 28,45% maior que o registrado no ano passado. Neste ano, o Estado colheu 5,98 milhões de toneladas da oleaginosa, avanço de 18% frente as 5 milhões de toneladas colhidas na safra passada.

Para o milho, foi estimado aumento de 25,2% no VBP, que deve encerrar 2020 em R$ 6 bilhões. A produção de milho deve chegar a um total de 7,4 milhões de toneladas, retração de 0,8% frente à safra 2018/19.

O faturamento bruto da produção de feijão está estimado em R$ 2,2 bilhões, variação positiva de 6,4%. Resultado positivo também é esperado no amendoim, com VBP estimado em R$ 36,3 milhões, 62% a mais. O faturamento do arroz, R$ 10,6 milhões, está 4,49% superior.

A cana-de-açúcar apresenta projeção negativa em relação ao faturamento bruto para 2020. A estimativa é de um VBP de R$ 6,99 bilhões, queda de 3,45%.

No caso do algodão, a tendência é de uma retração de 6,8% no faturamento da produção, que deve alcançar R$ 1,08 bilhão. A cultura da banana foi estimada em R$ 1,7 bilhão, valor 3,7% menor.

Queda também é esperada na produção de batata inglesa, com VBP estimado em R$ 2,45 bilhões, menor em 15,8%. Para a laranja, foi projetado recuo de 5,8% no VBP de 2020, com R$ 497,3 milhões de faturamento.

Pecuária – Assim como na agricultura, o faturamento bruto da pecuária de Minas Gerais, em 2020, com base nos dados coletados até junho, deve crescer. A estimativa é de um VBP de R$ 27,37 bilhões, valor 13,5% superior aos R$ 24,1 bilhões registrados em 2019.

Dentre os produtos, a maior alta vem sendo registrada na produção de bovinos. A projeção é de um faturamento 16% superior, chegando a R$ 9,2 bilhões. A produção de ovos apresentou alta de 15,77% no faturamento, que está estimado em R$ 1,35 bilhão.

Já a receita bruta da produção de leite deve recuar 2,83%, somando R$ 9,57 bilhões. Em frango, foi estimada queda de 5,78% e faturamento de R$ 4,85 bilhões. A produção de suínos deve movimentar R$ 2,38 bilhões; a variação em relação ao ano passado não foi calculada.