COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Desembolsos do crédito rural para MG crescem 11%

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

Os recursos do crédito rural liberados para Minas Gerais seguem em alta. De julho de 2020 a fevereiro de 2021, já foram desembolsados R$ 19,19 bilhões, valor que está 11% superior ao registrado em igual período do ano anterior, quando as aprovações somaram R$ 17,27 bilhões. Com o volume liberado até o momento, o Estado responde por 13% do volume nacional, que está em R$ 147,06 bilhões, desembolso 18% superior no País na mesma base de comparação.

Segundo os dados da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), a linha de custeio tem apresentado a maior demanda, com um valor já desembolsado de R$ 10,53 bilhões, aumento de 10% – sempre em relação a igual período anterior.

PUBLICIDADE

Ao todo, nos oito primeiros meses da safra 2020/21, foram aprovados 161.152 contratos para Minas Gerais, volume 3% maior que o registrado no mesmo período da safra passada, que era de 156.659 liberações.

Para a agricultura mineira, foram destinados R$ 12,54 bilhões entre julho de 2020 e fevereiro de 2021, valor 10% superior frente ao crédito de R$ 11,41 bilhões registrado anteriormente. O número de contratos aprovados somou 65.625, 1% menor que o registrado no mesmo período da safra passada.

Para a pecuária, os desembolsos totais já somam R$ 6,65 bilhões e estão 13% maiores. A aprovação de contratos cresceu 6%, somando 95.527 liberações.

Linhas de crédito rural

Dentre as linhas do crédito rural, o maior volume de recursos é destinado à linha de custeio, recurso que é usado para cobrir as despesas normais dos ciclos produtivos.

Em Minas, os desembolsos dessa linha já somam R$ 10,53 bilhões e estão 10% maiores que os R$ 9,61 bilhões registrados em igual período do ano safra anterior. Ao todo, foram aprovados 65.290 contratos, queda de 3%.

Dos recursos demandados da linha de custeio, para a agricultura, foi verificada elevação de 3%, aumentando os desembolsos para R$ 6,88 bilhões. A aprovação de pedidos chegou a 37.141 contratos, 9% menor.

Das culturas que receberam recursos do crédito rural, em fevereiro, o destaque foi o café. Os desembolsos para custeio da safra do grão somaram R$ 148,24 milhões. Para a produção do alho foram desembolsados R$ 54,83 milhões, seguido pela soja, com o valor de R$ 45,51 milhões, milho, com R$ 39,55 milhões e laranja, R$ 15,91 milhões. 

Na pecuária foi registrado aumento de 24% na busca pelos recursos da linha de custeio. Nos primeiros oito meses da safra 2020/21, o setor foi responsável pelo desembolso de R$ 3,65 bilhões em recursos para custeio da produção. Foram aprovados 28.149 contratos, volume 5% maior.

A maior demanda, em fevereiro, foi registrada na produção de bovinos. Os desembolsos somaram R$ 448,66 milhões. Para suínos foram liberados R$ 19,97 milhões. A avicultura ficou demandou R$ 20,81 milhões.

Na outra ponta, linhas de comercialização registram queda | Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

Investimentos e comercialização 

Durante os oito primeiros meses da safra 2020/21, os desembolsos para a linha de investimento também ficaram maiores. Ao todo, já foram desembolsados para o Estado R$ 5,51 bilhões, alta de 32% se comparado com os R$ 4,17 bilhões registrados anteriormente.

Do total, R$ 3,05 bilhões foram para investimentos na agricultura, valor 45% maior. Foram aprovados na agricultura 27.497 pedidos de crédito, avanço de 14%.

A pecuária tomou R$ 2,46 bilhões na modalidade de investimento, demanda que ficou 19% maior que os R$ 2,07 bilhões liberados nos primeiros oito meses da safra 2019/20. A aprovação de contratos cresceu 7% e encerrou em 67.052 unidades.

Já na linha de comercialização, em Minas Gerais, ao longo dos primeiros oito meses da safra 2020/21, houve queda de 13% na demanda, frente ao mesmo período da safra passada. No intervalo, os desembolsos somaram R$ 2,48 bilhões.

Do total, para a agricultura as liberações ficaram 2% menores e alcançaram R$ 2,13 bilhões. Foram aprovados 913 contatos, variação negativa de 34%. Na pecuária a demanda pelos recursos da linha de comercialização recuou 46% e encerrou o período em R$ 350 milhões. A retração na liberação de contratos foi de 52%, somando 298 pedidos aprovados.

Principais linhas do Crédito Rural
• Custeio: para cobrir as despesas normais dos ciclos produtivos
• Investimento: aplicados em bens ou serviços duráveis, cujos benefícios repercutem durante muitos anos
• Comercialização: asseguram ao produtor rural e a suas cooperativas os recursos necessários à adoção de mecanismos que garantam o abastecimento. O recurso também é importante para o armazenamento da colheita nos períodos de queda de preços.
Fonte: Seapa
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!