DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Safra de trigo no País tem potencial de bater 7 milhões de t neste ano

COMPARTILHE

Último recorde de produção de trigo registrado pela Conab ocorreu em 2016, com 6,7 milhões de t | Crédito: Pascal Rossignol/ Reuters

São Paulo – A safra brasileira de trigo tem potencial para superar 7 milhões de toneladas neste ano e atingir um recorde, caso as condições climáticas permaneçam favoráveis até a colheita, um alento aos moinhos, que têm chance de reduzir parte das importações em 2021.

Analistas e representantes do setor ouvidos pela Reuters disseram que o alto nível de capitalização do agricultor adquirido com a venda da soja de verão contribuiu para elevar investimentos no plantio e produtividade do trigo, cereal que também está com preços atrativos devido ao câmbio.

PUBLICIDADE

Com a colheita próxima de começar no Sudeste e no Sul do País, um dos maiores importadores globais do cereal, levantamento da consultoria Trigo & Farinhas indica que a produção nacional do cereal pode chegar a 7,34 milhões de toneladas.

A previsão supera em pouco mais de 1 milhão de toneladas a projeção da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que espera por 6,31 milhões de toneladas em 2020. No ano anterior, o Brasil colheu 5,15 milhões de toneladas, após adversidades climáticas.

Até o momento, o recorde registrado pela estatal ocorreu na temporada de 2016, quando o País produziu 6,7 milhões de toneladas de trigo, segundo a Conab. Antes disso, o patamar mais elevado foi visto somente em 1987, com colheita de 6,13 milhões.

Apesar de não apontar uma estimativa, a consultoria StoneX compartilha da percepção de que um novo recorde pode ser alcançado nesta safra. “Existe a possibilidade de a produção de trigo no Brasil atingir 7 milhões de toneladas e até mesmo passar. Realmente temos visto este potencial”, disse a analista da StoneX Ana Luiza Lodi.

Ela afirmou que ainda não foi identificada nenhuma ameaça significativa às lavouras, tanto em termos de clima quanto de pragas e doenças.

Os trabalhos de colheita no Paraná, maior produtor brasileiro, vão começar em agosto e se intensificar em setembro.

Em um cenário mais cauteloso, no entanto, a consultoria Safras & Mercado mantém a estimativa de produção nacional do cereal em 6,6 milhões de toneladas. “Produtores estão otimistas, mas com produtividades, segundo nosso levantamento, dentro da expectativa e cautela com possibilidade de algumas perdas no processo”, afirmou o analista da Safras Jonathan Staudt.

Entre os fatores que podem pesar para a lavoura nacional estão o excesso de chuva na colheita, que vez ou outra reduz a qualidade do produto, ou mesmo alguma geada.

Importações e Mercosul – Ana Luiza, da StoneX, disse que a queda nas importações de trigo tende a ser proporcional ao aumento na produção nacional, principalmente mediante um patamar de câmbio elevado, o que afetaria principalmente a Argentina, principal fornecedor do produto adquirido pelos brasileiros.

Já o diretor da Trigo & Farinhas, Luiz Carlos Pacheco, calcula que as compras externas poderiam baixar dos atuais 7,3 milhões de toneladas para a faixa entre 6,32 milhões e 5,66 milhões de toneladas.

No Mercosul, Pacheco acredita que a produção do cereal da Argentina, maior produtora da região, pode crescer 9,04%, para 20,5 milhões de toneladas, mesmo com algumas áreas afetadas pela seca. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!