COTAÇÃO DE 29/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6090

VENDA: R$5,6100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6470

VENDA: R$5,7730

EURO

COMPRA: R$6,3216

VENDA: R$6,3229

OURO NY

U$1.783,43

OURO BM&F (g)

R$322,48 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio
Créditos: Divulgação

Minas Gerais deve colher 13,35 milhões de toneladas de grãos na safra 2018/2019. De acordo com dados do 7º Levantamento da Safra Brasileira de Grãos, divulgado ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o volume previsto para Minas Gerais está 5,8% menor frente ao recorde produtivo registrado na safra anterior, quando o Estado foi responsável pela colheita de 14,1 milhões de toneladas de grãos.

A queda está atrelada às variações climáticas, como chuvas irregulares e altas temperaturas em algumas regiões. Neste ano safra, haverá crescimento na produção de algodão e queda nas culturas da soja e do milho.

PUBLICIDADE

No período produtivo 2018/19, a área de plantio no Estado foi ampliada em 1,4%, somando 3,39 milhões de hectares. O rendimento médio das lavouras pode alcançar 3,93 toneladas por hectare, uma queda de 7,1%. A falta de chuvas justifica a retração.

Algodão – Dentre os produtos, destaque positivo para o algodão. Com demanda aquecida e preços rentáveis, os investimentos no plantio do algodão foram ampliados em Minas Gerais. Na safra 2018/19, a previsão é colher 52,2% a mais do produto, o que deverá render 151 mil toneladas de algodão em caroço.

A área destinada ao cultivo cresceu 57,6%, somando 39,4 mil hectares. A estimativa é de uma redução de 3,4% na produtividade, com rendimento médio esperado de 3,8 toneladas por hectare.

A produção de algodão em pluma foi estimada em 60,4 mil toneladas, alta de 52,1%. A produtividade caiu 3,4% com a colheita de 1,5 tonelada por hectare. A produção de caroço de algodão será de 90,6 toneladas, aumento de 52,3%. O rendimento médio estimado é de 2,29 toneladas por hectare, retração de 3,4%.

Assim como nos anos anteriores, a área dedicada ao cultivo da soja foi novamente ampliada. Na safra 2018/19 foram destinados 1,57 milhão de hectares para o cultivo da oleaginosa, variação positiva de 4,4% frente à safra 2017/18.

Devido às condições climáticas desfavoráveis, a produtividade caiu 12,4%, com rendimento médio por hectare estimado em 3,2 toneladas. A expectativa é colher 5 milhões de toneladas de soja, o que, se alcançado, ficará 6,5% maior.

De acordo com o superintendente de Informações do Agronegócio da Conab, Cleverton Santana, o aumento da área de soja em áreas antes dedicadas ao milho e a outras culturas é uma tendência que vem sendo registrada nos últimos anos. Os técnicos da Conab destacam, também, que a maior demanda e liquidez elevada da soja incentivam o maior investimento neste grão.

“O produtor tem utilizado sementes precoces de soja e, com isso, cria-se a possibilidade de plantar a segunda safra, principalmente de milho. Dessa forma, temos observado a expansão da área de soja na primeira safra”.
Já a área de plantio do milho primeiro safra foi reduzida em 9,3%, com o uso de 748,9 mil hectares.

Segundo Santana, a redução era esperada, já que a tendência é plantar mais soja na primeira safra e ampliar o plantio do milho no segundo período produtivo.

Além da queda na área plantada, a produtividade da cultura retraiu 6,5%, com rendimento médio estimado em 6,1 toneladas por hectare. A expectativa é colher, em Minas, 4,57 milhões de toneladas de milho na primeira safra, volume 15,2% inferior ao de igual período da safra passada. Seguindo a tendência dos últimos anos, a segunda safra de milho no Estado crescerá 23,5%, com a colheita de 2 milhões de toneladas.

De acordo com Santana, neste ano, devido às boas condições climáticas durante o plantio da primeira safra, a janela de plantio do milho segunda safra foi favorecida. Com isso, os produtores mineiros ampliaram em 8,6% a área de cultivo do milho segunda safra, destinando à cultura do cereal 368,6 mil hectares. A produtividade média pode crescer 13,7% e somar 5,66 toneladas por hectare.

“A expectativa é de bom rendimento da produtividade do milho na segunda safra, o que foi favorecido pela janela de plantio ideal e pelas condições climáticas que, até o momento, tendem a ser favoráveis para o desenvolvimento e colheita dos grãos”, explicou Santana.

Mesmo com a alta na segunda safra de milho, a produção total do cereal será menor. Ao todo, serão colhidas no Estado 6,66 milhões de toneladas de milho, retração de 6%.

Feijão – Queda também é esperada na produção de feijão. Além da redução de 4,6% na área de plantio da primeira safra, que ficou em 150 mil hectares, as condições climáticas desfavoráveis reduziram em 16,3% a produtividade e o rendimento médio da cultura caiu para 1 tonelada por hectare. A produção da primeira safra será de 158 mil toneladas, retração de 20,1%.

Segundo Santana, com a queda na oferta de feijão primeira safra, os preços foram alavancados e incentivaram os investimentos no segundo período produtivo. Em Minas, houve expansão de 10,7% na área de feijão segunda safra, somando 128,6 mil hectares. A produção esperada é de 183,6 mil toneladas, alta de 31%. Com expectativa de clima favorável, a produtividade pode crescer 18,4% e chegar a 1,4 tonelada por hectare.

País pode ter 2ª maior produção da série

Brasília – A produção de grãos no País cresceu 3,4% em relação à safra passada, o que representa aumento de 7,7 milhões de toneladas. Com isso, no período 2018/2019, a produção de grãos deve alcançar 235,3 milhões de toneladas. Os dados foram divulgados ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Caso se confirme a projeção da Conab, será a segunda maior produção de grãos da série histórica. Soja, milho, arroz e algodão aparecem como as principais culturas produzidas no País, representando 94,5% da safra. O aumento da área dessas culturas, com exceção do arroz, contribuiu para a elevação de 2,1% em relação à safra anterior, chegando à marca de 63 milhões de hectares.

A produção de soja para a safra 2018/2019, estimada em 113,8 milhões de toneladas, pode alcançar a marca de terceira maior safra da série histórica, mesmo tendo registrado redução de 4,6% frente à safra anterior, que foi até agora o maior recorde.

De acordo com a Conab, o bom resultado da safra de grãos se deve ao aumento de área plantada e contribuiu também a melhora da produção de milho. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!