Dados da Conab apontam que o índice produtividade apresentou alta de 4,7% na atual safra | Crédito: Abiove/Divulgação

Com recorde na produção de soja, Minas Gerais deve encerrar a safra 2019/20 de grãos com 15,3 milhões de toneladas, volume 5,8% superior ao registrado na safra anterior e o maior já produzido pelo Estado.

A avaliação é que o período produtivo foi positivo e as estimativas, caso as condições climáticas sejam favoráveis, é de aumento da produção na safra 2020/21. Os dados são do 12º Levantamento de Grãos, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Em Minas Gerais, na safra 2019/20, o crescimento da produção de grãos ocorreu principalmente pelo ganho em produtividade. De acordo com o levantamento, a produtividade ficou 4,7% superior, com rendimento médio de 4,4 toneladas por hectare. A área plantada cresceu 1,1% e somou 3,49 milhões de hectares.

De acordo com o superintendente de Inovação e Economia Agropecuária da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Carlos Eduardo Oliveira Bovo, o Estado registrou uma produção expressiva na safra 2019/20. Ele destaca que o aumento da produção veio, principalmente, da expansão da produtividade, reflexo da importância das políticas públicas (como o crédito rural), das pesquisas agropecuárias e da assistência técnica.

“O crédito possibilita que o agricultor busque novas tecnologias, que são resultados das pesquisas, e aplique nas propriedades. A assistência técnica e a extensão rural – seja pública ou particular – ajuda o produtor a encontrar as melhores opções e aplicá-las. A materialização de tudo isso é o que estamos vendo no Estado, a colheita de uma safra recorde”.

Tendência – Para a próxima safra, a tendência é de novo crescimento, uma vez que os resultados foram positivos e a rentabilidade favorecida pela desvalorização do real frente ao dólar.

“O que nos deixa animados é a perspectiva positiva em relação à produção mineira. Mesmo durante a pandemia, produtores continuam estimulados a investir. A perspectiva é de continuidade de recordes de produção, de melhorias de produtividade e busca de novos mercados”.

Produção de soja no Estado crescerá 14,6%

Dentre os produtos, a soja foi o principal destaque da safra de grãos em Minas Gerais, de acordo com a Conab. A produção da oleaginosa cresceu 14,6%, alcançando o volume recorde de 6,17 milhões de toneladas. Ao longo do ciclo, o clima foi favorável e a produtividade cresceu 9,6% com rendimento de 3,7 toneladas por hectare. Com a desvalorização do real frente ao dólar, o retorno para o produtor foi positivo e a tendência é que os investimentos na soja continuem.

Outra importante cultura, a do milho, ficou praticamente estável com o ciclo anterior. Na safra 2019/20, Minas Gerais colheu um volume total de 7,52 milhões de toneladas, pequena variação negativa de 0,1%. A área destinada a cereal foi de 1,17 milhão de hectares, 0,2% maior. A produtividade caiu 0,3% e encerrou o período em 6,4 toneladas por hectare.

Na primeira safra do cereal foram colhidas 4,67 milhões de toneladas, o que representou um aumento de 1,6%. Já na segunda safra, a produção de milho caiu 2,9%, com a colheita de 2,8 milhões de toneladas. Apesar do aumento de 7,2% na área de cultivo, a produtividade, em função do clima seco, retraiu 9,4%, o que interferiu de maneira negativa no volume total.

A produção total de feijão cresceu 3,8%. Ao todo, Minas Gerais colheu 563 mil toneladas do grão. A área de plantio ficou em 345,6 mil hectares, 5% menor. O maior volume colhido se deve aos ganhos em produtividade, que cresceu 9,2%. A cada hectare, foram colhidas, em média, 1,6 tonelada de feijão.

Na safra 2019/20, Minas Gerais deve colher 214,5 mil toneladas de trigo, o que representa um avanço de 3% sobre a safra anterior. Neste ano, a produtividade ficou 8,5% maior e o rendimento médio chegou a 2,5 toneladas por hectare. A área plantada, 83,5 mil hectares, foi reduzida em 5,1%.

Já a produção de algodão encerrou a safra em 161,2 mil toneladas, queda de 4,4% se comparada com a produção de 168,7 mil toneladas registradas anteriormente. A produtividade das lavouras crescer 5,3% com a colheita de 4,2 toneladas por hectare. Já a área utilizada, caiu 9,3% somando 38,1 mil hectares. A produção de pluma está estimada em 64,5 mil toneladas, redução de 4,4%.